Voltei - Relato da minha viagem!

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais recente para a mais antiga
 
Índice  
 
 
Giselle, Erika e Fábio

 mensagem postada em 05/12/2007 - 06:12:34hs
 
 

Caros amigos,
Gostaria muito de relatar toda a minha viagem pois foi fantástica...meu problema é a falta de tempo estou muiiiiiiito enrolada!!! Vou tentar contar aos poucos.
Gigelle, não sei como vai conseguir estar na disney sem o seu pequeno tenho uma amiga que tbém foi para lá sem o filho e chorou o tempo todo e olha que era a primeira vez dela por lá.

Érika, acho que sua viagem será maravilhosa como você marquei um café da manhã no Crystal Palace no MK, com POOH e seus amogos logo no primeiro dia e no primeiro horário o que foi perfeito pois entramos sem espera. Foi nesta hora a primeira expressão de dislumbramento do meu filho quando pela janela ele avistou o Bisonho e logo atrás o Tigrão, com os olhos arregalados e brilhando ele exclamou " Mamãe é o Bisonho e lá tá o Tigrão!!! " acho que ele não estava acreditando..., depois deste café da manhã tentamos agendar outro, porém não conseguimos estava tudo cheio. Quanto as andaças nos parque compramos um carrinho no Wal Mart o que foi ótimo pois ele se preservava e por volta das 15:00H sempre tirava um soniho, o que era ótimo pois quanto acordava estava de novo disposto. Quanto aos brinquedos cabe a você avaliar, pois presenciei uma cena ao meu lado no Brinquedo Dinossauro no AK onde uma mãe levou uma criança de aproximadamente 3 anos que entrou em pânico, foi Horrível...

Fábio, não deixe de programar refeições com ospersonagens é muito especial e no caso de sua filha como é menina a Bibidi Bobidi Boutique as meninas se tranformam em princesas...
Beijos,
Mônica

 


 
Voltei!

 mensagem postada em 05/12/2007 - 14:12:08hs
 
 

Chegamos domingo de noite e na segunda pela manhã já fui trabalhar... Estamos todos ainda de ressaca de Orlando. Ficamos apenas 9 dias e fizemos tudo! Eu, o meu marido e os meus sogros. Foram dias muito intensos, mas profundamente marcantes! Antes de conseguir tirar o visto, havia feito uma promessa para Mickey. Pedi pra ele me ajudar a ir para a Disney, que eu daria um beijo no pé dele. E não é que deu tudo certo... O danadinho me ajudou. E desde o início da viagem eu procurei o Mickey e nada... quando fui ao meu último dia de parque da Disney, dou de cara com ele... Voei no pescoço do Mickey. Foi uma emoção muito forte! Agarrei e não parei de chorar. Depois, tive a oportunidade de dar um beijinho no pé dele, que por sinal é duro. Não sei como ele consegue usar aquele sapato..., mas foi emocionante! Promessa cumprida! Adivinha se eu não fiz outra promessa antes de sair de lá?
A viagem foi maravilhosa, só foi ruim não termos tido mais dias para fazer compras e descansar um pouco. Dormíamos depois da meia noite e acordávamos 6h da manhã (ainda não tinha sol). Mas chegamos cedo em todos os parques o que ajudou bastante. No fim da viagem, o meu marido e o meu sogro já imploravam para assistirmos algum espetáculo ou filme 3D para eles dormirem um pouco. Dormiram de roncar... O meu marido chegou a dormir enquanto comia um ossinho de costela no almoço em Busch Gardens de tão cansado q estava. Só percebi porque o osso despencou no prato. Estava todo mundo moído, menos eu, apelidada de Capitão Nascimento. No dia de viajar, uma amiga da minha sogra falou que a melhor coisa do mundo era usar a tal da meia Kendal todos os dias. Faltando algumas horas para embarcar, comprei a meia e saí com ela daqui. Foi uma maravilha, usei todos os dias, esquenta e aperta um pouco, mas não senti dor nas pernas... e olha que andei! A minha batata está imensa, mas não senti dor, nem cansaço. Resultado, no fim do dia, depois dos parques, estava 100% para ir às compras e todo mundo estava morgado... Essa dica das meias Kendal, foi maravilhosa. Não deu para usar bermuda, só calça, mas apesar de ser feia, vale muito a pena. Depois eu escrevo mais, tá.. Beijos para todos!

 


 
3º dia - EPCOT

 mensagem postada em 05/12/2007 - 20:12:04hs
 
 

chegamos um pouco mais chedo no epcot pois tinha hora extra magical de manhã(estava hospedada no all star movies), quando entramos tiramos algumas fotos e fomos direto para o soarin, como era cedo não tinha muita fila e entramos logo, o brinquedo é fantastico, parace que estavamos voando de asa delta de verdade, gostamos tanto que fomos 2vezes.
fomos nos outros brinquedos dessa area um filme com os personagens do rei leão falando sobre a natureza e o ciclo da vida e o outro um barco que passa em plantações, vimos até uma abobora com a cara do mickey.
depois fomos para o the seas with nemo e friends, é bem legal, tiramos mais fotos.
fiquei triste pois a spaceship earth estava fechada em reforma só em fevereiro vai abrir.
fomos no brinquedo do figment, fomos ao test track, meu filho adorou e tive que repetir esse brinquedo com ele.
não fui mission: space, pois fique com medo de ficar passando mal e acabar estragando o meu dia, mas tirei foto em frente do brinquedo e fui na lojinha e comprei algumas coisas.
fiquei 1hora e meia na fila do epcot character spot um lugar onde vc tira foto com o mickey e sua turma, como meu filho adora o pateta fiquei com ele para ele falar com seu preferido, tirei muitas fotos.
depois fui naquele lugar onde se pode tomar coca cola de todos os lugares, experimentei todas, mas não gostei de nenhuma. haha!!!
fui para os paises e comprei o passaporte para o meu filho ir carimbando nos paises, só não consegui o do japão, pois quando cheguei lá fiquei na lojinha comprando umas coisas e quando vi já estava começando o llluminations que é lindo, mas não ganha do fantasmic(MGM) que é maravilhoso.
fomos ao maelstrom, e os brinquedo do mexico.
continua...
dia seguinte AK.

 


 
Início de um relato de viagem

 mensagem postada em 09/12/2007 - 19:12:20hs
 
 

O meu relato será um pouco diferente do costumeiro aqui no VPO.
A viagem realizada por mim e por minha esposa tinha o intuito único de realizar compras. Já fomos algumas vezes para Orlando. Por isso, parques não estavam entre as nossas prioridades. Diferentemente dos demais integrantes do VPO, não postarei por dias da viagem, até porque seria impossível eu lembrar exatamente o que fizemos todos os dias, já que íamos e voltávamos dos outlets, malls e lojas no mesmo dia, sem muita organização, pelo menos aparente. Fizemos algumas coisas pouco habituais nesse sentido. Postarei, então, por tópicos, o que, imagino, poderá ajudar ou esclarecer principalmente os que estão indo para Orlando pela primeira vez. Vocês verão que o humor dos relatos vai melhorando com o tempo, pois o início foi difícil.

1) A viagem de ida – Copa:
Somos de Porto Alegre. Então, pegamos o último vôo para Guarulhos do dia 01/12 pela TAM, por volta das 23h. Depois de 1h30min de vôo, ou seja, entre 0h30min e 1h do dia 02/12, já com as bagagens, não tínhamos muito o que se fazer no aeroporto, pois o guichê da Copa só abriria por volta das 2h. Além disso, mesmo depois de aberto e despachadas as malas, não é possível ingressar na ala internacional do aeroporto, pois não há ninguém da Polícia Federal à disposição nessa hora, pois o vôo da Copa é isolado na grade de partidas. Tem um McDonald’s pertinho, que fica aberto todo o tempo, mas duvido que alguém se aventure a ir em um fast food antes do embarque, a menos, é claro, que já esteja em fase de preparação estomacal e intestinal. Quase que de forma concomitante ao início do embarque, o pessoal da PF abre as portas da esperança e todos entram. Para conseguir comprar ou mesmo espiar algo no duty free tem que ser muito rápido, pois o embarque é quase que imediato. A Copa tem essa característica. Normalmente são bastante pontuais, baseados no início do embarque muito tempo antes do horário marcado para a partida do vôo. Próximo das 5h, como marcado, a aeronave partiu. O avião, como a maioria sabe, é um 737, com três poltronas de cada lado. As poltronas da fila 14, A e E, são aquelas atrás da fila da saída de emergência, que permitem que o passageiro estique as pernas. De resto, não acho pior que qualquer outro avião que faça o mesmo trajeto, pelo menos quanto a espaço. Os comissários são educados e atenciosos. Comida de razoável para boa. Em resumo, acho que a Copa, em que pese o horário meio estranho e desgastante para quem mora fora de SP, vale pelo custo-benefício, principalmente pela conexão rápida (cerca de 1h) e tranqüila (você vai caminhando tranqüilamente de um portão ao outro, em meio a algumas lojas – não precisa pegar as malas, que são despachadas diretamente para Orlando) e pela circunstância de que a imigração será feita em Orlando. A conexão, pelo menos, deveria ser rápida e tranqüila.

 


 
A Conexão e o Panamá

 mensagem postada em 09/12/2007 - 19:12:53hs
 
 

2) A Conexão desastrosa e o Sheraton do Panamá:
Depois de cerca de uma hora da nossa chegada, foram iniciados os procedimentos para o embarque para Orlando, que ocorreria ainda na manhã do dia 02 (por volta das 10h se não estou enganado). Depois de todos passageiros já embarcados, nada do avião sair. Vez ou outra passava um daqueles funcionários da companhia, de terra, com um rádio na mão, para lá e para cá dentro do avião e nada de -- palavra censurada -- mos. Até que, de uma hora para outra, o piloto e o co-piloto pegaram os seus pertences e foram embora. De imediato, um dos comissários anunciou que o vôo fora cancelado e que outras informações seriam prestadas do lado de fora, em frente ao portão de embarque. Daí foi o caos. As funcionárias designadas para informar, ainda que de boa-vontade, estavam igualmente perdidas e não informavam nada. Primeiro, informaram que os passageiros com crianças teriam preferência para um vôo durante a tarde pela American Airlines para Miami, com conexão para Orlando, após uma hora (é difícil que alguém que não seja americano conseguir fazer a imigração, pegar as malas, fazer alfândega, despachar as malas em uma hora). Talvez um ou outro tenham optado por esse vôo da AA. A outra opção, dada depois de mais de 1 horas de impasse na comunicação entre Copa e passageiros, foi a de que todos poderiam ir para Orlando no vôo noturno, que sairia às 20h20min, ou seja, cerca de 09 horas depois (meu primeiro questionamento foi o seguinte: como ficariam as pessoas que normalmente iriam para Orlando nesse vôo? As informações, como eu disse, não eram claras e o pessoal que estava com filhos, foi o mais sacrificado. Depois de muita confusão e de muuuito tempo, dividiram os passageiros em dois grupos, os com criança e os sem criança. Os sem criança, do qual eu e minha esposa fazíamos parte, depois de muuuito tempo novamente, foram listados e colocados dentro de um ônibus, em direção ao Sheraton. Aqui uma pausa para alguns comentários. A Copa deve ser sócia da imigração panamenha. O normal seria que os passageiros fizessem a imigração, ainda que em grupo, para sair da ala internacional e, assim, ingressar no país. Que nada, fizeram um aglomerado e todos passaram juntos sem nem dar um hola para o agente de imigração. Qualquer um poderia estar ali no meio, pois não havia organização alguma. Simplesmente, juntaram um bolo de gente e foi todo mundo caminhando aeroporto a fora, ainda com direito a dar um tchauzinho para as malas abandonadas em um canto. Enfim, depois de muita briga, o grupo dos sem children ou niños foram de furgão até o Sheraton, onde nos deram uma chave de um quarto e almoço free, com a promessa que nos buscariam às 16h30min. Foram pontuais e por volta das 17h já estávamos na fila do check in. Aí começou o terror de alguns, pois obviamente não teria lugar para todos no vôo, pois não era vôo-extra. Muitos ficaram em stand by. Todos, mesmo os pais com crianças muito pequenas, ficaram separados nos assentos, ou mesmo alguns com lugar certo no vôo, outros, da mesma família, em stand by. Imaginem o desespero de famílias, em que os pais, por exemplo, estavam no vôo e os filhos pequenos não. Parece que fizeram um sorteio. Eu e a minha esposa ficamos no vôo, embora em assentos distantes. Feito o confuso e brigado (fura-filas, etc.) check in, faltava ingressar na sala de embarque e passar pela imigração. Daí um problema, pois oficialmente não entramos no país, como, então, poderíamos sair? Não havia carimbo de entrada. Mais uma confusão e mais uma junção de gente que, sem qualquer controle, simplesmente dava o nome e entrava na ala de embarque, sem mostrar nada. Na hora do embarque, não deu outra: choro, desespero e uma briga para entrar na aeronave. Overbooking extremo. Deu pena de uma família formada por um casal jovem com duas filhas que, sem lugar no vôo e iniciantes de Orlando, foi direcionada para Miami e dali partiriam de carro ou ônibus para Orlando. Tudo isso de madrugada. Imaginem um vôo em que ninguém, mas ninguém mesmo, estava emparceirado, o troca-troca que foi. O atraso foi inevitável, stress idem.
Próximo capítulo: uma notícia ruim e o início de várias muito boas.

 


 
Inicio da viagem

 mensagem postada em 10/12/2007 - 09:12:29hs
 
 

Esse site é nota 10. Eu peguei várias dicas que foram importantes para uma boa viagem.
Saí de Florianópolis com a minha esposa dia 14/11, fiquei em Orlando até o dia 23/11 e depois fui para Washington e NY.
A saída de Floripa foi o único stress da viagem toda. O horário do vôo era às 16h20min, porém às 17h30min o avião, que vinha de Chapecó nem tinha decolado de lá. Ai comecei a ficar preocupado, o rapaz da Gol disse que o avião tinha um problema mecânico mas que ia -- palavra censurada -- . Nessa dúvida, pedi para o rapaz trocar minha passagem para o vôo que estava indo pra Congonhas (pensei comigo: “pelo menos to em SP, lá eu me viro”). Ledo engano, o vôo para Congonhas atrasou pra cacete e as 20h00min estava na saída de Congonhas e tinha que cruzar toda a cidade. SP, véspera de feriado, a fila para pegar o táxi demorava 40 minutos. Tinha uma outra moça de floripa que fez essa mesma besteira que eu, com uma pequena diferença, ela tinha um vôo às 21h00min para Paris. Voltei para o desembarque e encontrei um taxista que fica se oferecendo. Resolvi arriscar, a essas alturas do campeonato, acertamos um valor com o cara e em 1h15 ele estava em Guarulhos (quando o cara começou a pegar umas quebradas na Penha eu pensei: agora dançamos).
Fizemos o check in tudo na paz (depois do susto, a gente até dava risada na fila), o vôo estava marcado para as 23:50, porém ficamos uma hora parado dentro do avião. As 05:45 pousamos em Miami. O avião é bem apertado, mas nada desesperador (gente muito grande deve sofrer bastante) e por incrível que pareça a janta estava muito boa, não sobrou nada. Muita gente fala mal da AA. De minha parte só tenho elogios, pode ser que eu tive muita sorte: o atraso não foi culpa deles, filminhos a noite toda, rango bom (para o nível aéreo), as aeromoças não foram grossas e ainda consegui dormir uma boa parte do vôo.
Tudo tranqüilo na Imigração, sem nenhum problema. Pegamos a conexão e às 10 horas chegamos em Orlando. Mais uma hora para pegar a bagagem, fila na Álamo (era a única cia que estava lotada) e escolher o carro. Pesquisei um monte, com várias empresas e contratei o plano EP com o Ronaldo (fiz as contas e como pode devolver com o tanque vazio a locação ficou apenas US$100 mais cara, com seguro total, vale a pena) e podia escolher um midsize. Peguei um Pontiac, novinho e muito confortável. Tem que amarrar o pé esquerdo para não pisar no freio por engano (heheheh, fiz isso apenas 2 vezes).
Na saída, fui seguindo as placas e me lembrei do tal do pedágio. Quando passei, pensei comigo mesmo: “pelo menos to no caminho certo”. Acho que em menos de 20 minutos estava no escritório do Ronaldo pegando os ingressos e trocando umas idéias. O cara é gente boa mesmo, vale a pena. Demos uma passada no Prime, aproveitamos para comer o nosso primeiro sanduba e fomos para o Comfort Inn da Sand Lake fazer o check in e tirar um cochilo. Depois com o mapa na mão (não quis pegar GPS) arrisquei chegar nas lojas da Nike da 192. A Factory é bem longe, tem que andar um monte, até pensei que tinha fechado Os preços e as opções são menores, eu acho que vale a pena. Voltando pela I-4, vc vê o Premium e acha que dá para entrar, só que não da não. Peguei a primeira saída, perguntei para um cara num posto e rapidinho estava no outlet.
Orlando é uma cidade fácil para dirigir, com um mapa na mão vc consegue se virar. Uma ou outra errada é normal e falando um pouco de inglês não tem problema. Estive lá em 1997 e 1996, ou seja, muito tempo e não me lembrava de quase nada.
A noite estava gelada. Entrei na Sand Lake e fui até o Walmart comprar comida, água, cerveja e outras bobagens e quando percebemos já era 10:30 da noite. Jantamos um prato congelado no quarto do hotel (bem meia boca). Estávamos num bagaço e capotamos.

 


 
16/11 – EPCOT CENTER

 mensagem postada em 10/12/2007 - 13:12:58hs
 
 

Antes de começar, um pequeno parêntese: nunca fiquei tanto tempo junto com a minha mulher. Perguntei pra ela se íamos agüentar, hehehehe. A gente sai pra trabalhar às 8 da manhã e retorna às 8 da noite. 15 dias juntos o tempo todo é uma prova para ver se um agüenta o outro. A nossa conclusão é que a gente só fica chato e ranzinza quando tínhamos fome. Enchia a pança e pronto, tudo paz e amor.
Outra coisa, nosso roteiro gastronômico não foi dos melhores. A noite preparávamos sandubas com queijo e peito de peru, umas pringles, separávamos umas cocas e água e mochilinha nas costas.
Acordamos cedo, as 07:00 da manhã e logo de cara tomei um susto no weather channel: previsão do tempo para a noite: 35-40F. Putz, ta doido, tinha levado apenas 3 camisas uma calça e um moletom, não tinha roupa pra esse frio todo. Meu irmão esteve em setembro e disse que no avião fazia frio. Nessa, minha mulher levou um casacão; se deu bem. Para uma cidade um pouco mais para cima, Ocala, a previsão é de 32F. Sabia que não estaria muito quente, mas não esperava esse frio na Florida.
O café da manhã é bom, vai lá, com boa vontade é bom sim, tem um tal de waffle que vc faz na hora que comemos todos os dias, pão, cream cheese, umas frutinhas, café, chá e suco. Tomava sempre um suco de laranja e um chá.
As 09:00 entramos no carro e o vento estava gelado (eu sou do sul, até que to acostumado com um pouco de frio). Peguei o mapa, vi a saída que tinha que pegar para chegar no EPCOT e fomos nessa. A I-4, que é a principal rodovia de Orlando fica a uns 500 metros do hotel. Tava vendo o picolé que eu ficaria às 9 da noite no Ilumination. Estava imaginando o preço de algum trago para esquentar.

Entramos e fomos direto para o Soarin, fila de 10 minutos, nem peguei o fast pass. Para mim é um dos melhores brinquedos de Orlando. Como já comentaram, o cheirinho da laranja é muito gostoso.
Saímos e zarpamos direto para o test track, 15 minutos de fila. Curtimos bastante. O Mission Space tinha uma fila e pegamos o fast pass. Caminhamos um pouco, comemos um sanduba e já estávamos nesse brinquedo. Minha esposa é cardíaca e nesses brinquedos mais fortes eu ficava preocupado, tanto que nas piores montanhas russas ela não foi. Só que nessa ai, quem ficou grogue fui eu. O loco, sai meio zureta desse mission. A teoria da minha mulher é que eu ficava prestando atenção nos botões que era para apertar e por isso tonteei. Nada demais, mas precisei de uns 10 minutinhos pra ficar numa boa de novo. Na saída pegamos o fast pass para ir no soarin novamente.
Assistimos o Encolhi as Crianças, Universe of Energy (é um teatro de 37 minutos, sem poder sair, então, se precisar ir ao banheiro, vá antes) e o Nemo. Como apenas eu falo inglês, ficava de tradutor simultâneo para minha esposa (é um saco). Para quem não entende nada tem uns fones que tem tradução. No Nemo tem um aquário legal e estavam fazendo um treinamento especial com os golfinhos.
As 17:00 saímos do Soarin e começamos a fazer o World Showcase. Assistimos o filme da França, Canadá e China, além de ter entrado em todos os países. Eu e a Fabiola (minha mulher) já estávamos tonto de tanto cine 360º. Eu ainda curtia porque entendia tudo, ela ficava viajando um monte.
A noite estava muito fria (e eu de bermuda e moletom), a sorte é que parou o vento, mas o povo estava de luva, gorro, cobertor. O show é muito bonito, valeu a pena a espera. Uma revista tinha dado a dica para ficar entre a China e a Alemanha. Foi pra lá que a gente foi. Acho que era um dos melhores lugares mesmo, porque vi o senhor dos Estados Unidos levando gente para lá.
Acabou o show e fomos para a ID procurar algo para comer. Paramos no Cici’s. Vc paga US$5.49 mais alguma coisa para o refri e pode se matar comendo. Já viu o naipe, né??? Só selvagem. Mas é baratinho e enchia a pança.
Uma dica: para quem curte um bom som, nem precisa procurar estação de rádio. Só sintonize 95,9 FM. Classic Rock 24 horas por dia. Sensacional: Pink Floyd, Led Zeppelin, Rush, The Doors, rock o dia todo.
Chegamos no hotel e, mais uma vez, capotamos.

 


 
VOLTEI ( infelizmente) ..

 mensagem postada em 10/12/2007 - 15:12:23hs
 
 

Bm pessoal !!!
Infelizmente para mim, ontem a noite voltei.
O passeio não poderia ser diferente de maravilhoso.
Não fui a parque algum. Estive na Universal e Seea apenas para renovar meus passaportes ( foi o motivo que usei como desculpa para ir até lá, já que poderia ter feito pela internet. Mas a desculpa foi por uma boa causa).
Viagem tranquila tanto ida como volte, com os horários rigorosamente cumpridos (Copa).
Fiquei hospedado no Metropolitan Resort (Intl Drive 8444). Atendeu plenamente minhas necessidades. Quarto limpo todos os dias, atendimento muito bom. Neste hotel tem um atendente (Eduardo), super gente fina ( atencioso, educado, prestativo. Sempre pronto para ajudar) A gerente do hotel é uma brasileira.
Minha indicação para eletrônicos : SANS - disparado o melhor preço, apesar da pouca mas não pequena, variedade. A diferença de preço, compensa muito.
Conheci a Ross Dress, na John Young Pkwy , no Shoping que arece que o nome é (b)ool - não lembro da primeira letra, as outras três estão corretas. Indo pela John no sentido Sand Lake para 192, o shoping fica a direita. Vale a pena visitar, tem várias lojas. A Ross até que estava bem organizada. Bem em frente ao Shoping tem uma loja nova da Best Buy )achei os preços altos).
Wal Mart - Sem dúvidas o de melhor preço e variedade é o da 192 esquina com a Bass Road (bem perto do Medieval Times).Na mesma 192, mais adiante (sentido 192 para a John Young) tem umK-Mart - Decepcionante.
Victoria Secret - Estive em várias lojas. Os preços são iguais (loucuuura total). Consegui todas as bolsas que as amigas do site falaram (douradas, prateadas, azul com escrito rosa etc). Faltou braço para carregar....
Muitas promoções da Lancome, Ives e etc.., tanto no Macys como na Dillards e também na Sakes.
Estive em Altamonte - valeu por uma promoção na Macys que não tinha em Orlando ( na -- palavra censurada -- nd os dois produtos custariam +- 230 doletas e na promoção 99 doletas) e por uma loja de cosméticos/etcs.. (tipo -- palavra censurada -- nd), com preços ótimos. Os shampoos da Tigi, recomendados, estavam com o preço muito melhor.
Bem .. qualquer coisa, perguntem... pois é uma das únicas maneiras que tenho como retribuir o auxílio de todos vocês.
Em tempo : desta vez guardei a maioria das notinhas então....
Quem quiser alguma infrmação mais detalhada, pergunte.

 


 
3) Cadê as malas, carro e Hampton Inn

 mensagem postada em 10/12/2007 - 17:12:11hs
 
 

3) Cadê as malas, carro e Hampton Inn South Universal
Na chegada, a imigração foi tranqüila. Agente de imigração fazendo força até para ser simpático. Fez as perguntas de praxe como, por exemplo, quanto tempo vão ficar, motivo da viagem, etc. Ele viu o visto da Austrália e os carimbos de entrada na Nova Zelândia e fez perguntas sobre tais países, como se os conhecesse (fez isso ou para nos testar, o que não acredito, ou para ser simpático mesmo). Não fizemos alfândega, porque, obviamente, depois de tanta confusão, com cancelamentos, atrasos e mudanças de vôo, as malas não chegaram junto com a gente. Apenas entregamos o papel da alfândega para um funcionário e passamos direto, ou seja, nem as malas de bordo passaram no scanner. Com isso, mais uma fila e um pouco de stress. Enquanto minha esposa ficou na fila para registrar a ocorrência com as malas junto aos funcionários da Copa (aparentemente, todos do vôo cancelado pela manhã tiveram o mesmo problema), eu fui para a fila da Budget retirar o carro. Normalmente, nos dividimos na chegada, pois a Budget costuma ter filas. Dessa vez não havia. Foi bem rápido. Sempre alugo pela Budget, modalidade all inclusive. Faço a consulta pela internet, vejo quanto pagaria se fizesse a reserva por conta e passo para a minha agente de viagens, que sempre bate o preço. Alugamos um carro classe C, da madrugada de domingo para segunda até as 14h de sábado e saiu U$ 219,00. Achei bem razoável. Mesmo quando não fiz all inclusive, achei a Budget melhor, pois não ficam empurrando seguros, upgrades, etc. Uma vez me explicaram que a Budget seria a única locadora em que o funcionário do balcão não ganha comissão pelo o que empurra para os clientes. Não sei se isso ainda vale. Com a Budget, você pega a chave, atravessa a rua, acha o box do carro e só, simples.
Considerações sobre a Copa: eu também tinha feito outras viagens pela Copa, sempre sem problemas, a última delas também para Orlando. Em todas ocorrem problemas como os que enfrentamos agora. Passei algo semelhante com a AA. Acho que, no final das contas, eles fizeram tudo o que podiam fazer, apenas de uma forma muito, mas muito mal organizada. Imagino que o pessoal do stand by não deva pensar o mesmo, principalmente os que estavam viajando pela primeira vez para Orlando.
Hampton Inn South Universal: do Panamá, providenciei que o hotel fosse avisado que não chegaríamos no domingo, a fim de evitar qualquer outro problema de no show, embora estivesse pago (52 dólares a diária). Em Orlando, eu já tinha ficado no Confort Lake Buena Vista, no Suítes, no Travelodge da American Way e no Days Inn, alguns deles mais de uma vez. Achamos o Hampton disparado o melhor deles. Limpíssimo, com quartos equipados com micro e frigobar e um café da manhã excelente. Além dos tradicionais muffins, sucrilhos, frutas, iogurte, sucos, rosquinhas, etc, tradicionais de qualquer breakfast continental, sempre existiam pelo menos duas opções de pratos quentes salgados, como um hamburguer de frango, uma pequena pizza, salsicha, rabanada, etc. Excelente. O acesso também é outro ponto forte. Por ser na Kirkman, o acesso para qualquer ponto é muito fácil e rápido, sendo possível evitar os engarrafamentos da ID. A menos que o cliente seja muito exigente, desejando luxos que para Orlando, como se passa o tempo inteiro na rua, são desnecessários, acho o hotel perfeito.
Ah, as malas chegaram no dia seguinte, na segunda-feira, por volta do meio-dia, mas só fomos vê-las por volta das 22h, quando retornamos ao hotel.
Próximo capítulo: Prime, Premium, Altamonte, Oaks Mall, LBV e outros – temos um vício

 


 
Levar baixinhos

 mensagem postada em 10/12/2007 - 18:12:32hs
 
 

Bem sobre esse assunto, temos um pensamento, minha esposa e eu, nossos filhos sempre estarão melhores conosco do que com qualquer pessoa, mesmo vó, vô, dindo, dinda, que com certeza os amam tanto quanto nos, por isso eles nao nos acompanham apenas onde nao é possivel mesmo eles irem, como boates, ou jantares em lugares noturnos improprios a menores, ou é claro em algum lugar que eles nao queiram ir ( minha maior ja tem 16 anos e a algum tempo em algumas ocasioes pode optar em ir ou não conosco.Quanto ao menor que fara dois anos em fev ( na Disney), sempre nos acompanha onde vamos, se ele nao puder ir mesmo, ou tiver algum problema nos nao vamos, pois parece-nos estranho dizer que fraldas, mamadeiras, papinhas, soninhos causem problemas aos pais ou ainda aos pequenos, sao situações que sao inevitaveis, e que refletem vida em familia,
Nosso baixinho ja viajou conosco para varios lugares, é claro que nosso ritmo é outro, mas sempre é emocionante ver cada reação dele e pricipalmente a nossa.
acredito que quem ganha com a viagem somos nos, que em mais um momento especial teremos a presença dos seres mais especias em nossas vidas , nossos filhos.
Dizer que eles nao se lembrarão, nao sei, mas eu me lembro de cada sorriso e choro de meus pequenos, e tenho certeza que Em Orlando conosco será infinitamente melhor do que em qualquer lugar com outra pessoa .
Por isso digo, viagem e levem sempre os baixinhos, com 6 meses, 1 ano, dois anos, enfim sempre, a viagem será sempre melhor com eles do que sem, e eles com certeza se pudessem escolher gostariam de ir conosco, mas sempre lembrando que quando a viagem é em familia, todos cedem para o bem de todos.

 


 
 
No pavilhão da Alemanha (Epcot) você encontra 16 brasões na fachada da Sommerfest e Biergarten representando os 16 estados federados alemães.