Alfândega - Relatos

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais antiga para a mais recente
 

O objetivo do presente tópico é o de servir de espaço para que possamos postar - relatos - sobre as nossas experiências com a alfândega (exclusivamente). Peço que questionamentos sobre a "cota de isenção" sejam reservados para o seu tópico específico - Alfândega - Cota de Isenção.

leia essas informações
 
Índice  
 
 
Maíra S. S. - Relatos GIG

 mensagem postada em 01/09/2011 - 09:09:12hs
 
 

O que eu pude perceber, eles estão procurando exageros.
No meu grupo, eram 3 casais, com filhos, eu fui o que menos trouxe eletronico. Meu amigo, comprou IPad, maquina profissional e tambem não foi pego.

Acho que eles querem os MUAMBEIROS. O problema que ficamos na mão do fiscal, se ele sismar, ferrou.

 


 
Cheguei Ontem ...

 mensagem postada em 31/08/2011 - 05:08:29hs
 
 

Cheguei ontem pelo Galeão.

Chegamos as 11:00 da manha. Ficou uma fiscal lá nas bagagens, "infiltrada" só passando para os superiores os "ELEITOS". Só descobri isso, pois quando fui passar, fui parado, e a fiscal aos berros pelo nextel, informava a cor da roupa dos ELEITOS.

Só estavam passando direto, sem raio x, pessoas com apenas uma bagagem e uma de mão.

O restante todo mundo para o raio x, um saco, tira mala do carrinho, perguntas debochadas.




 


 
Alicara

 mensagem postada em 31/08/2011 - 04:08:25hs
 
 

Nunca tive problemas com a alfândega de BH. Os fiscais sempre foram muito gentis comigo. Nas 5 últimas vezes que cheguei a BH fui para a alfândega. 3 vezes por estar declarando produtos acima de U$ 500,00 e outras 2 porque me pararam. Eu nunca tentei passar com compras acima da cota. Mas já vi gente sendo parada e que estava trazendo mais de U$500,00 e eles vasculharam a mala toda e taxaram um monte de coisas. Abraços

 


 
Luciano

 mensagem postada em 31/08/2011 - 03:08:18hs
 
 

Fiquei feliz com seu relato sobre o aeroporto de Brasília.
Estou apreensiva pq nunca embarquei/desembarquei nesse local. Sempre guarulhos.
Eu não vou trazer quilos e quilos de coisas. Prá ser sincera, tenho certeza de um XBox com Kinect, talvez uma Dolce Gusto.
O resto é coisa que já vou usar por lá mesmo, como escova/secador , roupas, maquiagens, coisas de mulher.
Quero crer que será tranquilo. Até pq meu marido tb vai, então são 2 a dividir as compras.

 


 
Paulo e Luciana

 mensagem postada em 31/08/2011 - 12:08:53hs
 
 

Concordo com as questões levantadas, em especial no tocante às imposições do governo sobre a proteção às empresas nacionais.

Os laptops são absurdos. Fiz um cálculo bem rápido sobre o preço de 1 Imacpro. Aqui no Brasil custa algo em torno de 8 mil reais e nos EUA algo em torno de 2 mil dólares, já com a taxa. Pois bem, fica MAIS BARATO, vc pegar um avião, ir nos EUA, comprar o Imac, passear nos EUA, se hospedar em hotel, retornar ao Brasil, declarar o laptop na alfândega e pagar o imposto do que vc adquirir o produto aqui mesmo, é mole !!! E esse mais barato, de repente, estou falando em 2 mil reais.

Concordo com o verdadeiro absurdo praticado com os preços de mercado no Brasil, mais a alta carga tributária. É de se revoltar !!!!

Agora, o problema mais gritante, em si, na minha visão, é a cota de 500 dólares.....não conheço ninguém que tenha ido para os EUA e tenha comprado produtos (todos, incluindo aí os itens de uso pessoal) que fiquem abaixo da "cota" permitida. Ela é baixa e está totalmente fora dos padrões hoje de consumo e renda aqui no Brasil em linhas gerais.

Como o Paulo disse em posts anteriores; se o imposto pago fosse revertido para algum benefício à população, de forma séria e realmente verdadeira, acho que não seria tão complicado declarar. Enfim, é complicado mesmo !!!

E reitero que, àqueles que declaram, acabam pagando o pato. É a velha tese no nosso país, infelizmente; quem deve, não teme ao passo que quem não deve, teme !!!

Abraços.

Luciano Abreu

 


 
Luciano

 mensagem postada em 31/08/2011 - 11:08:19hs
 
 

Essa apreensão de passar na alfândega é que mais me revolta. As pessoas sentem medo de por um produto que compraram honestamente, com dinheiro guardado com muito sacrifício, e são tratados como bandidos. As regras da alfândega deviam punir quem chega com 10 relógios iguais, ou 50 perfumes. Pois no caso de revenda há sim a sonegação. Agora itens pessoais, como vestuário ou até brinquedos de criança. é um absurdo. E no caso dos notebooks, essa regra ridícula se dá, para que empresas nacionais vedam produtos defasados a preço de top de linha.
Tudo no Brasil é gerado pelo governo. Se o preço fosse justo aqui, ninguém comprava nada fora, só iria se divertir.
Mas o povo é sempre punido pelos erros do governo.

 


 
Luciano

 mensagem postada em 30/08/2011 - 09:08:16hs
 
 

Eu concordo com você, acho que só em casos extremos mesmo, que devemos dar esse jeitinho.
Eu vou em Agosto/12, e não pretendo trazer eletrônicos, até porque, não vejo muuita graça em IPAD e derivados.
Quero trazer mesmo só vestuário, mas sem exagero também...
Mas ultimamente, venho acompanhando que Brasília, a Alfândega também está muito tranquila.
Porque muita gente tem medo de passar por aqui.

 


 
qual o cambio é utilizado ?

 mensagem postada em 30/08/2011 - 08:08:54hs
 
 

Olá pessoal, bom dia!
estou fazendo meu orçamento para minha viagem de outubro e gostaria de saber qual o cambio para conversão é utilizado para pagar o imposto de importação na alfândega.

comercial, turismo ou outro ???

e outra: como é o processo? falo com o fiscal (ou preciso mostrar a invoice?), ele preenche uma darf aí eu vou a algum caixa e pago (esse caixa fica aberto direto?). é isso ? será que posso pagar com VTM (admitindo que hove "sobra de campanha" ??? hehehe

Valeu!!!!

 


 
Alfândega Brasília - 29/08

 mensagem postada em 29/08/2011 - 05:08:29hs
 
 

Hoje na alfândega de Brasília o clima estava bem tranquilo, pelo menos foi essa minha impressão. Tinham 2 voos chegando praticamente ao mesmo tempo na cidade, um da AA e outro da Delta.

No caso da Delta, as pessoas estavam passando direto pelo Nada a Declarar. Foram duas ou três pessoas para bagagens a declarar. Foi o caso do meu amigo, que declarou a compra de 1 Imac no valor de 1800 dólares.

No meu caso, não tinha mesmo nada a declarar que passasse da cota. Já não tinha mais fila quando fui passar, depois das compras no Duty Free (que aliás, está com preços bem bacanas, pena que tem poucas opções). O fiscal me perguntou quanto tempo fora do país, se havia trazido algum eletrônico (e disse que sim, um Xbox de encomenda) e meus itens pessoais, câmera e Ipod. Ele falou OK, pode passar.

Senti hoje que a maioria das pessoas ficam nervosas e apreensivas na alfândega. Todos queriam pegar as malas correndo, entrar na fila de cabeça baixa e sair o mais rápido possível. Como venho defendendo a tempos aqui neste fórum, acho que não é por aí, mas cada um tem a consciência do que faz (tinha gente com Ipad, Imac, vídeo game, 4 malas, e mesmo assim ainda iam pra fila do nada a declarar, é mole !!!). OK, sei disso porque vi a cena no aeroporto e também no avião.

Acho que os casos mais absurdos, o fiscal passava no raio-x.

O meu amigo que declarou o laptop foi a última pessoa a sair da alfândega, quase 1 hora e meia depois do voo ter chegado. Não entendi o porquê da demora, mas concluo sem nenhum problema que quem é honesto acaba pagando o pato, literalmente.

Abraços.

Luciano Abreu

 


 
Paulo Edurado

 mensagem postada em 29/08/2011 - 05:08:26hs
 
 

Olá Paulo,

Li teu post e lógico que concordo com os pontos que você destaca. Evidentemente, se tivéssemos retorno efetivo dos impostos pagos, seria até prazeroso declarar e tudo mais. Isso é ponto comum entre todos.

Infelizmente cada caso é um caso e sim, o risco é pessoal e a tensão também o é. O comentário que fiz em post passado foi da situação em geral. Ou seja, tem alguns que pagam o pato pelos outros na questão da declaração. Isso vai de cada um e é ótimo termos visões diferentes sobre o tema.

O raciocínio do imposto, mesmo declarando, sempre fica mais barato do que comprar aqui no Brasil mesmo, em qualquer caso analisado, SEMPRE. Chega a ser ridículo !!! Quando se comparam os preços dos produtos da Mac, parece que pagamos mais de 100% de imposto se comparado com os mesmos produtos nos EUA. Enfim, é o custo Brasil.

Abraços.

Luciano Abreu

 


 
 
No corredor da atração "Haunted Mansion" você irá ver uma placa onde está escrito "Tomb, Sweet, Tomb!" ("Tumba, Doce, Tumba")