Voltei - Relato da minha viagem!

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais recente para a mais antiga
 
Índice  
 
 
RELATO 1 – APRESENTAÇÃO

 mensagem postada em 07/01/2015 - 20:01:38hs
 
 

Caros Amigos do VPO,

Orgulhosamente darei início aos meus relatos.

Meu nome é Jessica e acompanho o site e o fórum quase que diariamente desde de julho de 2012, quando comecei a contagem regressiva para a minha viagem que seria apenas em outubro de 2014! Isso mesmo, a minha contagem foi de 750 dias! 750 dias que usei para planejar, ler todos os relatos aqui do VPO, pesquisar muito e SONHAR.

Sempre senti preguiça de logar e fazer comentários, mas sempre estive presente! Conheço quase todo mundo do fórum apesar de ninguém me conhecer, mas prometi pra mim mesma que ao voltar da Terra da Magia escreveria os meus relatos para eu relembrar a minha viagem e ajudar aos próximos viajantes como muitos já me ajudaram por aqui... principalmente no controle da ansiedade pré-Orlando!

O meu sonho com a Disney é bem antigo. Quando eu tinha apenas 7 anos comecei a cursar inglês e minha mãe teve a grande ideia de me presentear com o VHS da Pocahontas Legendado. Por não entender nada, eu nunca assistia ao filme, mas sempre colocava a fita no vídeo cassete para assistir ao vídeo promocional do Walt Disney World Resort. Tinha sido a primeira vez que eu ouvira sobre aquele lugar mágico. Eu rebobinava a fita e assistia várias e várias vezes às mesmas cenas...
Meus pais, como muitos pais, nunca tiveram condições de realizar o meu sonho. O que de certa forma foi muito bom, pois tive a oportunidade de realizá-lo com o meu próprio esforço e do lado da pessoa que escolhi pra dividir a minha vida e dar todo o meu amor, o meu marido. Ou seja, o gosto dessa viagem foi ainda mais especial.



Bom, então deixa eu apresentar os tripulantes da minha tão sonhada viagem de uma forma que vocês entendam um pouquinho dos nossos pontos de vista e opiniões.

Eu, Jessica, 25 anos, falante fluente de inglês, sonho com a Disney desde os 7 anos, acho tudo lindo e fofo, amo Disney e Harry Potter, choro por qualquer coisa, sou bastante exigente em relação aos serviços que me são prestados, sou uma über planner assumida, nunca fui louca por compras, sou sempre muito educada e adoro cinema, atrações radicais e animais.

Meu marido Ricardo, 31 anos, nunca pensou em ir para Orlando, fala inglês fluente, é apaixonado por cinema e super-heróis, gosta muito das animações da Pixar, adora tudo que envolve tecnologia, gosta de animais e atrações radicais e é bastante critico em relação aos serviços que lhes são prestados, é uma pessoa muito correta com tudo e todos.

Já me prolonguei bastante, e sim, eu escrevo muito! Sou detalhista, mas tentarei não ser repetitiva, ok? E o principal, nada de spoilers, pois meus relatos serão focados em quem vai pela primeira vez como eu!!!

No próximo falarei um pouquinho sobre o meu roteiro e planejamento.

Até mais! Um beijo a todos!

Jéssica

 


 
Res: RELATO 1 – APRESENTAÇÃO

 mensagem postada em 07/01/2015 - 20:01:36hs
 
 

Jessica pela história do VHS acho que lembro de você na contagem, eu até cheguei a comentar... era aquele vídeo promocional que tocava a musica do "O futuro já vem, pode ser seu se você quiser" não é?

Engraçado que você descrevendo vc e seu esposo eu me vi nessa descrição... tirando a parte do inglês fluente dos dois, de resto sou igual a vc e meu esposo igual ao seu. hahaha

Já ansiosa pelos seu relatos...

 


 
Res: RELATO 1 – APRESENTAÇÃO

 mensagem postada em 07/01/2015 - 20:01:51hs
 
 

VHS? Aquele que diz "Qual o tamanho de Disney World Resort na Florida?" com voz masculina e fala sobre campos de golfe e depois aparece o monorail passando dentro do hotel? Nossa, sonhei muito em ficar naquele hotel onde passava "o trem" dentro! hahahaha

E tinha também a atração do Dumbo, que aparecia no vídeo, e que parecia muito mais legal que o "cobrão" do parquinho da cidade! xDDD

 


 
Cap. 1: Um Sonho Frustrado

 mensagem postada em 07/01/2015 - 22:01:05hs
 
 

Amigos, dou inicio aos meus relatos escrevendo sobre o meu sonho de ir pra Disney. Sou caçula tendo três irmãs mais velhas, sendo a diferença de 1 ano entre cada. Como muitos, fui uma criança que por um tempo recebeu promessa dos pais de que iria para a Disney, mas quando chegou o momento, eles não tinham condições de pagar.

Em 1995, a irmã mais velha foi comemorar seus 15 anos em Orlando. Foi o evento do ano, talvez da década, para a família. Lembro que até as tias e os primos foram recebê-la no aeroporto. Ao chegar em casa todos paramos em frente a TV para ver o VHS da excursão. Era um desses promocionais de parque, mas com trechos gravados pela agência de turismo. Na excursão estava o Marcio Canuto, e o artista contratado para animar (ainda existe isso?) era o Luigi Barricelli. E lá no Magic Kingdom eles viram o Ronaldo Fenômeno e a Suzana Verner (namorados na época). Minha irmã levara apenas uns mil dolares, mas acho que para a época era um bom dinheiro para um adolescente gastar em Orlando. Comprou para mim um boné do Orlando Magic (na época eu tinha 11 anos e aquilo era realmente COOL) e um moleton do Busch Gardens, com a estampa do tigre branco. De gadget trouxe um discman da Sony, que gerava o memso frenesi de um iPhone 6 hoje (a pilha não durava nem 30 min tocando). Além disso tudo, minha irmã voltou com um namorado dos EUA. #ciumes Enfim... Faltavam três anos para eu ir a Disney!

Já em 1996, minha outra irmã foi não só a Disney, mas também a Nova York e comemorou seus 15 anos la. E viu neve lá, o que fez todo mundo morrer de inveja. Dessa vez não teve VHS. Ela trouxe para a casa uma HP Deskjet 610C, que na época era o que existia de mais moderno em impressoras. Ninguém que eu conhecia tinha uma dessas em casa e impressora a jato de tinta na época era algo de luxo. Faltavam dois anos para eu ir a Disney.

Em 1997, a minha terceira irmã comemorou seu aniversário de 15 anos na Disney em pleno julho americano. Teve VHS da viagem, incluindo festa de 15 anos com valsa e tudo lá em Orlando. Lembro também do desespero que as pessoas passavam com o calor que fazia naquela época do ano na Disney. Já havia decidido que não iria em julho de jeito nenhum. Queria ir em outubro pois era meu aniversário. Faltava um ano para eu ir a Disney.

Infelizmente em 1998 meu pai não teve condições de me dar essa viagem. Cada uma das minhas irmãs comemorou o aniversário de 15 anos na Disney, mas quando chegou a minha vez, tivemos uma crise econômica mundial e meu pai simplesmente não tinha mais condições de pagar viagem. Não lembro de na época ter ficado muito triste, pois desde pequeno eu aceitava bem quando meus pais diziam que não podiam me dar algo.

Mas isso de certa forma moldou minha personalidade. Trabalhei desde os 18 anos de idade (hoje tenho 31) e fiz duas faculdades para nunca depender de outras pessoas para realizar meus sonhos. Tenho uma trava em mim que me impede de pedir alguma coisa a outra pessoa. Tento sempre conseguir as coisas com meu esforço. Se não sou capaz de trabalhar e adquirir algo, não sou merecedor. Simples assim para mim.

E isso manteve meu sonho em ir a Disney. Demorei 16 anos para realizá-lo, pois finalmente fui conhecer o mundo mágico em outubro de 2014, de lua de mel, com minha esposa/melhor amiga/parceira. E a viagem não poderia ter sido melhor.

Segurem-se, amigos, lá vêm os relatos.

 


 
Res: Cap. 1: Um Sonho Frustrado

 mensagem postada em 07/01/2015 - 22:01:52hs
 
 

Amigos, dou inicio aos meus relatos escrevendo sobre o meu sonho de ir pra Disney. Sou caçula tendo três irmãs mais velhas, sendo a diferença de 1 ano entre cada. Como muitos, fui uma criança que por um tempo recebeu promessa dos pais de que iria para a Disney, mas quando chegou o momento, eles não tinham condições de pagar.

Em 1995, a irmã mais velha foi comemorar seus 15 anos em Orlando. Foi o evento do ano, talvez da década, para a família. Lembro que até as tias e os primos foram recebê-la no aeroporto. Ao chegar em casa todos paramos em frente a TV para ver o VHS da excursão. Era um desses promocionais de parque, mas com trechos gravados pela agência de turismo. Na excursão estava o Marcio Canuto, e o artista contratado para animar (ainda existe isso?) era o Luigi Barricelli. E lá no Magic Kingdom eles viram o Ronaldo Fenômeno e a Suzana Verner (namorados na época). Minha irmã levara apenas uns mil dolares, mas acho que para a época era um bom dinheiro para um adolescente gastar em Orlando. Comprou para mim um boné do Orlando Magic (na época eu tinha 11 anos e aquilo era realmente COOL) e um moleton do Busch Gardens, com a estampa do tigre branco. De gadget trouxe um discman da Sony, que gerava o memso frenesi de um iPhone 6 hoje (a pilha não durava nem 30 min tocando). Além disso tudo, minha irmã voltou com um namorado dos EUA. #ciumes Enfim... Faltavam três anos para eu ir a Disney!

Já em 1996, minha outra irmã foi não só a Disney, mas também a Nova York e comemorou seus 15 anos la. E viu neve lá, o que fez todo mundo morrer de inveja. Dessa vez não teve VHS. Ela trouxe para a casa uma HP Deskjet 610C, que na época era o que existia de mais moderno em impressoras. Ninguém que eu conhecia tinha uma dessas em casa e impressora a jato de tinta na época era algo de luxo. Faltavam dois anos para eu ir a Disney.

Em 1997, a minha terceira irmã comemorou seu aniversário de 15 anos na Disney em pleno julho americano. Teve VHS da viagem, incluindo festa de 15 anos com valsa e tudo lá em Orlando. Lembro também do desespero que as pessoas passavam com o calor que fazia naquela época do ano na Disney. Já havia decidido que não iria em julho de jeito nenhum. Queria ir em outubro pois era meu aniversário. Faltava um ano para eu ir a Disney.

Infelizmente em 1998 meu pai não teve condições de me dar essa viagem. Cada uma das minhas irmãs comemorou o aniversário de 15 anos na Disney, mas quando chegou a minha vez, tivemos uma crise econômica mundial e meu pai simplesmente não tinha mais condições de pagar viagem. Não lembro de na época ter ficado muito triste, pois desde pequeno eu aceitava bem quando meus pais diziam que não podiam me dar algo.

Mas isso de certa forma moldou minha personalidade. Trabalhei desde os 18 anos de idade (hoje tenho 31) e fiz duas faculdades para nunca depender de outras pessoas para realizar meus sonhos. Tenho uma trava em mim que me impede de pedir alguma coisa a outra pessoa. Tento sempre conseguir as coisas com meu esforço. Se não sou capaz de trabalhar e adquirir algo, não sou merecedor. Simples assim para mim.

E isso manteve meu sonho em ir a Disney. Demorei 16 anos para realizá-lo, pois finalmente fui conhecer o mundo mágico em outubro de 2014, de lua de mel, com minha esposa/melhor amiga/parceira. E a viagem não poderia ter sido melhor.

Segurem-se, amigos, lá vêm os relatos.
(mensagem de José Brasiliano de Oliveira Neto)


José, desculpe por me intrometer no seu relato, é que emocionei ( acho que a gente vai ficando velho, e mais emotivo !!!!!!!!!!!!!!!).
De certa forma me vi um pouco no seu relato, pois também, desde criança, sempre tive o sonho de ir para " Disney", mas meus pais não puderam realizar esse sonho meu !!!!!!!!!!!!
Isso também me moldou, fui estudar, fiz faculdade, completei o curso, paguei a faculdade do meu irmão ( seis anos), depois comecei a juntar dinheiro, quando em 2009, casado, pela primeira vez fui pra ORLANDO !( já com 35 anos )!!!!!!!!!!!! Fiquei uns 10 minutos chorando ( como estou agora !!!!!!!!!!!!!!!!!!!) Me senti o adulto / criança mais feliz do mundo !!!!!!!!!!!!! Gostei tanto que voltei em 2010, 2012, início de 2014 e agora no Natal !!!!!!!!!

Parabenizo você por conseguir também !!!!!!!!!!!!! Que você e sua esposa sempre façam os passeios que quiserem !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Abraços.

Maurício

 


 
Res: RELATO 1 – APRESENTAÇÃO

 mensagem postada em 07/01/2015 - 22:01:46hs
 
 

Gostei do seu relato. Mas estou encantadissima com sua foto. Emocionante. quote>Caros Amigos do VPO,

Orgulhosamente darei início aos meus relatos.

Meu nome é Jessica e acompanho o site e o fórum quase que diariamente desde de julho de 2012, quando comecei a contagem regressiva para a minha viagem que seria apenas em outubro de 2014! Isso mesmo, a minha contagem foi de 750 dias! 750 dias que usei para planejar, ler todos os relatos aqui do VPO, pesquisar muito e SONHAR.

Sempre senti preguiça de logar e fazer comentários, mas sempre estive presente! Conheço quase todo mundo do fórum apesar de ninguém me conhecer, mas prometi pra mim mesma que ao voltar da Terra da Magia escreveria os meus relatos para eu relembrar a minha viagem e ajudar aos próximos viajantes como muitos já me ajudaram por aqui... principalmente no controle da ansiedade pré-Orlando!

O meu sonho com a Disney é bem antigo. Quando eu tinha apenas 7 anos comecei a cursar inglês e minha mãe teve a grande ideia de me presentear com o VHS da Pocahontas Legendado. Por não entender nada, eu nunca assistia ao filme, mas sempre colocava a fita no vídeo cassete para assistir ao vídeo promocional do Walt Disney World Resort. Tinha sido a primeira vez que eu ouvira sobre aquele lugar mágico. Eu rebobinava a fita e assistia várias e várias vezes às mesmas cenas...
Meus pais, como muitos pais, nunca tiveram condições de realizar o meu sonho. O que de certa forma foi muito bom, pois tive a oportunidade de realizá-lo com o meu próprio esforço e do lado da pessoa que escolhi pra dividir a minha vida e dar todo o meu amor, o meu marido. Ou seja, o gosto dessa viagem foi ainda mais especial.



Bom, então deixa eu apresentar os tripulantes da minha tão sonhada viagem de uma forma que vocês entendam um pouquinho dos nossos pontos de vista e opiniões.

Eu, Jessica, 25 anos, falante fluente de inglês, sonho com a Disney desde os 7 anos, acho tudo lindo e fofo, amo Disney e Harry Potter, choro por qualquer coisa, sou bastante exigente em relação aos serviços que me são prestados, sou uma über planner assumida, nunca fui louca por compras, sou sempre muito educada e adoro cinema, atrações radicais e animais.

Meu marido Ricardo, 31 anos, nunca pensou em ir para Orlando, fala inglês fluente, é apaixonado por cinema e super-heróis, gosta muito das animações da Pixar, adora tudo que envolve tecnologia, gosta de animais e atrações radicais e é bastante critico em relação aos serviços que lhes são prestados, é uma pessoa muito correta com tudo e todos.

Já me prolonguei bastante, e sim, eu escrevo muito! Sou detalhista, mas tentarei não ser repetitiva, ok? E o principal, nada de spoilers, pois meus relatos serão focados em quem vai pela primeira vez como eu!!!

No próximo falarei um pouquinho sobre o meu roteiro e planejamento.

Até mais! Um beijo a todos!

Jéssica

(mensagem de Jé e Rick)


 


 
Res: Cap. 1: Um Sonho Frustrado

 mensagem postada em 07/01/2015 - 23:01:10hs
 
 

Não veja como um sonho frustá do. Sim adiado. Da muito sabor uma viagem quando agente que paga por ela. Eh uma realização
Ah eu te confirmo, fui no verão de 1997 para la e era um calor infernal. Não queria mais voltar a ir lá. Detestei na primeira vez.
Comprei um simba para meu irmão, ele adorou.

 


 
Cap. 2: A Decisão de Viajar, passagens e retirada do visto

 mensagem postada em 07/01/2015 - 23:01:34hs
 
 

Em novembro/2013, já projetando uma boa situação financeira pessoal para o ano de 2014, cheguei para a minha namorada à época (hoje esposa) e disse: ano que vem passaremos meu aniversário na Disney. A resposta dela: “o problema é a minha mãe deixar”.

Explico: a família dela é bem conservadora, onde é absolutamente proibido a filha viajar com o namorado. Tínhamos 9 anos de namoro e nunca havíamos viajados sozinhos. Minha resposta foi: “então vamos casar”. Ela CLARO que falou “tá, então vamos”. A lua de mel e meu aniversário seria na Disney. A primeira coisa a ser decidida foi a data do casamento. Como meu aniversário seria numa segunda, não ficaria legal casar no sábado imediatamente anterior. Com isso definirmos que o casamento seria no dia 18 de outubro (uma semana antes).

Pois bem, comecei a ler tudo sobre viagens para Orlando e descobrir as opções da cidade. Gosto de plenejar tudo ao extremo, e uma semana depois já tinha um roteiro provisório da viagem. Rsrs Em dezembro/2013, conheci o VPO e posso afirmar que minha viagem não teria sido tão proveitosa se não fossem vocês. Comecei a contagem regressiva com 314 dias. Parecia o infinito. Devorei todos os tópicos do fórum. Sim, li milhares de páginas de relatos, roteiros, dicas de compras, alimentação etc. Minha noiva dizia que eu não acharia graça em nada pois já conhecia tudo pela internet.

Montei minha viagem sozinho com o que pesquisei na internet. Pesquisava exaustivamente sobre determinado assunto para poder contratar algo. O que mais deu trabalho foi a locação do carro, pois lia vários relatos de problemas de cobranças indevidas na locadora. Nesse sentido o VPO foi de grande valia e tirei muitas das minhas dúvidas aqui.

Enfim. Em janeiro tiramos nossos passaportes. Só tinha data para uns 20 dias depois, mas entregues os documentos, a expedição foi muito rápida. Com os passaportes em mãos, agendei os procedimentos do visto no consulado de Recife. Tinha vaga, se quisesse, para o dia seguinte. Marquei para uma quinta no CASV e na sexta no consulado, pois assim ficaria melhor para tirar férias do trabalho e ir lá.

O problema é que todo brasileiro gosta de um pouco de emoção. Na quarta-feira antes de ir tirar o visto saiu uma promoção da American Airlines de passagem Recife-Miami por 1600 reais, vôo direto, saindo na terça-feira após o casamento (dia 22 de outubro) e voltando dia 5 de novembro. FECHOU. Peguei o cartão da sogra e comprei as passagens. Ficamos eu e minha noiva pulando na frente do computador gritando “I’m going to Disney World!”.

Mas, pessoal, nunca façam isso. JAMAIS. Nunca mesmo comprem as passagens antes de tirar o visto. No outro dia, saímos 8 da manhã de Maceió para Recife, de carro, e a preocupação começou a bater: “e se o visto for negado? Vamos perder 3200 reais!!”. Foi a viagem mais tensa que fiz na vida. Chegamos no CASV a tempo, tudo tranquilo por lá. Fomos passear no imponente Shopping RioMar de Recife e tentar passar a tensão do outro dia.

Não consegui dormir. Primeiro pelo nervosismo de ter o visto negado. Segundo porque estava muito calor na capital pernambucana e eu estava dormindo de ventilador (na casa de uma tia). Acordamos, nervos a flor da pele, e fomos ao consulado. Estávamos agendados para as 8 da manhã, mas chegamos as 7:40. Deixaram entrar e ficamos no pátio. Graças a deus que havia uma tenda cobrinda a cadeira, pois muitos diziam que ficaríamos esperando no sol.

Fomos chamados para dentro da casa e a fila de poucas pessoas era no ar condicionado (ufa). Na minha frente um senhor estava sendo entrevistado e ele respondia o que fazia no Brasil: “sou conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte aposentado e ex-deputado estadual; e minha mulher é médica”. Cara, eu pensei comigo “se o visto desse cidadão for rejeitado, eu nem faço a minha entrevista.” O visto dele foi concedido e chegou a minha vez. Perguntas básica do que eu e minha noiva fazíamos. Sou funcionário público e na época trabalhava na Receita Federal. Quando respondi isso, ele não fez mais perguntas a mim (rsrsrs), mas direcionou perguntas a minha noiva... principalmente em relação aos pais dela. Como eles também são funcionários públicos, o agente se deu por satisfeito e disse “vistos concedidos”.

Juro que não entendi bem quando ele disse isso, esperava pelo pior. Quando sair de dentro da casa, me abaixei, com as mãos no joelho, olhando pro chão, e comecei a chorar (a primeira vez de muitas, pois chorei várias vezes nessa jornada). Naquele momento, na calçada do consulado, em pleno centro de Recife, tive a convicção de que eu realmente iria para a Disney. Fiquei tão extasiado que peguei o metrô no centro de Recife e fiquei passeando por toda a linha do metrô, apreciando a paisagem (que é bem feinha, diga-se de passagem).

A contagem regressiva continuava. Sempre parecia muito distante. 270 dias... 220 dias... 250 dias...

 


 
Res: Cap. 1: Um Sonho Frustrado

 mensagem postada em 07/01/2015 - 23:01:22hs
 
 

Não veja como um sonho frustá do. Sim adiado. Da muito sabor uma viagem quando agente que paga por ela. Eh uma realização
Ah eu te confirmo, fui no verão de 1997 para la e era um calor infernal. Não queria mais voltar a ir lá. Detestei na primeira vez.
Comprei um simba para meu irmão, ele adorou.

(mensagem de Gabriela Uberti)

Gabriela,

Você realmente tem razão quanto a palavra frustrado. E era isso mesmo que eu queria dizer! Que foi um sonho que não foi realizado naquele momento e que somente foi realizado depois em condições totalmente diferentes!

Muito saboroso mesmo viajar quando pagamos pela viagem. Eu tenho dito para os amigos que a melhor idade para conhecer a Disney é nos 30 anos. Talvez se eu tivesse ido criança, e agora fosse uma segunda viagem, não teria curtido tanto como eu curti!

E é capaz de você ter estado num parque junto da minha irmã! :P

 


 
Cap. 3: passagem comprada, hora de montar a viagem

 mensagem postada em 08/01/2015 - 00:01:27hs
 
 

Como o título diz, era hora de montar a viagem. Não só o roteiro, mas toda a infraestrutura. Como somos de Maceió e o vôo partia e chegava em Recife, decidimos ir para lá de avião, num voo doméstico, e voltaríamos de táxi fretado por causa das bagagens. Decidido isto, compramos só trecho de ida para Recife, para a manhã do dia da viagem. O vôo para Miami era só a noite, então nada poderia dar errado (mas deu...).

Com passagens compradas e datas definidas, fiz um roteiro provisório, só esperando as datas das festas (queríamos ir para a MNSHHP) para fechar o roteiro. Em seguida, começamos a comprar os dólares. Decidimos comprar uma quantia definida mês a mês, para diluir qualquer variação do câmbio. Entre fevereiro e outubro, o dólar mais barato que comprei foi a 2,40 e o mais caro foi a 2,65.

Decidimos não comprar mais nada parcelado (apenas a passagem foi comprada assim). Os demais itens foram comprados em apenas 1x. Pois assim pagávamos e no mês seguinte comprávamos outra coisa da viagem. O segundo item reservado foi o hotel. Ficamos no Rosen Inn International. Procuramos por um hotel de custo de benefício e não lia nada de desabonador em relação a esse. Confesso que a minha opção era o Rosen Inn at Pointe Orlando, mas na hora de reservar o International estava mais barato. A escolha acabou sendo até acertada, pois lá em Orlando cheguei a conclusão de que é melhor ficar no International. No momento oportuno, explico direito o porquê.

Mês seguinte, compramos os ingressos Disney. 5 dias com opção de ir a parques aquáticos. Queria muito ir a parque aquático. Moro no paraíso das águas, mas nunca tinha ido a nenhum. Tinha opção de ir ao Aquatica, mas nas minhas cotações, concluí que o mais barato era ir aos parques aquáticos da Disney. A princípio iríamos apenas em um dos dois (Typhoon Lagoon ou Blizzard Beach), mas durante a viagem essa opinião mudou. Também compramos o ingresso da MNSHHP para o primeiro dia que fôssemos ao Magic Kingdom.

Em abril, veio a temporada de reservas de restaurantes Disney. Tentei Be Our Guest, pois somos fãs de A Bela e a Fera, mas nada feito. Ficamos com o básico de T-Rex, Rainforest, Planet Hollywod etc. Nada de refeição com personagens pois era caro. Também saíram as datas das festas de Halloween, o que me deu um tremendo nó, pois foi bem difícil de fechar o roteiro da viagem por causa delas.

No outro mês, compramos ingressos da Universal. Dois dias park-to-park, pois queria pegar o trem de Hogwarts para o Beco Diagonal. No mês seguinte, compramos ingressos do Seaworld/Busch Gardens e da NFL. Sou fanático por futebol americano e uma das coisas que não poderia faltar na viagem era ver um jogo de NFL. Compramos para um jogo entre Tampa Bay Buccaners vs. Minnesota Vikings (uns 40 dólares cada), em Tampa, as 13 da tarde, no primeiro domingo da viagem. Uns dias depois, saiu o calendário da NBA e vislumbramos a oportunidade de ver um jogo de basquete. Não sou tão fã assim, mas tinha curiosidade pelo espetáculo. Compramos ingressos para um amistoso de pré-temporada entre Orlando vs. Dallas (uns 15 dólares cada).

Sobre seguro viagem, contratei o WorldNomads. Como é um seguro referência mundial, não titubeei. O plano cobria apenas 14 dias, ficando na pendência eu contratar mais um dia durante a viagem.

Faltava o aluguel do carro. Acredito que foi a questão que mais me quebrou a cabeça pois se lê muita informação conflituosa a respeito. É necessário encarar o que as pessoas falam com muita parcimônia, pois cada um tem sua experiência com determinado serviço e não é por que foi insatisfatório para tal pessoa que seria para mim. Assim, optei por alugar pela Alamo, que fazia a linha do que eu estava contratando (focando custo-benefício). Fiz a reserva num site que permitia pagamento antecipado e peguei o voucher. A categoria escolhida foi a midsize (Corolla e similares), pois julgava suficiente para duas pessoas e suas malas.

Chegou setembro, um mês para a viagem, começaram as reservas de fastpass. Fiz o básico, reservando os principais brinquedos. Só não consegui reservar para a montanha-russa dos sete anões.

Finalmente chegou outubro e a contagem regressiva já estava em menos de 20 dias. Estava tudo absolutamente pronto para a viagem e para o casamento. Nosso planejamento foi absurdamente eficiente, tanto que viajamos com a viagem e casamento totalmente pagos. As únicas dívidas que tivemos depois foram das compras... rsrsrs

A princípio não iríamos contratar o PhotoPass, pois eu particularmente achava caro, mas acabamos ganhando de presente dos meus colegas de trabalho. Bom, “Já que vocês insistem...”

Estava a ponto de querer colocar a doleira para ir passear no shopping aqui de Maceió. rs Só pensava e falava sobre Disney. Fica viajando pelo Google Maps. Cheguei a percorrer a Florida Turnpike inteira no Google Maps numa tarde... É, tava ficando doido.

Pois bem, chegou o grande dia do casamento. Faltavam quatro dias para a viagem...

 


 
 
Num único dia aproximadamente 210 pares de óculos são perdidos em Walt Disney World. Estima-se que desde a sua inauguração em 1971 mais de 1.65 milhões de pares de óculos já foram enviados para o departamento de achados e perdidos ("Walt Disney World Lost and Found "). Outros itens que os convidados costumam perder são os seguintes: telefones celulares (+ 6.000/ano), câmeras digitais (+ 3.500/ano), bonés (+ 18.000/ano) e caderninhos de autógrafos (+ 7.500/ano).