Alfândega - Relatos

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais recente para a mais antiga
 

O objetivo do presente tópico é o de servir de espaço para que possamos postar - relatos - sobre as nossas experiências com a alfândega (exclusivamente). Peço que questionamentos sobre a "cota de isenção" sejam reservados para o seu tópico específico - Alfândega - Cota de Isenção.

leia essas informações
 
Índice  
 
 
Fortaleza

 mensagem postada em 26/06/2014 - 03:06:23hs
 
 

Cheguei no novo Voo direto "Miami-Fortaleza". A imigração tava uma bagunça, 3 vôos chegando ao mesmo tempo, demorou um bocado.
Quando fomos pegar as malas, elas já estavam fora da esteira. Estavamos com 3 malas grande e uma media. Meu namorado levava as 3 grandes num carrinho, e eu a media.

Tinha dado alguma discussao com as pessoas da nossa frente (no NADA A DECLARAR), e quando meu namorado foi passando o oficial tava olhando torto pra ele cheio de malas e eu ja disse: sao as minhas e as dele! E passamos.

Nao tinhamos mesmo nada a declarar, mas nao tava havendo nenhuma revista.

 


 
RECIFE 24/06

 mensagem postada em 27/06/2014 - 09:06:45hs
 
 

Pessoal,


Desculpa a demora. Estava sem computador.

Pois bem, desci no Recife dia 24/06 no voo da AA (lotado) estava com três malas (duas grandes e uma média).
Passei pelo Raio X e nenhuma pergunta. E tinha eletrônicos pra caramba.
Apenas perguntaram sobre o meu computador e eu disse que tinha comprado no Brasil.
Eu tinha Ipad, 2 iphones (fora o meu) duas maquinas fotográficas e tal.


Abraços

 


 
RIO DE JANEIRO (GIG) 04/07/14

 mensagem postada em 07/07/2014 - 03:07:38hs
 
 

Bom, nessa sexta-feira cheguei do AA 973 vindo de NY (JFK), estava com 2 malas grandes, uma de mao e uma mochila. Passei no Duty Free, fiquei mais ou menos uns 20 minutos, na hora de passar optei pela fila do ''Nada a Declarar'', mesmo tendo um laptop no valor de US$1750,00 na bagagem acompanhada... So o que tenho a dizer para aqueles que desembarcarao de um voo vindo dos EUA no GIG durante a copa, cuidado!! Pois todos, TODOS passaram pelo raio-x, havia tambem um voo United vindo de Atlanta na hora, umas 9:30h, estao os fiscais aproveitaram para passar o pente fino, lotaram a fila do raio-x, gente chorando, gente se recusando a por as malas no raio-x, enfim... Passei as bagagens e fui taxado em $1250 pelo notebook, haviam muitas roupas e um fone beats na mala mas a fiscal nem deu muita bola pra isso... Estou indignado com tanta injustica e abuso de poder da receita federal, somos tratados como animais, aproveitamos as ferias para fugir um pouco da roubalheira fiscal desse pais e quando voltamos... O cenario que vemos eh pior!! Enfim... Eh isso, e tirem todas as etiquetas das roupas compradas por la em!! Abrcss
Enzo

 


 
MIAMI-ATLANTA-RIO

 mensagem postada em 07/07/2014 - 03:07:28hs
 
 

Olá a todos! Depois de muito ler o fórum, decidi me inscrever e dar o meu relato. A quem interessar, leia-o com atenção.

Depois de 30 dias fora entre Miami-Orlando-Miami-NY-Miami, voltamos pro Rio dia 05/07 com uma conexão rápida entre Atlanta e 4 malas grandes (29') + uma sacola que serviu pra ajudar a esvaziar as malas e não pagar excesso. Já imaginam o meu desespero ao perceber que tinha comprado demais. Envelopamos tudo pra não sermos roubados e muita fé na sorte. Apenas eu e meu marido.

É obvio que com tantos dias fora extrapolamos a cota, porém trouxemos roupas dos dois (usadas na viagem + muitas camisas sociais), 16 sapatos meus, 9 do meu marido, uma mala só de roupa para os 4 filhos + sapatos, um aparelho de laser facial, um laser de depilação, cremes e shampoos que custam 20 dólares o litro e aqui quase 100 reais, algumas maquiagens, uma bolsa MK para uma amiga e uma pra mim, 5 relógios do meu marido, 3 meus. Na bolsa de mão eu trouxe 3 óculos que fiquei com medo de quebrarem na mala (e que não custaram caro), meu marido trouxe os fones de ouvido e tablets do Brasil e um DS3D pro meu filho. De caro, caro mesmo? Uma caixa de som B&W no valor de U$790 que meu marido trouxe na mão afim de declarar.

Pois bem, depois de descermos e pegarmos as malas, fizemos serão no DutyFree pra comprar um cacareco qualquer e levar uma sacolinha na mão e fomos pra fila de declarar. A regra está clara aqui no RJ: todo mundo, declarando ou não, passa no Raio X. O fiscal perguntou o que íamos declarar e fez cara de desconfiado perguntando se era só aquilo, pois estávamos cheios de malas. Colocamos tudo no raio x, eles comentaram alguma coisa na tela, conversaram um pouco e perguntaram se tinha algum notebook na mochila do meu marido. Quando ela conferiu que eram tablets com o símbolo da ANATEL atrás, deu a guia e pagamos no caixa ali mesmo, em débito.

Acredito que eles foram beeem maleáveis pois entramos na fila para declarar. Quem estava com duas malas e não declarava, tinha a mala aberta. DICA: se você passou algo de valor da cota, declare. Uma mulher foi taxada em 150 dólares mais a multa de 150 pois não declarou. O fiscal comentou comigo que ela trazia muita roupa baratinha e se ela tivesse declarado pegaria super leve, como estava sendo; mas como ela tentou ser esperta, abriu as malas e taxou tudo.

Resumo da ópera: 150 dólares de taxa e todo mundo feliz. Se tivéssemos ido sem declarar com certeza tirariam o envelopamento e olhariam TUDO. Não se apavorem com eu estava. Não sou defensora pois sei que nossas taxas são absurdas, existem muitos fiscais abusados, tudo muito caro ao ponto de termos que comprar fora do país além essa cota atual que é ridícula, mas pelo menos no RJ eles estão sendo muito justos com quem não tenta passar a perna. Funcionou comigo e com vários que vi declarando pouca coisa.

Boa sorte a todos e boa viagem!!!

 


 
Alfândega após a copa

 mensagem postada em 11/07/2014 - 03:07:07hs
 
 

Pessoal, percebi pelos relatos que a alfândega aumentou a fiscalização durante a copa mas será que após a copa a fiscalização voltará ao normal, ou vai continuar assim? vou pra Orlando em agosto, meu voo parte de guarulhos para miami pela Copa Airlines, pretendo trazer um macbook e um ps4 sem declarar. outra dúvida, vocês sabem informar qual o terminal que a Copa opera? Obrigado a todos!

 


 
Res: RIO DE JANEIRO (GIG) 04/07/14

 mensagem postada em 11/07/2014 - 08:07:02hs
 
 

Meu caro, abuso de poder é gênero do qual se divide em excesso ou desvio de poder. O primeiro quando o agente extrapola seu poder, o segundo quando sugere outra finalidade do que aquela prevista em lei. Culpar os funcionários da Receita é mascarar o real problema que enfrentamos no Brasil. A culpa não é, de forma alguma, deles, mas sim de toda nossa legislação e precária estrutura política. Mais ainda, eles apenas desempenham o seu papel, o que está previsto na lei. Ao passar da cota, você assume o risco e o ônus que terá, e atitudes de choro e se negar a ter as malas revistadas, além de pura ignorância, não ajuda em nada e só levanta maiores desconfianças. E de modo mediato, se queres achar um culpado, rogue esse sentimento na gama de moambeiros que frequentam a alfândega e inclusive esse fórum, pois pessoas como eu e você pagamos o pato de quem traz mercadoria para revenda.

 


 
Alfandega apos a Copa

 mensagem postada em 11/07/2014 - 09:07:20hs
 
 

Gabriel e Enzo, Sejam muito bem vindos ao VPO !!

Infelizmente creio que o arrocho na fiscalização continuará apos a copa do mundo.
Isso porque temos visto nos noticiários que há desequilíbrio na balança comercial, ou seja, o Brasil está comprando mais do que vendendo ao exterior e com isso há déficit, as reservas cambiais vão se esvaindo ...

A forma que a Receita Federal e o MF encontram é de taxar os viajantes que extrapolam a cota dos US$ 500 para tentar recuperar esse deficit.
Ms como disse o nosso amigo Jose Filho (abaixo) eu também creio que isso se dá pela excessiva carga tributária que temos no País, em função de uma máquina governamental inchada, e legislação ultrapassada. Veja: enquanto nos EUA se paga 6,5% de imposto sobre mercadorias adquiridas, aqui pagamos 50% do valor a titulo de imposto de importação, alem dos impostos que vc já pagou ao receber seu salario, como por exemplo o imposto de renda !

Mas lei é lei, e se a temos, é preciso respeitá-la né ?

E Enzo, creio que vc ainda saiu no lucro, pois ao optar pela fila do nada a declarar, mesmo estando com um Mc Book cujo valor, sozinho, ultrapassava a cota, o fiscal poderia taxá-lo em 100% ou reter a mercadoria, e ainda iniciar um processo judicial por tentativa de descaminho, cuja pena pode chegar a 4 anos de reclusão !!

Abraços a todos,
Ayrton.

 


 
Ayrton

 mensagem postada em 11/07/2014 - 01:07:47hs
 
 

Ayrton, muito obrigado pela rápida resposta e esclarecimentos. Tou aprendendo muito aqui no fórum... Acho que vou correr o risco de tentar passar sem declarar, se for taxado, paciência. É a chance que tenho de \"fugir\" da carga tributária absurda existente no Brasil. Abrção!

 


 
gabriel manzini (macbook)

 mensagem postada em 11/07/2014 - 01:07:10hs
 
 

Ayrton, muito obrigado pela rápida resposta e esclarecimentos. Tou aprendendo muito aqui no fórum... Acho que vou correr o risco de tentar passar sem declarar, se for taxado, paciência. É a chance que tenho de \"fugir\" da carga tributária absurda existente no Brasil. Abrção! (mensagem de gabriel manzini)

Gabriel, boa tarde.

Em 2011 passei com um macbook pro no "nada a declarar", coloquei dentro da minha bolsa, cabia direitinho e nada aconteceu, o fiscal sequer olhou para a minha cara...rs

Em 2013 troquei pelo modelo novo do macbook air e fiz da mesma forma que fiz em 2011. E não fui parada.

Obviamente que cada um assume o risco de seus atos, se eu fosse parada, certamente seria tributada em 100% do valor da nota do produto.

Hoje em dia, se eu quiser sair com este macbook do Brasil, corro o risco de ser tributada na volta, então eu nunca o carrego em viagens internacionais. Fica essa dica tb.

 


 
Patrícia

 mensagem postada em 11/07/2014 - 02:07:20hs
 
 

Patrícia, obrigado pela ajuda . Ano passado estive em Orlando também e apesar de só ter comprado um smartphone não fui parado na alfandega de guarulhos, minha preocupação este ano é que estarei com mais eletrônicos e pelos relatos percebi que a fiscalização está muito mais rigorosa.

 


 
 
O patriotismo de Walt sempre foi evidente em sua obra. Assim, no Magic Kingdom, existem inúmeras bandeiras asteadas nas lojas em Town Square e ao longo da Main Street U.S.A., mas elas foram impressas de maneira a - propositalmente - não terem o número correto de estrelas e listas, com o objetivo de assim não terem que ser retiradas toda noite, como é obrigatório para as bandeiras oficiais.