Alfândega - Relatos

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais antiga para a mais recente
 

O objetivo do presente tópico é o de servir de espaço para que possamos postar - relatos - sobre as nossas experiências com a alfândega (exclusivamente). Peço que questionamentos sobre a "cota de isenção" sejam reservados para o seu tópico específico - Alfândega - Cota de Isenção.

leia essas informações
 
Índice  
 
 
GRU - 26/10

 mensagem postada em 19/11/2014 - 08:11:22hs
 
 

Chegamos aproximadamente ás 00:30, nosso voo veio de Bogotá.
Paramos uns 20 minutos no Duty Free, quando passamos na fila do nada a declarar não havia mais ninguém para passar, apenas nós. Os fiscais estavam mexendo no celular e nem olharam pra nossa cara. Foi mil vezes mais tranquilo do que eu imaginava.

 


 
Res: Campinas

 mensagem postada em 18/11/2014 - 05:11:37hs
 
 

Oi Luiz!

Tenho um amigo que viajou recentemente para Orlando/Miami e foi por Campinas.

Se eu não estiver enganado ele viajou de Gol e disse que foi tranquilo.

Agora com a inclusão da Azul não sei como vai ser e estou pensando muito nisso, pois fechei meu voo pela Azul então acredito que a frequencia dos voos por lá devem aumentar consideravelmente e isso pode influenciar na fiscalização.

Espero estar errado rsss.

Abrs.

 


 
Receita GRU

 mensagem postada em 18/11/2014 - 05:11:11hs
 
 

Voo da AA Terminal 3 GRU ontem a noite e a receita pegando pesado, mandando boa parte pro Raio X e outra boa parte pra conferencia manual, passei no raio x e deu pra ver varias familias com criança, casal, pessoas sozinhas com mala aberta sendo revirada. Até um casal de idosos com 1 mala cada o agente mandou pro raio x, mas liberaram.

Totalmente aleatório.


No meu caso tava com pouca coisa, só item pessoal mesmo e a mulher do raio x liberou...mas pelo visto o leão vai morder cada vez mais pesado com o turista.

 


 
Res: ALFÂNDEGA COM FAMÍLIA

 mensagem postada em 18/11/2014 - 11:11:12hs
 
 

Meu retorno sempre foi pelo Rio, mas em todas as vezes a maior concentração de malas fica com meu marido, depois comigo e desta ultima vez, até minha filha ajudou. Passamos sempre juntos. O fiscal perguntou quanto tempo ficamos lá e se estávamos todos juntos.

Sugiro que a família passe junto. O limite de malas é estipulado pela cia aérea, de modo que não há esta obrigatoriedade de cada um passar com duas malas.

Mônica Santoro

 


 
Res: ALFÂNDEGA COM FAMÍLIA

 mensagem postada em 18/11/2014 - 10:11:30hs
 
 

Oi Márcia, bom dia!

Não sei se ajuda pois voltei pelo Rio o Galeão e lá estávamos em 5 pessoas ( uma de 2 anos) e nove malas e passamos todos juntos o fiscal não falou nada.

Mas em Guarulhos atualmente não sei como está.
Se passarem no RX e tiver algum eletrônico talvez parem para averiguar como aconteceu em 2008 comigo mas já faz muito tempo não sei se serve de parâmetro.

Abçs,

Alessandra

 


 
ALFÂNDEGA COM FAMÍLIA

 mensagem postada em 18/11/2014 - 09:11:44hs
 
 

Bom dia amigos,

Estarei viajando com esposa e 2 filhos menores e o retorno será por Guarulhos, e a pretensão é trazer as 8 malas da cota.

Qual a melhor forma de passar pela alfândega?

1 - Cada integrante com 2 malas.
2 - Eu posso concentrar a maioria das malas comigo?

Obrigado

 


 
Só para relaxar!!

 mensagem postada em 16/11/2014 - 09:11:20hs
 
 


Pessoal quando leio este tópico sempre sobe a adrenalina e a irritação. Eu sei que os fiscais só estão cumprindo a lei e tem gente que realmente extrapola mas pelo amor viu!!

Estes fiscais deixam a gente com raiva: quando fomos parados em 2008 por causa do notebook do meu marido tinha uma chapa de metal enorme fixa na máquina escrito patrimônio e o nome da empresa. Assim que o fiscal viu ficou até constrangido deu uma olhada batida no resto mas eu já saquei as notas comecei a descrever o que ia na cota de cada um e ele liberou na boa nem precisei terminar de falar (acho que ele percebeu que eu ia falar muito "nos míííínimos detalhes kkkkkk).

Eu tenho uma filmadora velha que não posso levar pois não tenho a nota e segundo a própria receita (mandei 2 emails diretamente para eles) se o fiscal quiser ele pode taxar sim.

Agora acabei de saber que estão segurando os Drones na alfândega e já não vou trazer o que eu tinha escolhido.

Já juntei as notas fiscais de tudo que vou levar de eletrônicos daqui.

Agora adesivo da Zona Franca de Manaus deve dá para perceber que é nacional né ou vão inventar mais moda!!

Enfim gente vou tentar relaxar pois não posso deixar estas coisas atrapalharem a viagem, né!

Abçs,

Alessandra

 


 
Res: MANAUS

 mensagem postada em 16/11/2014 - 03:11:17hs
 
 

Olá

Computador com sinais de uso, podem ou não taxar. A lei prevê cobrança de impostos, se não me engano, até 5 anos de uso.
Mas depende do bom senso do fiscal, do valor do computador. Se for um macbook pro quase novo, prepare o bolso para pagar!

 


 
Res: Mariana Salles

 mensagem postada em 16/11/2014 - 03:11:33hs
 
 

Mariana a Alguns meses a lei mudou e não existe mais a declaração de saida temporaria de bens, portanto a unica forma de provar que vc já os tinha é através de nota fiscal ou de algum selo da industria brasileira.
(mensagem de Rodrigo Garijo das Neves)


Olá, só uma observação: selo brasileiro da Anatel não quer dizer que o imposto tenha sido pago. Somente o que comprova a nacionalização é o DARF (caso tenha sido importado) ou a nota fiscal do Brasil.

 


 
Res: Brasília - só pegam gente com cara de rica

 mensagem postada em 16/11/2014 - 02:11:21hs
 
 

Voltei de orlando na sexta, de TAM, e relato o que aconteceu desde Orlando. Estava eu, meu filho, meu marido, uma mala média cada um, mais uma mala de muambeiro paraguaio, mais uma mala de bordo, cadeirinha de carro. Já na fila do checkin, fiquei horrorizadaaaaa com o tamanho das malas dos demais passageiros. Eram malas gigantescas! Sempre vi dessas malas, mas nesse dia era 90% da fila. Uma única família estava com 3 televisões de plasma gigantes. Tinha aspirador industrial. Maquina de lavar louca. Frigobar! De cara já senti que não teríamos problemas, apesar de ter comprado muito acima da cota. Chegamos em Brasília super cansados, e, por estarmos com criança pequena, a PF nos passou na frente. Chegando na fila do nada a declarar, dessa vez eu inventei de perguntar pro troglodita da RF se tinha fila preferencial. Ele riu da minha cara, no maior sarcasmo do mundo! Me olhou de baixo a cima. Na mesma hora comecei a discutir com ele, e o povo todo das malas monstruosas com os olhos arregalados (hahahahahahaha), gritei muuuuuito com o babaca! Já saquei meu regulamento aduaneiro da bolsa e falei: me coloca naquele raio X que ninguém sai daqui hoje! Não se escutava um pio dentro daquele ambiente. A cara de felicidade dos vendedores do duty frete era a melhor. Parece que diziam: "finalmente alguém enfrentou essa criatura."

(Esse foi meu único barraco público da minha vida)

Depois do ocorrido, obviamente a fila estava maior ainda, e eu "pacientemente" fui para o final. A cadeirinha do meu filho extraviou, então precisei preencher a papelada com o funcionário da TAM. Demorou um século para o cara aparecer e só sobrou a gente. O troglodita fiscal fez amizade com meu marido, entregou cartão (hahahahahahahah) e deixou a gente passar reto. Ficou "amigo" depois que descobriu que ele era funcionário federal. Deu tempo de cada um contar meia vida.

Atenção: Pelo amor de gosh, usem a roupa mais pobre do mundo para passar na fila do nada a declarar. Eu notei que malas mequetrefes e pessoas com cara de classe média-média, de havaianas, tatoo, etc (gente mais desencanada) eram poupadas de serem arrancadas da fila do nada a declarar. Agora, madames maquiadas, cheias de jóias, bolsas de grife (dá para arrancar o chaveiro cafona da MK antes de embarcar e deixar menos na cara?), genteeeeee, não ficou UMA sequer na fila. Entre linda na imigração dos EUA, mas cuidado com o chiquê no retorno. O prejuízo pode ser alto!


(mensagem de Luana Mendonça)


Olá,

Sei que é uma mensagem bastante antiga, mas como meu cadastro é recente devo comentar sobre sua mensagem.
Alguns pontos estão obscuros, por isso creio que muita coisa que você falou não é verdade. Como viajo e volto sempre por Brasília, lá está claro em um cartaz gigante: fila PREFERENCIAL para tripulantes, deficientes, gestantes, etc, tudo o que a lei já prevê.
Em segundo lugar, se você tivesse gritado ou desafiado o fiscal, seria presa por desacato ou insubordinação, o que não ocorreu. E, por experiência própria, não importa a roupa com que me visto, não há seleção de passageiros baseados nesse critério e sim na quantidade de bens que estão trazendo.
Até mais...

 


 
 
O portal "torii" existente no pavilhão japonês (Epcot) foi baseado no Itsukushima Shinto Shrine e representa a passagem entre o mundo físico e o espiritual.