Voltei - Relato da minha viagem!

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais recente para a mais antiga
 
Índice  
 
 
Véspera e Primeiro dia

 mensagem postada em 09/10/2007 - 09:10:55hs
 
 

Fizemos o check-in na Copa Airlines e despachamos as malas, levamos duas malas grandes com mais uma mala dobrável vazia dentro de cada uma delas. O avião é pequeno, com duas fileiras de 3 poltronas, mas o serviço de bordo foi muito bom. Decolamos pontualmente às 12:45hs. Como todos aqui no site falavam tão bem do free shopping do Panamá, resolvi mudar o vôo (não foi esse o único motivo, mas incentivou mais) e tivemos duas horas e meia de intervalo da conexão, o que nos permitiu conhecer o local. Realmente, há muitas lojas, encontramos perfumes mais baratos que no free shopping de São Paulo, mas não comprei, pois se estivessem mais barato na Flórida compraria, caso contrário, compraria na volta, pois já havia anotado os nomes das lojas e os preços.
Chegamos a Miami às 00:30hs, isso mesmo, de madrugada!!! Somos loucos mesmo. Mas éramos somente meu marido e eu, sem crianças, e resolvemos arriscar. Fizemos a imigração com tranquilidade pois tinhamos tempo, ainda bem, porque deu pane no sistema da imigração e não entrava mais ninguém, todos tivemos que aguardar mais ou menos 40 minutos até o sistema voltar. A imigração foi tranquila, talvez pela espera eles estavam liberando o pessoal rapidinho, sem muitas perguntas, para nós pergutaram somente se a viagem era a passeio, mais nada.
Pegamos o carro na locadora Alamo, que alugamos com o Ronaldo. O cara da locadora devia estar de -- palavra censurada -- , queria nos vender coisas que já estavam incluídas no pacote do Ronaldo, se não estivessemos bem informado, teríamos caído na dele. Quando apresentei a carteira de motorista minha e de meu marido ele disse que motorista adicional teria de pagar extra, eu disse que o plano que fechamos já incluia o motorista adicional e disse que eu tinha razão. Depois apresentou o plano do tanque de combustível, para que eu devolvesse o tanque vazio e não pagasse a mais por isso, mais uma vez disse que o nosso plano já incluía devolver com o tanque vazio e ele mais uma vez me deu razão. Ofereceu um upgrade do carro, recusei. Por fim, quis vender um seguro de assistência em estrada (ele deve ter visto que eu devolveria o carro em Orlando) no caso do carro ter algum problema na estrada, mais uma vez recusei. Ele me entregou o contrato e um folder da assistência de estrada e me disse, este é para vc saber o que vc não tem direito. Achei o máximo, meu marido e eu saímos rindo. Pegamos o carro que queríamos desde que saímos do Brasil, um PT Cruiser vermelho, estava no estacionamento, esperando por nós... Lindo, uma edição limitada que tinha vários opcionais, inclusive teto solar, o máximo.
Primeira parada Walgreens. Como não tinha levado nada de produtos de higiene do Brasil, paramos para fazer a comprinha básica: sabonete, desodorante, shampoo...
Segunda parada Wal Mart. Foi para nos ambientarmos com os preços e produtos que nos aguardavam nos próximos dias de nossa viagem, fizemos mais umas comprinhas básicas e fomos para o hotel Astor, em Miami Beach, deixar as malas.
Fomos fazer nosso city tour, demos a voltinha recomendada pela Bárbara em Miami Beach. Depois fomos conhecer Coral Gables, Bricked Avenue. Depois fomos a loja TigerDirect a procura de celular, mas não encontramos celulares desbloqueados na loja. Só na internet. Ao lado da TargetDirect tem um shopping e aproveitamos para fazer algumas compras. Conhecemos a Ross e a Burlington, tão faladas aqui no site e realmente, precisa ter tempo e paciência para garimpar pelas tantas araras que há no local, mas quem procura acha e vale a pena para quem estiver com tempo, caso contrário, só vai ficar desesperado. Voltamos ao hotel para tomar um banho e descansar um pouco.
A noite fomos na Lincoln Road, muito legal, andamos, entramos em algumas lojas e fomos jantar no Van Dick Cafe. Sentada na mesa do bar, me senti em Campos de Jordão SP, para ser mais exata no Baden Baden, com a diferença que estava um calorão, parecia Campos com praia. Gostei muito...
Voltamos para o hotel e cama.
Continua...
Raquelzinha

 


 
Segundo / Terceiro e Quarto dia

 mensagem postada em 09/10/2007 - 09:10:31hs
 
 

Segundo dia
Acordamos e fomos para a praia, a duas quadras do hotel. Caminhamos e decidimos que não há praia como as do Brasil, portanto, resolvemos sair para as compras, fomos ao Dolphin Mall. Mais uma vez, fizemos o esporte preferido de brasileiros na Flórida, compramos.
Dica: vá até Guest Relations do shopping e diga que é estrangeiro (leve documento), vc ganhará um cartãozinho e um livreto com as lojas que dão desconto com o cartão. Foi muito bom, ganhamos muitos descontos, para terem uma idéia, na Tommy ganhamos um desconto de 15% sobre as mercadorias que estavam em ofertas na loja, muito bom. Tinha até um casal de brasileiros na fila do caixa atrás de nós e dei esta dica para eles, guardaram as compras no caixa e foram buscar o bendito cartãozinho.
Comprei meu primeiro perfume na loja que a Waldete recomenda para comprar Lancôme, obrigada Wal, encontrei lá o Hypnose 75ml+o pequenininho+gel banho+hidratante por US$40,00. Não tinha como não comprar, baratíssimo.
Conheci a loja Old Navy, meu marido se esbaldou lá. Dica boa do pessoal daqui.
Saímos de lá e fomos para o hotel dormir.

Terceiro dia
Acordamos, fizemos o check out do hotel e fomos pela praia até o norte da ilha de Miami Beach para conhecer o local. Pegamos a I 95 e fomos para o Sawgrass. Primeira parada a Brandsmart. O que é aquilo, nunca vi uma loja como aquela. Quantos eletrônicos e eletrodomésticos, tem dois andares para vcs terem uma idéia. Da outra vez que fui a Miami não fui nesta loja, agradeço a todos aqui do site pela dica. Bom, não preciso nem dizer que me esbaldei, comprei até aspirador de pó. Para vcs terem uma idéia, o mesmo modelo na Polishop custa R$700,00, lá paguei US$79,00, quanta diferença, não podia deixar de trazer.
Passamos pela Best Buy, Compusa e Circuit City. Depois fomos ao Sawgrass. Mais compras.
Dica: no Sawgrass fiz a mesma coisa que no Dolphin, fui ao centro de informaçãoes e disse que era estrangeira (documento) e eles me deram um livrinho de desconto. Façam isso, vale a pena.
Saímos de lá só quando o shopping fecha (21:00hs) e fomos para casa de uns amigos que moram a uns 20minutos do shopping. Pernoitamos na casa deles, ai que vontade de morar lá também...

Quarto dia
Fomos tomar café da manhã no i Hop com eles, lembrei da Cláudia C. que já indicou este local, realmente, as panquecas são muito gostosas. Demos uma passadinha na Best Buy e compramos um Walk Talk, compra perfeita para podermos nos separarmos nos shoppings, já que meu marido não fala o inglês e podíamos nos comunicar pelo aparelho.
Nos despedimos de nossos amigos e pé na estrada para Orlando pela Turnpike.
Como meu marido e eu temos sempre uma aventura em nossas viagens, nesta não podia ser diferente (já passamos por denúncia de bomba em aeroporto, terremoto, furacão e outros), na estrada pegamos uma chuva que era consequência de um furacão que estava passando bem longe, se não me engano no golfo, mas que chuva! Não podíamos ver dois metros a frente, e os raios, não era um, eram vários em seguida um do outro no mesmo lugar, o carro chegava a tremer. Meu marido que estava dormindo (revezamos a direção na estrada) acordou assustado e não pregou mais o olho de tão tenso que ficou (imagina eu dirigindo). A pista ficou com uma lâmina d´água e teve alguns carros que rodaram na pista e saíram dela. Fomos devagar e demoramos além do previsto para chegar em Orlando.
Fizemos o check in no Pop Century da Disney, trocamos de roupa e fomos direto para a reserva do jantar que tinhamos para o California Grill, pois estávamos atrasados. Que restaurante bom, pena que é muito caro, fomos lá porque ganhamos o Dinning Plan da Disney. Gastamos US$150,00 no jantar (não pagamos nada). Até vimos os fogos do Magic Kingdom do restaurante, magnífico. Tinha que ser assim perfeito, era o dia do nosso aniversário de casamento, porisso fiz a reserva neste restaurante. Avisei antes de nos sentarmos que era nosso aniversário e colocaram na mesa confetes com o formato do Mickey (lindos, até trouxe alguns embrulhados no guardanapo) e na nossa sobremesa colocaram uma plaquinha de chocolate escrita Happy Anniversary from the California Grill. Tinha até dó de comer.
Voltamos para o hotel, ligamos a TV e vimos a notícia da chuva que pegamos na estrada no canal do tempo.
Cama.
Continua...
Raquelzinha

 


 
Quinto e Sexto dia

 mensagem postada em 15/10/2007 - 06:10:46hs
 
 


Quinto dia - domingo
Tomamos o café no restaurante do hotel. Compramos a Mug (US$12,00) e as fatias de pão (US$0,69 - 2 fatias) que o Carlos havia comentado aqui no site. Tomamos suco, café, chocolate quente com a Mug, passamos os pães pela torradeira e nos servimos da margarina e geléia que há nas ilhas.
Como era domingo, programei não irmos aos parques, fomos para as compras. Primeira parada Best Buy, Compusa e Circuit City, pois como já disse, era domingo e as ofertas começam neste dia nas lojas.
Dica que peguei com um funcionário: nos domingos, por ser dia do início das ofertas, eles abrem as lojas mais cedo do que o que consta no site, portanto, o rapaz disse para que chegasse meia hora antes do horário de abertura oficial. Verdade, quando chegamos na Best Buy, já estava aberta e eu não era a única que sabia disso, tinha mais gente. Antes de comprar fizemos visita às três lojas para comparar preços e modelos e depois compramos.
Voltamos para deixar nossas compras de eletrônicos no hotel e aproveitamos para almoçar, já que não caprichamos no café. Almoçamos no restaurante do hotel.
Fomos para o Premium conhecer e fazer mais umas comprinhas. Pegamos o livrinho de desconto neste shopping também. Ou vc se inscreve no site ou imprimi aquele cartão do Orlando Magic, que o pessoal do site já comentou.
Voltamos ao hotel, jantamos no restaurante e fomos dormir. Amanhã começamos os parques.

Sexto dia - segunda-feira
Acordamos cedo, tomamos café da manhã no restaurante do hotel no mesmo esquema do dia anterior e fomos para para o MGM. Chegamos lá 9:00hs, horário de abertura do parque. Parque vazio, ainda mais por ser cedo, pois todos deixam para ir a este parque depois do almoço. Sem fila alguma. Fotos com os personagens que ficam perto do chapéu. Começamos o parque pelo lado esquerdo: Star Tours, Muppet Vision, Backlot Tour (não fizemos o Indiana Jones, já vimos o ano passado). Não aguentamos e fomos para a Tower of Terror, sem fila, mas mesmo assim pegamos fastpass, no total, fomos QUATRO vezes no brinquedo, bacana, aquilo vicia. Infelizmente a Rock ´n´ Roller do Aerosmith estava fechada. Fomos em Voyage of the Little Mermaid (lindinho), no show Light, Motors, Action!, vimos o show do High School Musical e a parada. Além de ter almoçado (cedo, pois acordamos cedo), fomos ao jantar no restaurante Hollywood and Vine (tipo buffet), que participa do Fantasmic Dinning Experience, ou seja, vc janta lá (mas tem que dizer na ocasião da reserva que quer este pacote, o preço não muda porisso) e no final do jantar eles te entregam um papel que permite que no show do Fantasmic fiquemos em uma parte do teatro reservada do lado direito sem ter que ficar na fila (a entrada é por outro lugar). Talvez pela temporada que fui fosse desnecessário, mas como tínhamos o Dinning Plan aproveitamos para unir o útil ao agradável.
Depois que saímos do show o parque estava aberto para os hóspedes da Disney (Extra Magic Hours), mas nem pensar em ficar, aproveitamos muito o parque devido ao fato dele estar vazio.
Fomos para o hotel e cama.

Continua...
Raquelzinha

 


 
Sétimo dia - terça-feira

 mensagem postada em 15/10/2007 - 06:10:55hs
 
 

Fomos tomar café da manhã no restaurante Boma no hotel Animal Kingdom Lodge (tipo Buffet). Hotel maravilhoso (o saguão é lindo) e restaurante com decoração africana. Depois do café, fomos dar uma volta pelo hotel. Dos quartos (não de todos) pode-se ver os bixos soltos. Quando estávamos dando uma volta pela área externa e tirando fotos, chegou um jipe. Uma moça desceu para alimentar os flamingos (que ficam perto da cerca que separa os animais dos hóspedes) e deu explicação dos cuidados e curiosidades com estas aves. Adoramos o hotel. Muito zen e a piscina imita uma lagoa na cor do revestimento e tem "prainhas".
Bom, para variar só um pouquinho fomos para as compras, mas antes, passamos no escritório do Ronaldo, conhecemos a Ravena também. Gente eles são extremamente simpáticos e prestativos. Fui lá para nos conhecermos, pois de noite íamos nos encontrar para jantar com o pessoal do site. Enfim, fomos para o Florida Mall. Mais uma vez fui ao centro de informaçãoes e disse que éramos estrangeiros e nos deram um caderninho de descontos. Não achei tão bom quanto os dos outros shoppings. Na Macy's fiz o cartãozinho da loja que dá 11% de desconto em quase tudo. Lojas: Macy's, Victoria's Secret, Perfumania, MAC, M&M... as demais lojas eram mais caras que nos outles.
De lá fomos para a Yes Brasil para verificar os preços.
Como alugamos 1 semana de carro + 1 semana de carro, este era o dia de fazermos a troca. Fizemos dentro da Alamo da Disney. Não sei não, mas se eu tivesse que mudar algo nesta viagem, talvez seria isso. Não trocaria na Disney, trocaria no aeroporto. Na Alamo da Disney, não nos deram opção de escolher o carro. Nos entregaram a chave e disseram que o carro era tal. Tentei mudar, mas não teve jeito. Não que o carro fosse ruim, era um PT Cruiser novamente, mas queríamos experimentar outro, entendem?
Carro trocado, fomos para o hotel nos arrumarmos para o jantar da noite.
Fomos para Downtown Disney e demos umas voltas pelas lojas. No horário combinado estávamos no Planet Hollywood e lá encontramos o Ronaldo. Esperamos o pessoal, mas demoraram e o gerente pressionava por causa da mesa, então entramos e pedimos.
Aí chegou a Maria I. com a família dela, simpáticos, alegres e na correria básica que é daqueles que estão pela primeira vez na Disney. Adorei o encontro, adoro conhecer as pessoas...
Maria I. cadê vc? ADOREEEI te conhecer em Orlando, quando vc vier para minhas bandas, manda um e-mail para podermos nos encontrar, se precisar de qualquer coisa só escrever. Manda um abraço para sua família. E aí? Ficou com gostinho de quero mais? Deu tempo de fazer as suas comprinhas? Vamos nos falar...
Saímos tarde do restaurante, as crianças já estavam dormindo.
Hotel e cama

Continua...
Raquelzinha

 


 
Oitavo e Nono dia

 mensagem postada em 15/10/2007 - 06:10:54hs
 
 

Oitavo dia - quarta-feira
Acordamos cedo e fomos para nosso café da manhã tipo buffet no restaurante Crystal Palace, no Magic Kingdom. Aquele monorail nos atrasou, pois antes de ir para o parque parava nos hotéis, esperava todos entrarem... No restaurante havia os personagens do ursinho Pooh. Muito lindo, tiramos fotos com todos eles e a garçonete que nos serviu era muito simpática. Acredito que devido ao clima que os personagens criam no ambiente, todos os funcionários ficam mais com o espírito Disney. Valeu a pena, foi nossa primeira refeição com personagens, nunca tínhamos tido esta oportunidade. Queremos repetir, não necessariamente neste restaurante.
Acabamos o café e fomos para o parque. VAZIIIIO. Que beleza que é caminhar pelo Magic Kingdom sem aquela "muvuca", sem filas. O fastpass para Splash Mountain estava fechado pois o brinquedo não tinha filas. Pegamos fastpass para a Big Thunder e mesmo assim entramos na fila. Fomos ao Pirates of the carribbean, splash mountain, haunted mansion, repetimos big thunder (fastpass), tiramos fotos com o Jack Sparow, fomos ao peter pan's flight, it's a small world, Mickey´s Phillarmagic, Monster, Stitch, Buzz, Space Mountain três vezes, assistimos à parada. Entre os brinquedos almoçamos no Cosmic Ray, tomamos sorvete com a carinha do Mickey. Quando terminamos as atrações eram 17:00hs, cancelei a reserva do jantar que tínhamos no Crystal Palace e peguei um mapa para o Halloween. Não ficamos para ver os fogos, pois já tínhamos visto do restaurante Callifornia Grill e também porque iríamos à festa do Halloween. Fomos para o hotel, petiscamos no restaurante de lá e fomos para o Wal-mart, como é gostoso fazer compras nestes supermercados, tudo importado (hihihi).
Hotel e cama.

Nono dia - quinta-feira
Café no hotel mais reforçado e fomos passear.
Primeira parada Yes Brasil para celulares e meu marido tomou um café brasileiro no Pão Gostoso, estávamos fartos do "cháfé" dos americanos.
Voltamos à Best Buy e vizinhas.
Fomos na Petco (perto da Best Buy), para quem gosta de animais, muito legal. Eu bem que queria comprar muito, mas nossas malas já não permitiam mais volume. Queria muito comprar uma rampa para nossa cachorra, pois ela já rompeu o ligamento dos dois "joelhos", com direito a cirurgia com ortopedista, -- palavra censurada -- e tudo. A rampa era para que ela subisse no carro, pois a levamos para passear todos os dias, evitando que ela fizesse esforço ao subir. Mas a rampa era pesada, fica para a próxima viagem (desculpa boa). Comprei capa de chuva para ela, pois chova ou faça sol, seu passeio é sagrado, não tem jeito.
Fomos ao Prime. Como este shopping está diferente. Fiquei chateada por não ter mais a loja London Fog, adoro as parkas desta marca inglesa. Mas a reforma do shopping ainda não terminou, quem sabe na próxima viagem já a encontro lá.
Depois fomos até a Circuit City que fica perto do Mall at Millenia e demos uma passadinha no supermercado Target.
Hotel e cama.

Continua...
Raquelzinha

 


 
Décimo dia - sexta-feira

 mensagem postada em 15/10/2007 - 07:10:26hs
 
 


Acordei cedo com meu marido reclamando de dor. Pela descrição dele parecia rim. Que sufoco para fazer uma ligação a cobrar do hotel. Não levei o número da Embratel, pois sempre utilizamos o Skype, mas como na Disney temos que pagar para utilizar a internet, não tínhamos Skype lá (utilizávamos nos shoppings). Foi a operadora da AT&T que me passou o número da Embratel, um anjo. Liguei para o número que constava no papel do seguro-viagem. O rapaz disse que eu receberia uma ligação dos EUA, mas no nervosismo, eu não sabia o telefone do hotel, nem pensei em olhar nos folhetinhos que eles deixam na mesa. Então ele me passou o 0800 dos EUA para que eu ligasse dentro de quinze minutos. Liguei para o número e descrevi o problema, a moça disse que nestes casos não adiantava mandar médico no hotel, que eu deveria ir até um hospital, mas era muito cedo e eu deveria esperar até às 8:00hs. Esta espera seria de um pouco mais de uma hora. Como a dor aumentava, liguei para meu cunhado (irmão do meu marido) que é médico. Ele descreveu o problema, o que o médico poderia me dizer na consulta, os exames e descrevi a ele os remédios que tinha levado comigo e perguntei qual deles poderia dar ao meu marido. Marido medicado, mandei ele para o chuveiro para que ele relaxasse. A moça do seguro ligou e passou o endereço do hospital que deveríamos ir, eram 8:30hs. Como o remédio e os banhos fizeram um pouco de efeito, meu marido não queria mais ir ao hospital, disse que preferia esperar. Acredito que por medo da conta que poderia ser $$$$$.
Mesmo assim, passou a manhã reclamando da dor, queria ir embora no dia seguinte, pediu para que eu mudasse a data da passagem (a tarifa que comprei os bilhetes da Copa permitia que eu trocasse o dia do vôo sem pagar nada adicional). Mas eu fiquei pensando, já imaginou ele ir no avião, que não se pode deitar direito, por não sei quantas horas, sofrendo com a dor no rim. Disse a ele que eu trocaria a data da passagem, mas que antes iríamos ao hospital, afinal se tivéssemos que pagar muito $$$, pagaríamos pois era a saúde dele, depois dávamos um jeito aqui.
E para achar o Hospital? Fui embora e perguntando se chega a Roma, não é mesmo? Era pertinho da Disney, onde estávamos hospedados.
Chegamos lá, um montão de papéis para preencher, até mesmo um contrato, que no meu inglês mais ou menos fiquei assustada e não assinei (acabou ficando comigo). A recepcionista do hospital disse que o meu seguro cobriria até US$400,00. Sóóóó? Bom, não ia discutir com a recepcionista, ela nada tinha a ver com isso. Falei que tudo bem e qualquer diferença eu pagaria (aaaiii!). Perguntei quanto ficaria uma consulta simples, a mais barata, ela disse que mais ou menos US$250,00, mas que se tivesse algum procedimento ou exame, iria ultrapassar os US$400,00, não perguntei nem quanto, para que eu não assustasse e fosse embora.
O médico foi bacana, viu que éramos estrangeiros (claro!!!) e disse que pela descrição e sintomas do meu marido era pedra no rim. Mas que o equipamento de exame que havia naquele local só detectaria pedras de tamanho grande (ultrasonografia), então correrríamos o risco de pagar pelo exame e ele não visualizar nada. O equipamento que dectaria a pedra só tinha em hospitais maiores (tomografia) e que era bem caro o exame. Concordei em não fazer os exames.
Nos receitou dois remédios, sendo que o segundo ( -- palavra censurada -- , tipo morfina) era no caso do primeiro não fazer efeito e se tivéssemos que utilizá-lo, seria para tomar e nos dirigirmos a um hospital maior, pois provavelmente seria um caso cirúrgico.
Graças ao médico, não passamos de US$400,00. Fomos para o carro. Meu marido estava nervoso, pois de modo algum queria fazer cirurgia naquele país, queria ir embora naquele dia. Aí meu Pai do céu, muita calma nessa hora... Eu disse a ele que primeiro iríamos comprar os remédios, tomar pelo menos uma drágea e ver qual o efeito, se não fizesse efeito iríamos embora no vôo daquele dia mesmo, nem que eu tivesse que dizer para a seguradora que ela ou iria pagar a cirurgia ou nos colocar em vôo de outra companhia aérea naquele dia.
Do orelhão da farmácia liguei para a seguradora no Brasil e perguntei dos procedimentos para compras de remédios (vc paga, eles reembolsam). Comprei os dois remédios (US$50,00), qualquer coisa meu marido iria viajar de avião a base de -- palavra censurada -- .
No hotel tomou a primeira dose, comprei almoço, mas nem tocou na comida, com dor não se tem fome, mas um tempo depois ... dormiu ... que alívio!!! Aproveitei e arrumei as malas para voltar caso fosse necessário. Acordou mais tarde, a segunda dose e dormiu mais um pouco. Acordou novamente (lá pelas 18:00hs) com fome!!! Já havia melhorado muito, o remédio estava fazendo efeito, não havia necessidade do -- palavra censurada -- , perguntei se queria trocar as passagens, ele disse que por enquanto não, que fossemos levando.
Tínhamos reserva de jantar no restaurante francês do Epcot, ele disse que queria ir.
Jantar maravilhoso!!! Aliviadíssimos, pois meu marido estava beeem melhor... Vimos mais ou menos os fogos do restaurante.
Era dia do Epcot ficar aberto mais três horas para os hóspedes e ele quis ir aos brinquedos.
Fomos no Honey, I shrunk the audience, Soarin, Nemo e Test track.
Hotel, remédio e cama.

Continua...
Raquelzinha

 


 
11º e 12º dia

 mensagem postada em 15/10/2007 - 07:10:58hs
 
 

Décimo primeiro dia - sábado

Era praticamente nosso último dia de compras, então fomos atrás do que faltou e das encomendas.
Primeira parada -- palavra censurada -- . Segunda parada Brandshoes, ao lado da Yes Brasil. Depois -- palavra censurada -- nd e Cellullar Im, ao lado da -- palavra censurada -- nd.
Fomos comprar brinquedos na Toys "r" us, sensacional. Compramos uma lancha com controle remoto, meu sobrinho adorou, por US$25,00.
Best Buy novamente.
Nos dirigimos ao Flórida Mall, últimas compras.
Fomos até a Sports Authority, para raquete de tênis.
Regressamos ao hotel para deixar as compras e jantamos.
Nos dirigimos ao Premium e mais tarde ao Walgreens.
Hotel, remédio e cama, o dia seguinte seria puxado.


Décimo segundo dia - domingo
Acordamos cedinho e fomos para nosso café da manhã no restaurante Cher Mickey's com personagens (mickey, minnie, pateta, donald e o pluto). Muito descontraído e bom. Viram na nossa reserva que a viagem era em comemoração ao nosso aniversário de casamento, então, uma certa hora a garçonete trouxe um cupcake com velas acessas, com confeitos no formato da carinha do mickey. Logo em seguida começa a festa que os personagens, funcionários e todos os presentes cantam felicitando os que aniversariam naquele dia. Como no setor em que estávamos o único bolinho era o que estava em nossa mesa, o Pluto ficou mexendo com o meu marido. Bacana...
Fomos para o Animal Kingdom. Parque vazio, sem filas.
Fomos direto para o Expedition Everest, pegamos o fastpass e entramos na fila. Depois fomos para o Kali River Rapids, Primeval Whirl e retornamos para o Expedition para o fastpass, não resistimos e entramos na fila novamente. Quando estávamos saindo do brinquedo, um pessoal estava mandando ficarmos num canto da saída, num local onde havia já algumas pessoas e estava cercado por funcionários (tipo corrente humana), depois que nós entramos, percebi que fecharam e mandavam o restante do pessoal que estava saindo do brinquedo prosseguir. Confesso qua a princípio fiquei assustada, não sabia o que estava acontecendo e meu marido me perguntando o que estava acontecendo. Quando olhei para trás a funcionária abriu uma mochila e começou a tirar saquinhos de lá de dentro e distribuir para o pessoal que havia sido separado. Foi tudo tão rápido, então olhei com mais calma para os funcionários e vi que eles estavão uniformizados com roupas do time do Million of Dreams. Pegamos um saquinho cada um e nos liberaram para sair do brinquedo. Quando abrimos era um colar de Disney Pin da comemoração com dois pins. Uma graça! Não temos o costume de colecionar pins, mas é uma ótima lembrança e, para calar minha boca, pois quando chegamos à Disney, expliquei ao meu marido sobre a comemoração deste ano e como eram feitos estes sorteios, mas que eu não conhecia ninguém que houvesse ganho. Bom, agora posso falar que conheço. Bom, foi um total de três vezes no Expedition Everest. Fomos no It's tought to be a Bug, no show do Nemo (m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o) e no do Rei Leão. Pegamos o trenzinho que vai até o Rafiki (perda de tempo). Não tinha fastpass para o Safari e a espera era de 40minutos. Não fomos. Fomos embora para o hotel e almoçamos lá. Descansamos e nos arrumamos para o Halloween do Magic kingdom. Não fomos fantasiados.
Optamos por ir de ônibus, assim ficávamos na porta e não precisaríamos pegar o monorail ou o ferryboat.
Pulseira e sacolinha em punho para pegar doces.
No meio do caminho encontramos aquelas pinturas no rosto de graça. Imagina se não ficamos na fila. Eu fiz a pintura de Sininho e o maridão de pirata. Ficaram muito legais...
Cara pintada, fomos a caça dos doces. No caminho da Alice encontramos personagens e doces. Percebi que no começo da festa o pessoal regula os doces que vão colocar nas sacolinhas, parece que têm medo que acabe. Não gostei disso.
Optamos por não assistir a primeira parada. Estavamos de um lado do desfile e fomos nos brinquedos. O parque já não estava cheio, com o desfile, ficou vazio, mas vazio mesmo. Não se consegue ir de um lado para o outro do parque, fica-se isolado de um lado. Para vcs terem uma idéia do quão vazio estava, fomos no Pirates of the Caribbean e no barquinho fomos somente meu marido e eu. Eles punham uma turma por carrinho. Vazio. Em frente aos piratas havia um ponto de doces e eu ficava entrando e saindo da fila, não tinha nada para fazer, já tinha ido nos brinquedos e de tão grande que era o desfile nos isolou. As moças já não aguentavam mais me ver. Pois não tinha fila, era só eu. No fim, depois de tantas idas e vindas, acabei descobrindo que uma delas era brasileira, ou melhor, ela descobriu que eu era brasileira. Perguntei se foi porque não saía da fila, ela disse que não, que todos faziam isso.
Desfile passou e fomos para a Big Thunder, vazia... fomos 2 vezes. Tiramos fotos com personagens, as filas não são tããão grandes.
Brinquedos + doces e fomos guardar um lugar para assistir aos fogos e ver a segunda parada.
Aproveitamos e jantamos. Fogos e segunda parada passados, o parque continuava aberto, eu queria mais doces. Encontramos o Stitch vestido de Elvis e dançando, meu marido queria ver.
Últimas fotos e fomos embora, mortos, foi um dia cansativo.
Hotel, remédio e cama.

Ah, neste dia meu marido expeliu a pedra do rim, maravilha....

Continua...
Raquelzinha

 


 
13º e 14º dia

 mensagem postada em 15/10/2007 - 07:10:04hs
 
 

Décimo terceiro dia - segunda-feira
Acordamos mais tarde e voltamos ao Epcot. Pegamos fastpass para o Soarin e fomos ao Mission space, a versão mais radical. Pegamos fastpass para o Test track.
Este parque estava mais cheio que os demais. Era dia do 25º aniversário do Epcot. Estavam vendendo pins comemorativos. Como havíamos ganho o colar de pins, quisemos comprar estes para acrescentar nele. Uma fila para comprar os tais pins. Além de ser aniversário, estava acontecendo o Food & Wine Festival (que havia inaugurado na sexta-feira e vai até o dia 11 de novembro). Há vários jantares caríssimos com cozinheiros famosos de todo o mundo, cujas reservas se esgotam rápido. Mas não era essa nossa intenção. Fomos numa degustação de vinho gratuita. Vai um enólogo explicar sobre os vinhos que vamos degustar e falar dos vinhos em geral. Foram 3 vinhos (doses pequenas), um vinho branco e dois tintos, sendo um cabernet sauvignon. Eu não tomo bebidas, então provava e meu marido tomava o restante. Ele tomou vinho... Já li em sites americanos que tem gente que abusa. Havia outras degustações, mas fomos somente nesta para ver como era. Se alguém for até 11 de novembro dê uma olhadinha no roteiro do festival, as degustações mudam dia a dia. Há degustação de comida também (mais raro) e os vinhos são de regiões diferente do mundo. Os nossos eram dos EUA mesmo, da Califórnia.
Fomos visitar os marketplaces (barraquinhas de países diferentes com comida e vinho típicos). Tem-se que pagar para comer e beber nestas barraquinhas, como tínhamos o Dinning Plan, guardamos os Snacks para comprarmos as comidinhas, degustamos e não pagamos nada, usamos os Snacks. Visitamos Canadá, Peru, Argentina, Alemanhã, EUA, Austrália, Oklahoma e França.
Fomos almoçar no México e jantamos no restaurante Irlandês de onde vimos os fogos. Neste dia lá pelas 19:30hs começou uma chuva fenomenal, ficamos encharcados com capa e tudo. Chegamos a querer ir embora do parque e nem jantarmos, mas no final demos meia-volta e voltamos. Às 21:00hs ainda chovia um pouco, estávamos no restaurante Rose and Crown jantando (é o lugar que tem boa visibilidade dos fogos). Perguntei para a garçonete se haveria os fogos por causa da chuva. Ela respondeu que eles fariam de qualquer jeito, pois era a comemoração do aniversário do parque. Não deu outra, avisaram que iria atrasar um pouco, mas por milagre a chuva passou e os fogos aconteceram.
Os fogos foram algo a parte. Como era 25 anos do parque, além dos fogos normais, eles prolongaram mais tempo em comemoração, foi lindo o final, de ter que tampar os ouvidos de tantos fogos ao mesmo tempo e de tremer o chão. Valeu a pena. M A R A V I L H O S O ! ! ! ! ! ! Experiência única.
Saímos do parque e fomos dar a última passadinha no Wal Mart.
Fomos para o hotel, arrumamos um pouco as malas e cama.


Décimo quarto dia - terça-feira e último
Bom, para fechar com chave de ouro, reservei um café da manhã no restaurante 1900 Park Fare, no hotel Grand Floridian. Este restaurante estava fechado e este dia ele reinaugurava. Nele há os personagens da Alice, Chapeleiro, Mari Poppins, Pooh e Tigrão.
Achei o melhor café, não sei se porque estávamos mais sossegados e com tristeza por ter que deixar tudo aquilo e retornar ao Brasil. Tomamos uma sopa gelada de morangos D E L I C I O S A. Eu havia lido a respeito dela em fóruns americanos, mas só experimentando para saber o quão saborosa é. Fotos com os personagens e regressamos ao hotel para terminarmos de arrumar as malas.
Ah, esqueci... neste dia o tempo fechou, choveu bastante.
Malas arrumadas, fomos até o restaurante e loja do hotel gastar nosso Dinning Plan.
Fomos para o aeroporto, devolvemos o carro e fomos para o check-in na Copa Airlines. Apresentei as reservas e minha surpresa foi quando a funcionária disse que nosso vôo Pánama/SP havia sido cancelado. Fiquei com cara de ué. O que iríamos fazer? Ela disse que poderíamos ficar num hotel e partir no dia seguinte para o Brasil, cujo vôo estava confirmado, ou irmos embora no mesmo dia por outra companhia aérea, a Continental Airlines. Por mim ficaria mais uma noite, mas meu marido queria trabalhar (pode?) e optamos pela Continental que partiria uma hora depois do nosso vôo pela Copa.
No check-in da Continental uma senhora que controlava a fila já olhou para nossas malas e disse "muito pesadas". Eu disse que nosso vôo era para o Brasil e que tínhamos direito a mais bagagem. Ela duvidou, foi até a funcionária que emitia bilhetes e a mesma confirmou minha versão, por sinal, esta funcionária que emitia bilhetes era muito simpática e falava portunhol, queriam aprender mais português.
Bilhetes OK. Fomos até Houston e de lá para SP chegando no dia seguinte.

Bom pessoal, essa foi nossa viagem. Foi ótimo contá-la a vcs, fui relembrando cada momento e já estamos pensando em regressar logo, mas meu visto vence agora em dezembro, primeiro tenho que renová-lo, se tudo der certo conto para vcs. Êta saudades daquele lugar. Mais eu volto, com certeza... Afinal, tenho que manter este tópico atualizado hehehehe...

Raquelzinha ºoº

 


 
Finalmente consegui escrever alguma coisa...

 mensagem postada em 16/10/2007 - 02:10:00hs
 
 

Bem, depois de ter voltado ha' quase tres semanas, finalmente estou conseguindo parar para escrever. Nao sou boa nisso como meus antecessores, mas vamos la' ...Por favor tenham paciencia, pois sera' em capitulos.

06/09 Dia da viagem.

Depois de tantas nuvens no céu nos dias que antecederam a vigem, hoje o dia amanheceu lindo. Lindo mesmo. Um sol maravilhoso brilha lá fora. Todos nós em casa com aquele sorriso pregado no rosto. Mas é um dia de correrias.
Despacho meu menino para escola. “Quero ir de mãe!” diz meu menino. “Mãe não é meio de transporte. Vai de Van” respondo correndo, pela casa, para buscar a lancheira.
Corro para fazer a ultima sessão de fisioterapia antes da viagem. Uiii. Na descida da maca machuco meu joelho. Penso “como será que vou dar conta de andar com essa dor?” Chego em casa tomo um antiinflamatório, claro!!!
Resolvo o almoço pois meus pais vão almoçar conosco para em seguida nos levarem ao aeroporto.
Encaixo o “belezol” no meio.
Vou buscar o menino na escola. Ultimas orientações da professora para o período longe da escola...Tenho que lembrar de colocar todos esses livros de historia na mala dele. E alguns exercícios.
Ufa!!! Já estou ficando cansada e o dia ainda não esta nem no meio.
Chego em casa, confiro o almoço, dou uma das ultimas checadas na mala, meu marido me informa que pegaremos frio em Washington. Penso: “Ótimo, não coloquei nada para frio. Por que ele não disse isso ontem???”
Almoço mas as borboletas já estão muito alvoroçadas para que eu consiga comer direito. Alias estamos todos assim.
Meus pais alternam contentamento pela viagem com a tristeza de quem vai ficar quase um mês sem a filha mais velha, o genro, mas principalmente sem o único neto!
Peço para minha mãe arrumar meu filho para a viagem.
Meu marido e eu conferimos mais uma vez os travelcheques, os dólares, os passaportes, os e-tickets da passagem, as reservas do carro, hotel, o xerox dos documentos, a listinha da Wal, os documentos de declaração da minha maquina e da dele, do note que vai conosco, das palms...nossa quanto papel. Às vezes acho que esse pessoal se alimenta de papel!
Antes de sair faço meu filho comer alguma coisa, afinal não sei ao certo como será a viagem. Nunca voei pela Continental.
Hora de irmos para o aeroporto. Quando saímos de casa percebo que viajar na véspera do feriadão não foi mesmo uma boa idéia. Engarrafamento. Mas como saímos com antecedência, não houve maiores problemas.
Nos despedimos dos meus pais mais cedo pois eles terão que enfrentar o maior engarrafamento no sentido contrario ao aeroporto.
Entramos na fila da companhia aérea e encontramos o outro casal com um filho da idade do meu que ira’ viajar conosco. Para nós é a segunda ida em família mas será a primeira deles. E eles estão se fiando na gente! Nossa que medo! E se não der certo? Que maluquice essa idéia de viajar com outra família! Onde eu estava com a cabeça quando topei? Porque o Pedro (meu marido), sempre tão racional não disse não!
Agora é tarde. Vamos nessa que é bom à beça. Vamos rezar para que tudo de certo.
Fila da imigração enorme!!! E para complicar toda hora vinha alguém perguntando na fila se alguém seria dos vôos XPTO, KZY,... que sairiam a qualquer momento. Com isso um monte de gente passa na nossa frente. Vou ficando chateada, afinal fiz meu dever de casa. Sai cedo de casa, e o pessoal atrasildo esta passando na minha frente. Nesse nosso país ser atrasildo atrasado é vantajoso!!! Aí que raiva! Juro que de uma próxima vez vou chegar em cima da hora!
Entramos no avião, todos são muito cordiais. Um comissário de bordo passa distribuindo asinhas de plástico como as de comandante para as crianças. Os meninos adoram. Meu marido aproveita que eles acabaram de disser que o vôo vai atrasar por causa da imigração e pede ao comissário para que os meninos conheçam a cabine de comando. E eles permitem. Eles vão até lá, tiram varias fotos e voltam sorridentes.
Finalmente depois de quase uma hora de espera decolamos. Os meninos querem brincar juntos. Trocamos de lugares. Antes mesmo que o jantar seja servido, os meninos já estão dormindo. Afinal foi um dia agitado para todos.

07/09
Chegamos em Houston na hora prevista. A imigração lá é bem menos carrancuda do que foi em Miami ano passado. Passamos tranqüilos. O tempo foi o justo para fazermos as trocas de malas irmos ao banheiro e lá vamos nós ao encontro do nosso objetivo.
O vôo até Orlando também foi tranqüilo. O dia lá também estava lindo. Chegamos no horário, pegamos nossas malas e fomos à locadora pegar os carros.
Meu marido acabou pegando um carro enorme, mas foi ótimo.
Nesse momento nos demos conta de que já era hora de almoçarmos e mesmo com as malas no carro antes de fazermos o check-in nos hotel resolvemos almoçar.
Comemos no Ponderosa. Não é ótimo, mas para quem esta viajando a mais de 12horas e cansados pareceu maravilhoso.
Na saída passamos na loja bugigangas ao lado e já começamos a “pesquisa” de preços.
Direto ao hotel. Pegamos quartos um ao lado do outro como havíamos solicitado. Afinal um banho. Trocamos de roupa e fomos buscar nossos tickets. Voltamos ao hotel para não ficarmos passeando com um monte de tickets e descobrimos que eu havia deixado a porta do nosso quarto totalmente aberta!!! Ainda bem que voltamos. Tickets no cofre, decidimos,
para não perdermos o dia, ir ao “Believe it or not”. Nós já havíamos ido, mas para a outra família era a primeira vez. É um lugar legal de se ir logo no primeiro dia, pois é pequeno, cheio de maluquices e coisas esquisitas mas bem divertido. Quadros feitos de pennys, carro de palito de fosforo em tamanho natural, pertences de umcara gigantesco...e o ponto alto e' aquele túnel na saída, que e´ bem psicodélico. Meu marido fez tantas idas e vindas ali que acabou tendo um trauma costal que iria ter impacto nos próximos dias. Na lojinha de saída (por lá todas as atrações acabam em lojinhas...) compramos um imã de geladeira para marcar a nossa terceira ida. Saímos dali e fomos jantar no Uno Pizza. É um bom lugar para se comer em geral. Mas cuidado ao pedir iced tea. Não só lá, pois para eles, iced tea é a mesma coisa que mate. Adoro Iced tea e odeio mate. Como tinha esquecido...dei-me mal. Mal o jantar acabou os meninos despencaram. Fomos em direção ao hotel, mas combinamos de parar para as comprinhas básicas no Wal Mart. Já na porta do supermercado decidimos que ficaríamos eu e Simone (minha amiga de aventura) e os homens voltariam para o hotel com as crianças.
Fizemos as compras básicas para café da manha e material feminino de primeira necessidade (shampoos, sabonetes, hidratante, protetor solar, toalhinhas de higiene das mãos que substituem o álcool gel que meu filho tanto odeia, etc ) e só. Fomos embora afinal já era quase meia noite e os próximos dias não seriam menos intensos.
Continuo em breve...
Bjkas

 


 
EPCOT - parte 1

 mensagem postada em 21/10/2007 - 03:10:04hs
 
 

08/09
Quando o despertador tocou, nem acreditei que já era hora de levantar! Mas no segundo seguinte me dei acordo de que estava em Orlando e que era HORA DE COMEÇAR A DIVERSÃO!
Tomamos café da manhã no quarto, ligamos para os meus pais via Skype.
Arrumei meu filho (garanti o banho do dia) – seguindo a dica quente da Claudia já havia deixado a roupa dele separada de véspera.
Enquanto me arrumava ele fez a leitura do dia.
Empurrei meu marido para o Target para comprar um carrinho – meu filho é bem comodista e além disso, no carrinho posso leva-lo mais rápido e a qualquer lugar!
Dividimos os radinhos com a outra família.
E enfim estávamos prontos para partir. Combinamos que pela manhã as mulheres dirigiriam e a noite os homens. Afinal todos querem dirigir aqueles carros maravilhosos naquelas estradas igualmente maravilhosas. Liguei o carro e tentei usar o GPS do carro, mas com pressa e sem paciencia de esperar, optei por usar o do meu marido, que a gente já conhece as manhas e sabe como programar.
Por volta das 10:15 estávamos chegando em EPCOT.
Logo na entrada pegamos nosso PhotoPass e tiramos fotos legais em grupo e em familias. Tiramos aquela da sininho na mão. Muito legal! Todo mundo saca a sua máquina e começa a tirar outras fotos.
Mas nessa história, comecei a ficar tensa. A hora ia passando, eu vendo um bando de gente entrar e a gente tirando foto. Meu marido me cutuca. - Relaxa! Estamos de férias. Dou um sorriso amarelo e falo entre dentes: - Mas temos que ver um monte de coisa. Se ficarmos parados aqui não vai dar tempo. Ele insite: - A gente vê o que der, o que não der não deu...não esquenta. Mas eu, com a mania de cumprir o programado, me sentindo meio guia do grupo, não relaxei.
A primeira decepção foi encontrar a Esfera Geosésica ainda fechada. Fazer o quê ? Nada. Só lamentar a chance perdida...
Mas, vamos em frente. Ao passar dela, demos de cara com aquele placar que mostra os tempos de espera dos brinquedos. Para minha total surpresa, estavam todos com no máximo 20minutos!
Surtei!
Optamos então em começar pelos brinquedos mesmo e não pelo Innovetion que era o combinado.
Fomos para o Mission: Space. Fomos na mais light, pois por causa das crianças ficamos com medo de arriscar. Quando começa a decolagem, a força G me fez chorar! Não, não estava triste, mas a força fez sair lágrimas dos meus olhos. Saímos todos animados. O Eduardo (marido da Simone) é supermedroso, mas acabou confessando que gostou. Na saída tem um brinquedão para as crianças e alguns joguinhos eletrônicos. Ficamos ali com as crianças e meu marido e Eduardo foram fazer a versão mais hard. Fomos naquele jogo de grupo que não lembro o nome no qual precisamos pegar uns cubos da cor correspondente a sua mão. Não sou fã de jogos eletrônicos, mas pelas crianças a gente faz coisas que até Deus duvida. Dez minutos depois voltam eles animadíssimos. Olhei para a Simone e ela na hora concordou com a cabeça. Lá fomos nós. As crianças continaram a onde estavam, brincando. Adorei a versão mais hard. Chorei de novo, fazer o que?!
Finalmente saímos de lá, não impunemente, passamos na bendita loginha e compramos uns cacarecos.
Próxima parada: Test Track. Lá as filas estavam um pouco maiores, mas não levamos mais do que 10minutos. O menino do outro casal, que como o pai não gosta(não gostava) muito de adrenalina, ameçou não querer ir, mas depois de algum papo, ele topou. Este teste é bem legal. A velocidade me alucina. Quando saímos, advinhem? O menino queria voltar! Enfim, seguimos por aquela parte que é bem masculina onde há um monte de carros de todos os modelos e tamanhos. Dessa vez conseguimos tirar fotos e entrar nos carros. Ano passado estava tão cheio que não deu. Depois caímos em mais uma lojinha e lá se foram mais algumas verdinhas.
Decidimos que era hora de comer. Haviamos levado nosso lanchinho básico. Paramos num banco com sombra entre o Showcase e Future Word. Depois de comer, meu filho ficou animado a ir brincar naquelas águas dançantes. Estava um calorão. Concordei, só pedi que tirasse o tênis. Mas ele não quis ir só. Não me fiz de rogada. Fui junto! Dali a pouco o outro menino que é amigo dele na escola resolveu se juntar a nós e logo tinha mais crianças. Saí de fininho e deixe-os se divertindo. Quando olho de novo eles dois, mais um outro menino que não faço ideia de quem seja, “mergulhando”, se é que isso é possível, naquela água!
Comprei uma daquelas toalhinhas minúsculas para dar uma secada no meu filho e de brinde dentro dela veio um também minúsculo Mickey. Como não havia levado outra muda de roupa – afinal EPCOT não tem brinquedos que molham - ele ficou sem camisa.
Decidimos olhar um pouco do Showcase. Começamos pelo Canadá e lá já procuramos e fotografamos alguns “Mickeys escondidos”. Não quis ir ao “Ó Canadá” pois ano passado meu filho dormiu, e o show não tem mais aquele encanto depois dos IMAX. Seguimos para a Inglaterra e lá percebemos o tempo mudando. Resolvemos apressar o passo para ir assistir ao show Voice of Liberty – um coro que canta à capela. Muito legal, já havia visto outras vezes, mas desta vez quem regia era uma Maestrina. É muito tocante perceber as diferenças sutis na forma de reger. Nesse momento a chuva desabou lá fora. Já que estávamos ali, resolvemos assistir um outro show nos EUA – The American Adventure. Esse show é bem patriótico, bem feitinho, mas acho que não voltaria. Quando acabou o show ainda chovia, mas enquanto decidíamos o que fazer, compramos capas de chuva e a chuva foi diminuindo aos poucos. Fomos caminhando e vimos um pedaço do show do Japão – Matsuriza – tocadores de tambor. É bem legal, pena que não deu para ve-lo todo.
Perto dali pegamos aquela balsa que fica atravessando de um lado para o outro. Quando chegamos do outro lado já não chovia.
Resolvemos ir ao Soarin. Lógico, que por conta da chuva, muita gente estava ali. Mas mesmo assim a espera era de 20minutos. Ano passado não havia aqueles jogos de imagens para distrair a gente enquanto esperamos o vôo. O passeio naquela asa delta pela Califórnia é sensacional. Os cheiros são fantásticos. Como estávamos na primeira fila, ficamos mais no alto. Fiquei descalça pois estava de sandália e tive receio que ela caísse e machucasse alguém. Realmente é uma delicia, a gente se sentir lá em cima e balançar os pés. Os meninos quiseram repetir e fomos de novo. E de novo na primeira fila.
Decidimos não ficar para o Illumination pois estávamos todos cansados depois de um dia cheio de fortes emoções. Saímos dalí e fomos jantar. Fomos em direção a Downtown. No caminho para os restaurantes passamos na frente da loja Lego imagination Center que é sem dúvida o brinquedo favorito do meu filho. Então, enquanto os homens foram tentar uma reserva no Rainforest Café, ficamos eu e Simone com os meninos na loja da Lego. Meu filho fez vários daqueles bonequinhos e queria levar todos, mas por U$9 3bonequinhos, não dá para levar muitos. Ainda assim ele me enrolou e levou 9, ainda comprou umas outras miudezas.
Conseguimos uma reserva para o Rainforest e lá fomos nós. O lugar em si, já é um barato. Vale a visita. A loja tem umas coisas bem legais, com uns preços bacanas. Lógico que terminamos o jantar com um Volcano, e apesar do restaurante nesse momento já estar vazio, com palmas e tudo! Saímos de lá rolando de tanto que comemos!
Fomos para o hotel, banho e cama que amanhã será Universal.
Continua no próximo capítulo...

 


 
 
Assim que você adentra ao Magic Kingdom perceba que o chão é avermelhado, trata-se de uma idéia de Walt Disney visando dar a impressão aos visitantes do Reino Mágico que um tapete vermelho está estendido para eles, mostrando a importância da sua presença.