Alfândega - Relatos

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais antiga para a mais recente
 

O objetivo do presente tópico é o de servir de espaço para que possamos postar - relatos - sobre as nossas experiências com a alfândega (exclusivamente). Peço que questionamentos sobre a "cota de isenção" sejam reservados para o seu tópico específico - Alfândega - Cota de Isenção.

leia essas informações
 
Índice  
 
 
Ricardo Andrade - Pagamento de DARF.

 mensagem postada em 14/05/2011 - 12:05:12hs
 
 

Ricardo, boa noite,
No caso de ter que pagar o DARF, você receberá também um documento chamado Termo de Retenção e Guarda de Bens.
Ao pagar o DARF (no mesmo dia ou no dia seguinte, em banco ou caixa eletrônico, ou InternetBanking, etc), você volta à alfândega com o comprovante de pagamento e o termo e, assim, retira os seus bens.
Dependendo do aeroporto, do banco do cliente e do horário da ocorrência, é possível resolver tudo rapidamente ali mesmo no aeroporto (sem precisar de InternetBanking).
Via InternetBanking, de fato há esse risco que você comentou mas creio que seja rotina por ali. Acho que teria ainda que imprimir o comprovante.
Um abraço, boa sorte.

 


 
Relatos

 mensagem postada em 12/05/2011 - 04:05:27hs
 
 

Pessoal,

Acredito que não existe nenhuma manobra para passar desapercebido pelos fiscais da Receita. Existe SORTE e apenas alguns conselhos. Eu mesmo sempre volto por SP porque o fluxo de vôos é muito maior do que qualquer outro aeroporto no Brasil. Mesmo assim, fui parado uma única vez quando voltei da Austrália. Minhas malas foram abertas, fui questionado e não paguei nada mesmo estando acima da cota. Também acho que a conversa que se tem com o fiscal é muito relevante para ser taxado. Trazer 2o itens do mesmo produto já caracteriza comércio, CLARO!! Das vezes que voltei de NY, Orlando e Miami eu nunca fui parado e sempre trouxe produtos acima da cota.
Enfim, Brasília, Manaus e Confins devem ser os aeroportos mais rigorosos... Galeão e Guarulhos são mais tranquilos.
Voltar com 2 malas gigantes, 1 bolsa, 1 mochila, relógio do FAUSTÃO, óculos na cabeça e etc caracterizam o típico "muambeiro"... E, se você voltar desse jeito, suas chances de serem parado por um fiscal só aumentam.
Um amigo retornou recentemente e quis declarar um iPAD... Acho que os fiscais ficaram tão chocados com a sua honestidade que nem quiseram olhar os outros itens da sua mala... É um risco, claro... Mas quem sabe...

Abraços

 


 
Radix

 mensagem postada em 11/05/2011 - 11:05:40hs
 
 

Sobre o que devo ou não incluir na cota eu já tenho uma noção. Na verdade, o que eu quero saber é como é o procedimento para pagar o imposto. Na minha próxima viagem eu vou declarar que tenha uns 150 dólares fora da cota, ou seja, 75 a pagar de imposto.
Sei que eles expedem o darf, mas e depois? Posso pagar de que forma? Soube que não aceitam dinheiro nem cheque e que a gente tem que ficar procurando um caixa eletrônico para pagar.
O problema é que eu chego pela noite e o limite de pagamento que o banco aceita é baixo, para pgto em caixa de autoatendimento.
Soube que eles disponibilizam um computador pra vc acessar seu banco pra pagar. Mas aceessar minha conta em computador de terceiros não é um problema?

 


 
Ricardo - Sobre o pagamento de imposto.

 mensagem postada em 11/05/2011 - 01:05:26hs
 
 

Ricardo,
Confira este link:
http://www.receita.fazenda.gov.br/aduana/viajantes/ViajanteChegBrasilSaber.htm
Este também:
http://www.receita.fazenda.gov.br/aduana/viajantes/IsenTribBagagem.htm
Lá você acessará outros links interessantes.
Há muita coisa subjetiva e que na prática não acontece exatamente como dizem, mas é bom estar prevenido.
Acho que tem a ver com sorte também.
Um abraço.

 


 
procedimento para pgto imposto

 mensagem postada em 10/05/2011 - 10:05:42hs
 
 

Valeu pelas informações Radix.
Alguém sabe explicar como é o procedimento para pagamento do imposto? Estarei chegando 21 horas por Brasília. De que forma posso pagar o que passar da cota?
Mais uma vez, um abraço a todos.

 


 
Ricardo - Alfândega de Brasília.

 mensagem postada em 10/05/2011 - 08:05:25hs
 
 

Ricardo e estimados amigos,
Passei pela alfândega de Brasília hoje.
O meu relato da experiência é o seguinte: tudo muito tranquilo. Em 40 minutos (fiquei no freeshop à frente da fiscalização) não vi ninguém passando no raio-x, não vi malas sendo abertas, nada. A pergunta clássica na maioria das vezes foi apenas essa: "Quais eletrônicos você está trazendo? Ipod? IPad?"
Boa sorte, um abraço.

 


 
Matéria da Globo

 mensagem postada em 10/05/2011 - 03:05:40hs
 
 

Informalmente, os fiscais da alfandega sempre ficaram atentos a pessoas que chegam de miami, orlando e nova iorque. A fiscalização que dizem que ocorrerá, na verdade sempre ocorreu e a palavra muamba é muito subjetiva. Você pode trazer um I mac e revender para pagar a sua viagem toda, ou pode trazer um monte de \"muambas\" de valor agregado menor e revende-los para pagar a viagem, ou seja, dá na mesma no final você está ganhando com as compras que fez. Ou aquela famosa situação em que seu amigo pede aquele óculos, ou aquele jogo eletronico que aqui é uma nota e você acaba trazendo para ele e só cobra o valor do produto, apesar de não estar ganhando nada em cima, o resultado fim para a lei é o mesma de um muambeiro de carteirinha...Portanto, acho que o melhor é estar de conciência tranquila, mesmo que você esteja trazendo um cremezinho para a esposa ou uns presentinhos para os filhos e amigos e não esteja declarando. Ficar contando as unidades de dezena para saber se estorou a cota ou não é o cumulo, daqui a pouco vai precisar de caixas de supermercado na saída da alfandega para ficar passando item a item...

 


 
Matéria da Globo

 mensagem postada em 10/05/2011 - 01:05:33hs
 
 

Muito útil esse link que vc postou Alessandro.

Só lamento que agora a fiscalização vai aumentar para tentar barrar esses "muambeiros" e que as pessoas que trazem bens para uso pessoal ou para presentear alguém, poderão pagar por tal feito também. Já que o critério para a tributação é subjetivo do fiscal.

Portanto,se um homem, adulto, viajando sozinho, estiver trazendo cremes para mãe, primas, etc, ou ainda, trazendo brinquedos para presentear sobrinhos ou o filho de algum amigo, pode correr o risco de ser taxado e considerado como sendo um muambeiro rs, já que com esses produtos citados no exemplo, fica descaracterizado que serão de consumo pessoal.

E é claro que isso vai depender da quantidade dos bens também, mas como o critério é do fiscal e a lei em determinados aspectos é omissa, fica um pouco mais complicado em fazer o fiscal acreditar que você não está trazendo esses produtos para revenda.

Seria legal que os outros membros também exponham suas opiniões sobre isso. E também os relatos de sua experiência na alfandega, para sabermos como está a aplicação da fiscalização na prática.

Abraços

 


 
Alfândega São Paulo

 mensagem postada em 10/05/2011 - 11:05:52hs
 
 

Passei pela alfândega agora as 6:30 da manhã. Minha cota tinha esgotado em 100 doláres, então iria declarar o meu HD externo que era exatamente neste valor.

Fui para a fila dos bens a declarar. Coloquei as malas na esteira, as peguei de volta e qd estava saindo perguntei ao fiscal se ele não iria pegar o meu papel da declaração, e simplesmente ele me disse: Ahh esqueci de pegar, dá aqui que depois eu entrego lá.

Ou seja, declarei que tinha um eletrônico de 100 doláres a mais da cota, mas não paguei nenhum imposto pois eles nem olharam nada.

Espero que eles não me enviem uma continha em casa para pagar imposto.

 


 
Priscila

 mensagem postada em 09/05/2011 - 07:05:40hs
 
 

Pois é Priscila, eu tb não sabia. Quer dizer, até sabia que existia, mas não nesta proporção. O problema é que por causa destes sacoleiros nós, que compramos para consumo próprio, acabamos sofrendo maior fiscalização.
Abs

 


 
 
Na atração Living with the Land, durante o passeio de barco você verá na cena da fazenda o número da casa - 82- na caixa de correio, uma referência ao ano que o Epcot foi inaugurado.