Alfândega - Relatos

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais recente para a mais antiga
 

O objetivo do presente tópico é o de servir de espaço para que possamos postar - relatos - sobre as nossas experiências com a alfândega (exclusivamente). Peço que questionamentos sobre a "cota de isenção" sejam reservados para o seu tópico específico - Alfândega - Cota de Isenção.

leia essas informações
 
Índice  
 
 
Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 11:10:56hs
 
 

Olá Mauro,

tivemos que pagar R$6.000,00

Estavamos em 3 pessoas.

Um outro rapaz sozinho tinha que pagar também 6 mil.

Não tinha padrão, aconteceu que ele estava liberando o rapaz e ficaria sem atender ninguém, provavelmente se outra pessoa estivesse na nossa frente ele iria para a inspeção..

Para vc ter uma ideia da rigidez da inspeção.

Um outro casal foi inspecionado e a mulher tinha na bagagem uma bolsa chanel "similar a original". Ela disse que era velha e similar ao que o agente respondeu:

Temos duas alternativas, ou eu faço um DARF dela original, ou aprendo e abro um processo por recptação de mercadoria falsificada....

Eita Brasil que nunca vai para frente!!!!

 


 
Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 11:10:58hs
 
 

Nossa, que horror!
6 mil reais!
GENTE!

Por essas e outras que eu ODEIO cada dia mais nosso país!
Que absurdo!

Se eles querem que a gente pare de trazer 1001 coisas de lá, eles que controlem os impostos e deixem preços mais justos com a nossa economia. Que horror.

Se fosse eu infelizmente teria que deixar tudo lá, pois não teria de onde tirar nem metade desse valor! Que abuso!

 


 
Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 11:10:24hs
 
 

Hilda,

Mas uma coisa que não entendi.

O fiscal taxou combustível e produtos que vocês consumiram no exterior (alimentação)?
Porque o imposto incide só sobre mercadorias trazidas de fora, que estejam na mala. Se ele fez isso, você pode impugnar o lançamento da DARF e pedir a restituição desses valores.

O que ele deve fazer é separar a pilha de coisas isentas (produtos de uso pessoal) e das coisas não isentas. E dessas não isentas subtrair U$ 500. Você só deve pagar imposto sobre essa diferença.

Cada pessoa estava com duas malas? Quantos dias vocês ficaram fora?

 


 
Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 12:10:13hs
 
 

Todo mundo esta preocupado com a segurança dos nossos pertences em Orlando , seja no hotel , carro ou malls, mas o verdadeiro assalto é na nossa alfândega , pois se nos descuidamos ou por um azar do destino , perdemos nossas coisas do mesmo jeito quando entramos no Brasil.
E nem podemos fazer nada, pois eles são as AUTORIDADES BRASILEIRAS.
É uma pena o sufoco que passamos para trazer lembranças das nossas férias.
Abç Ana

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 12:10:45hs
 
 

Bom dia,

Estou assustada e indignada com está acontecendo na alfândega brasileira, coisa de país subdesenvolvido, de terceiro mundo. Realmente os assaltos reais não acontecem nos hotéis em Orlando e sim nos aeroportos brasileiros.
Eu só queria saber se é legal revistar carteiras e bolsos. Hilda, se não for invasão de privacidade, o que vc trouxe assim que foi taxado?

Sandra




Cheguei hoje as 4:30 da manhã vindo de Miami com escala em Santo Domingo.



Desembarquei no portão 2

Todos estavam passando as malas pelo Rx, na minha vez, nos pararam e mandaram para o agente.

Ele já estava "vistoriando" outra pessoa, ficamos esperando quase 40 minutos.

Quando foi a nossa vez, ele abriu 2 malas, tirou tudo, quando ele passou para a mala de mão, ele achou todas as notas da viagem.

Pegou todas as notas e falou que iria conferir, com os itens que eu comprei. Eu aleguei que as notas tinham compras pessoais e também de consumo.

Como trouxemos, 2 nutelas, 2 catchup, e cookies, ele disse que como eu estava trazendo as coisas que eu comprei ele não poderia descontar nada.

Pegou as notas, claro que depois de tirar tudo de todas as malas, abriu o excell e colocou nota por nota, combustível, comida, walmart, tudo...

Depois disse que daria um desconto de $200 por uso pessoal.

Detalhe, não tinhamos nenhum perfume, nem celular, nem eletronicos, nada.


Tentei questionar e ele disse que não poderia fazer nada, que eu havia gasto X então teria que pagar.

Ele abria tudo, abria todos os bolsos, peguou a minha carteira abriu e olhou todas as divisórias, me senti muito mal pela invasão.

Ficamos até as 7:30

No final, aquela história,

se não paga, não leva...

Eles estavam parando várias pessoas e sendo muito rígidos...

Beijos a todos.


Pilo
(mensagem de Hilda Cristina Kather Dziaduk)


 


 
Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 01:10:12hs
 
 

Qual critério os fiscais usaram para um valor tão alto?
O que foi consumido lá não pode ser taxado por não ter "entrado no Brasil"!
Os fiscais não podem andar tão fora das regras desta maneira. Penso que um bom advogado resolveria esta causa sem dificuldades!
Pessoal os fiscais podem taxar sim , mas não de maneira aleatória como agiu.
Procure seus direitos

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 02:10:43hs
 
 

Porque vc trouxe as notas? pois não há necessidade visto que eles tem o preço de tudo. Essas notas lhe comprometeu, da próxima vez nada de nota e Boa Sorte para todos nós.
(mensagem de Wilma Gomes Carvalho)


Wilma, nem sempre é assim como você afirmou.

O valor pode até estar no produto, mas se você utilizar um cupom de desconto, este aparecerá apenas na nota fiscal emitida no caixa.

Ou seja, se vc comprar 5 camisas polo a $20,00 cada e tiver desconto pela utilização de cupons, o valor da etiqueta não será o valor que você pagará na realidade e isso pode vir a prejudicar.

Eu levo todas as notas, principalmente pq se tem as notas, facilita o "trabalho" dos fiscais. Caso contrário, eles procuram os valores "aproximados" pela internet, e nem sempre correspondem com a verdade. Ou seja, é melhor levar todas as notas sim.

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 04:10:51hs
 
 

Pelo dito no relato, não havia eletrônicos, produtos de foto e vídeo ou computadores, tampouco, produtos de alto valor agregado....assim, pressuponho que as malas eram basicamente compostas de roupas, cremes, tênis, nada fora do normal para um turista brasileiro....

Considerando que cada um portava 2 malas (ou seja dentro dos limites), e, considerando o padrão das malas de viagem, não acham que este valor de R$ 6.000,00 esta super valorizado? Poxa seria o equivalente a R$ 2.000,00 por pessoa só de multa...o que sugere que compraram muito muito muito....

Será que o fiscal não agiu de má fé?

Poxa até parece -- palavra censurada -- o que fizeram com o colega....

Aproveitando o gancho, gostaria de entender, qual a relação entre o tempo de viagem e o que você trás? Não consigo entender porque eles perguntam isso e porque é considerado. Cito como exemplo um parente que teve a oportunidade de passar apenas 3 dias em Orlando (ganhou na empresa), ele gastou cerca de U$ 900,00 dólares em roupas básicas....como sabemos, voltou com a mala recheada...

Minha dúvida é: o funcionário da alfândega, se tivesse o parado não deveria apenas considerar o que ultrapassou os U$ 500,00 dólares e não é considerado de cunho pessoal, pouco importando quanto tempo ficou?

Obrigado.

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 04:10:49hs
 
 

Mauro,

Itens de uso pessoal não é aquilo que você traz para você, e sim o que usou durante a viagem.

Por exemplo, uma pessoa que passe 30 dias em Orlando indo de malas vazias para lá pode trazer muito mais coisas isentas de impostos na categoria itens pessoais do que uma pessoa que vá de malas vazias mas que passe apenas 3 dias por lá.

Itens pessoais isentos é aquilo que você precisou usar durante a viagem, devendo a quantidade de itens ser compatível com a duração e motivo da viagem.
Assim, hipoteticamente, uma pessoa que passe 15 dias em NY em janeiro pode trazer uns 2-3 casacos de inverno, umas 5 blusas, uns 5 conjuntos de 2ª pele. Tudo isento, sem entrar na cota de U$ 500.
Uma pessoa que viaja a negócios, pode comprar uns 2 ternos no exterior (de qualquer valor) também isento.
Uma pessoa que vai a Orlando no verão e passe uns 10 dias por lá, pode voltar com uns 2 pares de tênis, umas 10 camisas, 5 calças, isentos.
Mas nessa conta entra os itens que você levou do Brasil também. Nesse último caso, 10 dias em Orlando são compatíveis com 2 pares de tênis, se você já está indo com 1 do Brasil, então só 1 que você comprar lá vai ser isento.

Esses números são hipotéticos, cada fiscal tem uma orientação a seguir, sei lá se eles tem uma tabela dias de viagem-motivo-roupas isentas na mala. Mas, o que ele falam é isso. É isento os itens pessoais usados, desde que a quantidade seja compatível com a duração e motivo da viagem. Acima disso, entra na cota de U$ 500.

 


 
Notas

 mensagem postada em 16/10/2014 - 04:10:28hs
 
 

Gente, eu tiro a etiqueta de quase todas as coisas que compro.
Deixo das mais baratas, e se for o caso, eu ando até de camisa lá!
Mostro que foi usada...entao o melhor a se fazer, é guardar a nota sim!
Mas se for coisas como roupas..... aconselho a usar quase todas lá.. nem se for pra apenas pra tomar café no hotel....rs

Acho que isso foi aleatório.... questão de sorte, e do que o agente observar quando vc chega.
Acho que levam em consideração a forma com que esta vestido, a bolsa que usa( no caso das mulheres).... etc....

 


 
 
Originalmente havia sido concebida uma montanha-russa para o pavilhão japonês (Epcot), cujo exterior representaria o Monte Fuji. Contudo, o projeto não foi levado a frente por conta de falta de verba e porque o patrocinador - Kodak - não gostaria de que o nome Fuji estivesse de alguma forma vinculado ao pavilhão.