Alfândega - Relatos

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais antiga para a mais recente
 

O objetivo do presente tópico é o de servir de espaço para que possamos postar - relatos - sobre as nossas experiências com a alfândega (exclusivamente). Peço que questionamentos sobre a "cota de isenção" sejam reservados para o seu tópico específico - Alfândega - Cota de Isenção.

leia essas informações
 
Índice  
 
 
Alfandega de Recife - PE

 mensagem postada em 23/10/2014 - 12:10:45hs
 
 


Gostaria de saber se alguém tem informações acerca da alfândega em Recife, como está a movimentação de fiscalização?

Na ultima vez que viajei (EUA), estava passando todas as malas no Raio X.

Quando vim de Cancun, não tinha nada, passava-se direto.

Obrigado

 


 
Terminal 2 - Vôo Gol - 07/10

 mensagem postada em 16/10/2014 - 17:10:02hs
 
 

Vou relatar o meu aqui, pois a colega teve problemas, e eu, graças a Deus, não.

Avião chegou de Santo Domingo às 04h30, Origem: Orlando.

Peguei as malas e fui ao Duty Free, mas coisa rápida. Após, eu e minha noiva já juntamos as coisas e fomos passar, e eu desesperado pois estava com um Macbook.
Agora, via de regra, imagino eu, todos passam pelo Raio-X. Antes de colocar as malas na esteira para o Raio-X, havia apenas um fiscal, que parecia estar tranquilo. Ele apenas falou às duas senhoritas que estavam averiguando as malas: Se achar algo diferente, mande para as mesas e avise para aguardar que eu já venho atender". Aí, o Batimento cardíaco que já era de uns 105, foi pra 1,4, ou seja, tive uma mini parada cardíaca. Coloquei as malas, e as sacolas do Duty Free, e a cabeça parecendo um tomate, "cofrinho" á mostra, até porque tem que carregar as malas da noiva também, passou pelo raio-X, ela falou "Tudo ok". Naquele momento, minha vontade era de pegar as malas sem o carrinho e sair correndo, mas não, ainda tinha que fazer um pouco mais de força.
Notei que havia apenas uma família com as malas todas abertas, mas não pareciam estar nervosas nem nada.
Assim, cheguei à conclusão que realmente é uma loteria. E minha sorte, para meu azar, foi toda despejada ali, naquele momento. Trocaria pela Mega acumulada, assim não teria problemas em pagar imposto.. rs

E lembrem-se: O medo de perder tira a vontade de ganhar, embora tudo esteja fora de controle, faça parecer que está tudo ok.

Boa sorte!

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 17:10:39hs
 
 

Mauro,

É isso mesmo.

Se vocês foram pra lá só com a roupa do corpo, o que vocês comprarem para usar lá, compatível com a duração e motivo da viagem, é isento.
No caso de perfumes e cremes, eu já li em alguma reportagem que eles devem estar abertos e com alguma quantidade usada para entrar na isenção, sendo isento apenas 1 ou 2 perfumes. Mais que 3 perfumes já entraria na cota de U$ 500.

Se vocês trouxerem para vocês apenas um número razoável de roupas e perfumaria, compatível com a duração da viagem, vocês estão livres para usarem U$ 500 cada um com o enxoval.
Acima disso, pode ser taxado.

Sim, é bom dividir as coisas de cada um e o enxoval em malas diferentes, caso vocês acabem se separando no desembarque. E se vocês ficarem dentro da cota, tudo certinho, tenha as notas fiscais em mãos caso o fiscal alegue que o enxoval passou da cota.

E vale lembrar que às vezes o que é compatível com a duração da viagem para você não é para o fiscal. Então, na dúvida, tente pensar como o fiscal. rs

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 16:10:56hs
 
 

Marcia, obrigado pela resposta didática rs..

Apenas para esclarecer, pois acredito que possa ser a dúvida de outras pessoas também....

Então se eu for, junto a minha esposa (grávida) fazer o enxoval do bebê, e aproveitar para comprar umas roupinhas para nós, teremos a seguinte situação:

a) nossas roupas, perfumes, cremes, etc, desde que compatíveis com o tempo de viagem, entram na cota de isenção;

b) já todo o enxoval entrará na cota dos U$ 500,00, correto?

Logo, o melhor a fazer seria tentar dividir as malas de forma que cada um ficasse com seus bens pessoais e itens do enxoval que não ultrapassem os U$ 500,00 correto?

Assim, mesmo que fóssemos parados, não caberia a imposição de pagamento de tributos porque, (1) temos roupas e itens pessoais compatíveis com o período de viagem e de uso próprio e (2) o enxoval está no limite de U$ 500,00 para cada um de nós....

Esta correto este entendimento? Lembrando que as notas também seriam aconselháveis serem divididas com cada responsável.

Obrigado.

Mauro,

Itens de uso pessoal não é aquilo que você traz para você, e sim o que usou durante a viagem.

Por exemplo, uma pessoa que passe 30 dias em Orlando indo de malas vazias para lá pode trazer muito mais coisas isentas de impostos na categoria itens pessoais do que uma pessoa que vá de malas vazias mas que passe apenas 3 dias por lá.

Itens pessoais isentos é aquilo que você precisou usar durante a viagem, devendo a quantidade de itens ser compatível com a duração e motivo da viagem.
Assim, hipoteticamente, uma pessoa que passe 15 dias em NY em janeiro pode trazer uns 2-3 casacos de inverno, umas 5 blusas, uns 5 conjuntos de 2ª pele. Tudo isento, sem entrar na cota de U$ 500.
Uma pessoa que viaja a negócios, pode comprar uns 2 ternos no exterior (de qualquer valor) também isento.
Uma pessoa que vai a Orlando no verão e passe uns 10 dias por lá, pode voltar com uns 2 pares de tênis, umas 10 camisas, 5 calças, isentos.
Mas nessa conta entra os itens que você levou do Brasil também. Nesse último caso, 10 dias em Orlando são compatíveis com 2 pares de tênis, se você já está indo com 1 do Brasil, então só 1 que você comprar lá vai ser isento.

Esses números são hipotéticos, cada fiscal tem uma orientação a seguir, sei lá se eles tem uma tabela dias de viagem-motivo-roupas isentas na mala. Mas, o que ele falam é isso. É isento os itens pessoais usados, desde que a quantidade seja compatível com a duração e motivo da viagem. Acima disso, entra na cota de U$ 500.
(mensagem de Marcia 0 oliveira)


 


 
Res: Notas

 mensagem postada em 16/10/2014 - 16:10:00hs
 
 

Larissa,

Não basta usar a roupa, o total de camisas tem que ser compatível com a duração da viagem.

Então se você fica 10 dias fora e traz de volta 30 camisas "usadas", o fiscal deve colocar pelo menos metade delas na cota de U$ 500, porque não é um número compatível com a duração da viagem.

 


 
Notas

 mensagem postada em 16/10/2014 - 16:10:28hs
 
 

Gente, eu tiro a etiqueta de quase todas as coisas que compro.
Deixo das mais baratas, e se for o caso, eu ando até de camisa lá!
Mostro que foi usada...entao o melhor a se fazer, é guardar a nota sim!
Mas se for coisas como roupas..... aconselho a usar quase todas lá.. nem se for pra apenas pra tomar café no hotel....rs

Acho que isso foi aleatório.... questão de sorte, e do que o agente observar quando vc chega.
Acho que levam em consideração a forma com que esta vestido, a bolsa que usa( no caso das mulheres).... etc....

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 16:10:49hs
 
 

Mauro,

Itens de uso pessoal não é aquilo que você traz para você, e sim o que usou durante a viagem.

Por exemplo, uma pessoa que passe 30 dias em Orlando indo de malas vazias para lá pode trazer muito mais coisas isentas de impostos na categoria itens pessoais do que uma pessoa que vá de malas vazias mas que passe apenas 3 dias por lá.

Itens pessoais isentos é aquilo que você precisou usar durante a viagem, devendo a quantidade de itens ser compatível com a duração e motivo da viagem.
Assim, hipoteticamente, uma pessoa que passe 15 dias em NY em janeiro pode trazer uns 2-3 casacos de inverno, umas 5 blusas, uns 5 conjuntos de 2ª pele. Tudo isento, sem entrar na cota de U$ 500.
Uma pessoa que viaja a negócios, pode comprar uns 2 ternos no exterior (de qualquer valor) também isento.
Uma pessoa que vai a Orlando no verão e passe uns 10 dias por lá, pode voltar com uns 2 pares de tênis, umas 10 camisas, 5 calças, isentos.
Mas nessa conta entra os itens que você levou do Brasil também. Nesse último caso, 10 dias em Orlando são compatíveis com 2 pares de tênis, se você já está indo com 1 do Brasil, então só 1 que você comprar lá vai ser isento.

Esses números são hipotéticos, cada fiscal tem uma orientação a seguir, sei lá se eles tem uma tabela dias de viagem-motivo-roupas isentas na mala. Mas, o que ele falam é isso. É isento os itens pessoais usados, desde que a quantidade seja compatível com a duração e motivo da viagem. Acima disso, entra na cota de U$ 500.

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 16:10:51hs
 
 

Pelo dito no relato, não havia eletrônicos, produtos de foto e vídeo ou computadores, tampouco, produtos de alto valor agregado....assim, pressuponho que as malas eram basicamente compostas de roupas, cremes, tênis, nada fora do normal para um turista brasileiro....

Considerando que cada um portava 2 malas (ou seja dentro dos limites), e, considerando o padrão das malas de viagem, não acham que este valor de R$ 6.000,00 esta super valorizado? Poxa seria o equivalente a R$ 2.000,00 por pessoa só de multa...o que sugere que compraram muito muito muito....

Será que o fiscal não agiu de má fé?

Poxa até parece -- palavra censurada -- o que fizeram com o colega....

Aproveitando o gancho, gostaria de entender, qual a relação entre o tempo de viagem e o que você trás? Não consigo entender porque eles perguntam isso e porque é considerado. Cito como exemplo um parente que teve a oportunidade de passar apenas 3 dias em Orlando (ganhou na empresa), ele gastou cerca de U$ 900,00 dólares em roupas básicas....como sabemos, voltou com a mala recheada...

Minha dúvida é: o funcionário da alfândega, se tivesse o parado não deveria apenas considerar o que ultrapassou os U$ 500,00 dólares e não é considerado de cunho pessoal, pouco importando quanto tempo ficou?

Obrigado.

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 14:10:43hs
 
 

Porque vc trouxe as notas? pois não há necessidade visto que eles tem o preço de tudo. Essas notas lhe comprometeu, da próxima vez nada de nota e Boa Sorte para todos nós.
(mensagem de Wilma Gomes Carvalho)


Wilma, nem sempre é assim como você afirmou.

O valor pode até estar no produto, mas se você utilizar um cupom de desconto, este aparecerá apenas na nota fiscal emitida no caixa.

Ou seja, se vc comprar 5 camisas polo a $20,00 cada e tiver desconto pela utilização de cupons, o valor da etiqueta não será o valor que você pagará na realidade e isso pode vir a prejudicar.

Eu levo todas as notas, principalmente pq se tem as notas, facilita o "trabalho" dos fiscais. Caso contrário, eles procuram os valores "aproximados" pela internet, e nem sempre correspondem com a verdade. Ou seja, é melhor levar todas as notas sim.

 


 
Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 13:10:12hs
 
 

Qual critério os fiscais usaram para um valor tão alto?
O que foi consumido lá não pode ser taxado por não ter "entrado no Brasil"!
Os fiscais não podem andar tão fora das regras desta maneira. Penso que um bom advogado resolveria esta causa sem dificuldades!
Pessoal os fiscais podem taxar sim , mas não de maneira aleatória como agiu.
Procure seus direitos

 


 
 
Na Splash Mountain, quando o barquinho começar a subir a montanha, antes de fechar os olhos e se agarrar no barquinho, perceba um esquilinho que coloca a sua cabeça para fora e grita: "F.S.U.". Esta foi uma forma dos Imagineiros homenagiarem a Florida State University.