Voltei - Relato da minha viagem!

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais antiga para a mais recente
 
Índice  
 
 
Adorando os relatos!

 mensagem postada em 05/01/2017 - 09:01:43hs
 
 

Meninas, estou acompanhando os relatos de vocês e estão incríveis! Tenho mta vontade de levar minha mãe comigo pra Disney de novo. Deve ter já uns 20 anos que ela não vai! Ainda não tenho previsão concreta de retorno pra terra da magia, mas espero que no final desse ano! E quero ir nessa época de início de janeiro também!

Continuem, por favor!

 


 
Dois adultos na Disney

 mensagem postada em 03/01/2017 - 11:01:45hs
 
 

Quinta-feira, 1/12 - Esse era o dia!

"Esse é o dia" foi a frase que eu falei pra mãe durante muito tempo de planejamento e durante todos os outros dias de viagem. Eu não contei nadinha do que iria acontecer naquele dia e ela acordou e colocou calça (ela ta sempre de bermuda na Disney, pois diz ser muito quente caminhar de calça). Pois bem, era o dia da festa de Natal do MK.

Chegamos mais cedo do que o costume, desta vez o monorail estava funcionando. Logo vimos que seria outro dia lotadão. Showzinho de abertura visto, fomos, como sempre para a montanha-russa dos 7 anões. Eu sei que ela é bem bobinha, mas ela é muito linda e bem feita, e a Branca de Neve é o desenho preferido da mãe desde sempre. Fizemos vários brinquedos novamente, desta vez o parque só lotou mesmo pra festa de Natal, então deu pra fazer muito mais do que na primeira vez. O único ponto fraco foi que fomos no brinquedo da Pequena Sereia (não tinha fila) e ele quebrou quando estávamos pra entrar no carrinho. Esperamos 30min e fomos embora, pois não parecia que iam consertar tão cedo.

A surpresa se deu no horário do almoço. Fomos no Cinderella Royal Table. É, eu e a mãe e NENHUMA criança, mas eu tinha o Table Service e tinha rumores que aquele seria o último ano que o restaurante abriria para Table Service 9lembrando que ele cobra 2 meals por pessoa), então porque não? Sem falar que só de dizer pra mãe que iríamos entrar no castelo já rendeu um sorriso de siso a siso que valeu a pena. Esse foi o único restaurante que chegamos um pouco antes da reserva (uns 15min) e mandaram voltar no horário da reserva e que não precisou esperar para entrar. Logo na entrada tiramos foto com a Cinderella, a mãe estava abobada.

Okay, era só a nossa mesa sem criança. Mas eu tinha a mãe, que é uma criança de quase 70 anos, então tudo bem. Eles nos deram a melhor mesa do restaurante, na minha opinião, bem na janela, com vista para toda Fantasyland. Até uma das princesas comentou que tínhamos vista para todo o Kingdom. Eu tinha olhado o menu umas 10X antes de viajar porque a mãe não lê nada em inglês e eu tenho que ficar traduzindo e acabo escolhendo pra ela. E ela é meio chata com comida quando viaja, parece que só confia em frango. Tinha poucas esperanças de alimentação neste restaurante, mas fomos de frango (sempre) pra mãe e peixe pra mim. Veio uns petiscos de queijo e azeitonas antes que estava horrível, mas epois chegou a comida e ela era linda. Não pudemos provar pois começaram a vir as princesas (e a primeira tinha de ser a Branca de Neve que a mãe tanto ama). Toda vez que a gente ia morder vinha uma princesa, então deixamos todas passar antes de comer. Minha mãe que já não sabe tirar foto direito ficou tão emocionada que só conseguiu tirar foto de mim com a Branca de Neve, as outras só saíram fotos tiradas por mim dela. E ela chorando. ^_^

Eu achei que valeu muito a pena aquele restaurante. As princesas não são tããããão bonitas assim, só a Cinderella da entrada e a Branca de Neve são realmente lindas. Até nas fotos, quem vê, faz esses comentários. No final do almoço todas as crianças ganham uma varinha para sacudir no ar e fazer pedidos. Só que na nossa mesa não tinha criança... ai passou o garçom, viu os olhinhos cheios de lágrimas da mãe e deu uma varinha pra ela. Eu disse que tinha uma criança de quase 70 anos. E acabei ganhando uma também. A mãe carregou as duas durante o parque inteiro bem faceira.

Detalhe, comida ótima. Pelo menos o meu peixe estava ótimo e a mãe começou até as cenouras do dela, sendo que ela não gosta de cenoura, então acho que devia estar muito bom mesmo. Na sobremesa que escolhemos mal. Pegamos um sorbet de limão, mas era azedo e eu não consegui comer quase nada. As mesas dos lados pediram algum tipo de bolo de chocolate, e vinha uns lindos, todos com decoração de conto de fadas, fica a dica.

Depois fomos ver a parada e as lojinhas. A mãe tem muita sorte na hora das paradas, estávamos sentados na segunda fileira atrás de umas adolescentes americanas. Acontece que elas estavam lá para /'torcer/' por umas bandas de escola que foram tocar lá, antes da parada, e depois que a escola delas passou elas foram embora e a mãe puxou o bumbum até a sarjeta, pra não precisar esticar o pescoço.

 


 
Res: Dois adultos na Disney

 mensagem postada em 01/01/2017 - 10:01:41hs
 
 

Olá Cristina

Estou curtindo muito os relatos de sua viagem com a sua "baixinha". São deliciosos!

Quero agradecer seu retorno a respeito de Savannah e New Orleans. Percebi que Savannah continua sendo uma cidade adorável, mas fiquei triste com a decadência de New Orleans. Nas duas vezes que fui vi alguns pedintes, inclusive numa fila para se alimentarem em um órgão governamental. Acho que o Catrina piorou muito as coisas por lá, talvez tenha sido essa a causa.

Fiz o passeio pelas plantations numa véspera de Natal e assisti a um espetáculo que ocorre nesse dia, o Bonfires. Não sei se ainda existe.

Agradeço muito pela oportunidade de ter essas recordações. São lugares que não devo voltar e gosto de saber como estão atualmente.

Abs,
Maria Teresa

 


 
Res: Nós e a vovó na Disney (3)

 mensagem postada em 01/01/2017 - 10:01:35hs
 
 

Olá Mell

Confesso que estava aguardando os seus relatos, narrando a viagem com a sua avó, mas estou impressionada com duas coisas.
Primeiro com o detalhamento da viagem aérea. Talvez por você fazer parte da área de Saúde, seus cuidados e seus conselhos são fantásticos. Aliás, você narrou com detalhes todas as etapas até agora. Não deixe de comentar a respeito de Talahassee. Adoro essa cidade e gostaria de saber suas impressões.
Em segundo lugar, fiquei encantada com o seu carinho com a sua avó. Seus conselhos em relação a viajar com pessoas idosas com certeza são muito úteis e ajudarão outras pessoas. São poucos os relatos com esse foco.
Aguardo ansiosa os demais relatos.

Abs,
Maria Teresa

 


 
Res: Mell e Cristina!

 mensagem postada em 01/01/2017 - 08:01:44hs
 
 

Faço minhas as palavras da Marcela... continuem os relatos, meninas!

A proposito, em relação às comprinhas, vocês poderiam dar opinião... como estão os preços?

abraços!

 


 
Mell e Cristina!

 mensagem postada em 01/01/2017 - 06:01:26hs
 
 

Meninas, continuem os relatos! Estou adorando acompanhá-los! bjs

 


 
Nós e a vovó na Disney (5)

 mensagem postada em 01/01/2017 - 05:01:39hs
 
 

Pé na estrada, todos cansados, mas felizes e vamos que vamos para o hotel. Dessa vez resolvemos pegar um hotel em Kissimmee, fica ao lado de Orlado, pertinho do complexo da Disney e cheia de Outlets por todos os lados. Conseguimos promoção num site de reserva de hotel (que tem um programa de fidelidade em que a cada 10 diárias você ganha uma na próxima reserva, não importa aonde, pode ser aqui no Brasil ou fora) e fizemos reserva no Comfort Suits a US$76 a diária com café da manhã com waffles do Mickey . Gostamos muito do hotel, bom atendimento, usamos e abusamos do serviço de entrega de pacotes (uns vinte pacotes, de todo tamanho e peso. Tinha dois pesando mais de vinte kg cada) e não fomos cobrados por isso. Quarto bem confortável, com frigobar, microondas, pia de cozinha com armários e cafeteira. Nosso quarto tinha duas camas de casal, mais um sofá-cama já que éramos em cinco. Lavanderia em cada andar (muito útil), piscina aquecida e várias salas de conveniência que nem deu tempo de ver. Preferimos ficar em Kissimmee porque o hotel ficava quinze minutos do complexo Disney (sem precisar pegar o fervo da I-4 de manhã), boa parte das lojas dos Outlets que gostamos também fica lá. Com certeza nossas próximas viagens terão esse mesmo destino por muitas vantagens que aparecerão nos demais relatos.

Assim estávamos prontos para descansar para seguir com a nossa aventura no dia seguinte.

Até o próximo relato.

Abraços da Mell

 


 
Nós e a vovó na Disney (4)

 mensagem postada em 01/01/2017 - 05:01:41hs
 
 

Pegamos o transporte até o outro terminal para pegar a condução da locadora de carro. Fica no último andar do terminal e do lado de fora é só procurar pela plaquinha da empresa. Logo uma van veio nos pegar. Nós gostamos muito da Sixt, ela geralmente tem preços acessíveis, o atendimento é bom e não fica muito perto da entrada do aeroporto. Mas como assim? O pessoal geralmente nos pergunta. Não é melhor quando é mais perto? Nós achamos que não!

A entrada do aeroporto de Orlando é cheia de saídas e se errar uma saída danou-se...às vezes dá uma dor de cabeça achar o retorno, sem falar na muvuca dos carros e movimento nas alças dos viadutos. A Sixt fica mais retirada, então você pode entregar o carro sem precisar passar por todos aqueles viadutos e sem pagar pedágio!!!! Sim, dependendo de onde você vem precisa pagar pedágio para entrar no aeroporto. Daí é só deixar o carro e eles te deixam na frente da compania aérea. Muito mais simples. Fica a dica.

Alerta! Black Friday não serve só para compra de produtos mas para compra de serviços. Se você vai viajar perto dessa data, em dezembro ou dependendo até em janeiro fique esperto para aproveitar as promoõçes de aluguel de carro, seguro de viagem (pegamos pacotes aqui no Brasil mesmo super em conta) e dependendo até de pacotes de hotéis. Nós conseguimos uma promoção suuuuuuuuper maravilhosa na Sixt (e várias locadoras entram na onda das promoções é só ficar de olho para pescar as mais atraentes...). Na outra viagem estávamos em quatro e pegamos uma Tiguan, carro super bom mas quase não conseguimos colocar toda a bagagem na volta. Nessa vez estávamos em cinco então precisávamos de um carro que se adequasse a nossa condição (muuuuuuuuito espaço de porta-malas). Assim tínhamos reserva de categoria de SUV relativamente grande e com mais uma promoção ainda conseguimos um upgrade para uma categoria melhor por apenas 3 dólares!!!!!! (vamos falar de obamas ou trumps gastos agora?) E pegamos uma Santa Fé por US$31 a diária !!!!!! Recomendo muito esse carro, super gostoso de dirigir, o espaço interno dos bancos de trás foram aprovados, muito confortável e hiper econômico (comprovado na viagem que fizemos até Tallahasse, a capital da Flórida). Enfim carro super aprovado e recomendado.

(Chorando horrores pelas vezes que tive que alugar um gol pelado, sem ar-condicionado, sem direção hidráulica e sem câmbio automático por quase trezentos reais em SP)

Fique atento na hora de assinar ou fechar o pacote de serviços da locadora, eles já não empurram muito os gps mas ainda querem te encher de seguros de toda a espécie, fica a critério de cada um, mas nos pagamos somente o obrigatório.

Assim pegamos para o carro e rumo para o hotel! Geralmente tenho aquela sensação de “Enfim CHEGUEIIII!!!!!!!” depois que pegamos o carro e caímos na estrada. Meu pai e eu amamos mapas, traçar rotas e planejar caminhos, tanto que nós dois nos viramos muito bem em Orlando e arredores sem mapa. Mas isso se dá porque fazemos nossos próprios mapas antes mesmo de sair de casa. Procuramos rotas alternativas e verificamos a quantidade de pedágios pelo caminho. E se tudo isso falhar ainda temos o google maps que eu gosto muito de usar. Antes de sair para um lugar gosto de deixar a rota selecionado no google maps e mesmo se estou off line e não possa navegar pelas ferramentas ele me diz aonde estou pelo usando o gps do celular.

Uma das coisas que mais sinto falta quando volto para o Brasil, ainda mais depois de morar um tempo nos EUA é do trânsito, as estradas boas, as avenidas largas, o sitema de trânsito que faz todo o sentido e principalmente a sinalização e placas. Eu simplesmente amoooo aquelas placas enooormes com os nomes das ruas beeeeem graaaandes e visíveis já de muito longe que ficam nos postes das intersecções das ruas....Aquilo é tudo de bom quando você está dirigindo, ainda mais quando não está familiarizado com o local. Eu fico num estado de exasperação e raiva quando tenho que procurar nomes de ruas com letras que parecem em fonte numero 8 todas espremidas em ínfimas plaquinhas minúsculas que com frequência estão tortas e apontando na direção errada!

Desabafos à parte, continuemos...

 


 
Nós e a vovó na Disney (3)

 mensagem postada em 01/01/2017 - 05:01:52hs
 
 

O voo foi tranquilo, a comida sendo de avião estava boa, a seleção de filmes e jogos da TAM é melhor e mais extensa, mas foi uma viagem bem agradável. Serviço de bordo e atendimento muito bom. Alguns itens que sempre recomendo nessas viagens aéreas longas: meias confortáveis para colocar no pé após tirar o calçado, kit de viagem com escova de dente, pasta, fio dental e desodorante (atentar para quantidade de líquidos permitidos a bordo: 30ml, eu tenho aquelas embalagens de viagem mas na falta da até para colocar a pasta de dente em um potinho bem pequeno), almofada de pescoço inflável (para não ocupar lugar na bagagem e usar o travesseirinho que eles dão para apoiar outras partes), no caso de pessoas como a minha avó que tem problema de inchar os pés e pernas o uso de meias compressivas é fundamental.

Outra dica é usar a bagagem pessoal em baixo do assento da frente de forma que dê para esticar as pernas elevando um pouco os pés. Tapa-ouvidos e tapa-olhos são boas opções para aqueles que têm mais problemas para dormir. Evitar bebidas cafeinadas e refrigerantes também ajuda. Conselho de enfermeira: Não esquecer de se hidratar (leia-se tomar água e não suco ou outras coisas) de tempos em tempos, uma vez que o ar-condicionado da aeronave resseca muito e as pessoas esquecem todo o exercício que é andar de um lado para outro carregando malas pelos corredores do aeroporto. Muitas pessoas não sabem, mas nós tendemos a ficar mais agitados e irrequietos quando o corpo começa a desidratar. Outro ponto delicado são as bebidas alcoólicas, ao contrário do que muitos pensam elas não são boas opções para viagens aéreas uma vez que ao invés de acalmar os ânimos elas são estimulantes, podem interferir com medicamentos ingeridos, causar sintomas desagradáveis ainda mais quando a pessoa não se hidrata corretamente. Assim a melhor dica para pessoas que tem problemas para dormir em viagens longas é preferir voos diurnos ou conversar com o médico a respeito de relaxantes musculares ou calmantes. Fecha aspas.

Chegamos alguns minutos adiantados no aeroporto de Orlando, todos devidamente orientados a irem no banheiro antes da aeronave pousar pois temos que enfrentar a fila da imigração. (Cuidado especial esse para quem viaja com crianças, programe uma ida ao banheiro antes de pousar pois os pequenos tendem a ficar com vontade de ir no banheiro nos momentos mais impróprios ou quando não há banheiros por perto). Como sempre nós que viajamos no galinheiro sempre somos dos últimos a chegar nas filas quilométricas....e vamos que vamos esperar umas duas três horas lá na fila. Conforme os passageiros iam chegando os funcionários do aeroporto iam direcionando para as filas certas e teve uma das funcionárias que começou a falar bem alto indicando as filas dos imigrantes, dos residentes, dos com crianças e necessidades especiais, só que ela falou tudo em um inglês bem alto e rápido e logo que ela acabou um menino bem pequeno falou super alto: “Não entendi nada!” O comentário ecoou no salão e todo mundo caiu na risada, foi bom para descontrair. Aí.... depois de esperar uma meia hora na fila normal, uma outra funcionária nos pediu para sair da fila e ir cadastrar nossos passaportes numas maquininhas que estavam no fundo do salão.

Tínhamos vistos as máquinas mas achávamos que era só para o pessoal residente, mas não... é super legal para agilizar o processo. Você coloca a página do seu passaporte que tem o chip (não sei se é o chip ou outra coisa que a máquina lê) daí ele pede as suas digitais e por último tira uma foto sua e imprime um ticket para entregar no guichê da imigração. Tive uns problemas com o meu passaporte mas as funcionárias foram bem solícitas em me ajudaram, depois nos direcionaram para uma fila especial, achamos que iria demorar mais, mas acabou indo super mais rápido. Na próxima vez vou direto nas maquininhas. Tudo bem que alguns dos nossos nomes estavam errados no ticket e o número do passaporte de outros também saiu errado e o cara teve que consertar no sistema depois, mas ainda assim o processo foi muito mais rápido.

Sabe que quase fomos direcionados para o mesmo funcionário do guichê de imigração que nos atendeu dois anos atrás, um cara super simpático, mas levamos sorte dessa vez também pois o funcionário que nos atendeu era muito bem-humorado. Perguntou se morávamos todos juntos e nada mais. Achou o nome da minha vó super legal (América), foi super paciente com ela que sempre tem problema para colocar os dedos direito no leitor de digitais. Sabe aquele formulário que nos entregam no voo e precisamos preencher? Entreguei para ele, que só deu uma olhada por cima e disse para entregar depois de pegar as bagagens, mas depois de pegar as bagagens ninguém pediu o formulário e ficamos sem saber bem o que fazer com ele....

 


 
Nós e a vovó na Disney (2)

 mensagem postada em 01/01/2017 - 05:01:13hs
 
 

Nessa viagem resolvemos viajar com a Azul (resolvemos nada...eram as passagens mais baratas ). Para voos internacionais era a primeira vez com essa companhia, e a conexão era em Campinas Viracopos, que é bem mais tranquilo que GRU. Eu particularmente detesto a confusão que é o aeroporto de GRU, não consigo entender porque a logística é tão bagunçada nesses aeroportos brasileiros. (indignação mortal!) Assim embarcamos às seis da madruga em Curitiba e nosso voo era às 9:40 Campinas-Orlando. Eu particularmente prefiro viajar de noite pois consigo dormir e ganho tempo na viagem, mas o resto da mulherada na família vira zumbi raivoso depois de oito horas de voo, assim apesar do teeeeedio do voo de dia iríamos chegar de tarde e seguir para o hotel, dormir e começar o dia seguinte descansados.

Nosso voo era na sexta-feira, o primeiro trajeto foi sem intercorrências com vários passageiros que também iriam para Orlando. Chegamos em viracopos e aquele aeroporto ficou enorme (a gente se lembra bem quando era só um barracão de carga e descarga sem ar condicionado, duas cadeirinhas e nada de sala de espera). Enfim desembarcamos no terminal C e uma plaquinha minúscula mandava seguir em frente para as conexões internacionais, supostamente para o terminal B. E fomos andando e fomos andando e nada de placas para indicação e seguimos andando e o povo perdido e andando e nada de sinalização e continua andando até que.....o corredor acaba numa loja do Dutyfree! E agora? Não tinha ninguém para pedir informação, não tinha mapas dos terminais nem indicação de portão ou terminal nem nada (isso sempre me tira do sério....porque é que aqui no Brasil o povo não sinaliza as coisas?) E o tempo de conexão super apertado! Olha para um lado é loja, para outro também é loja, então do lado esquerdo tinha uma porta e várias pessoas saindo e se misturando no fluxo de pessoas que passavam no raio-x, bem do ladinho, super escondido tinha uma fila pequena de um monte de gente com passaporte na mão. Resolvemos perguntar se-por-um-a.c.a.s.o. a fila para conexão internacional era ali....Era!

Um ghichezinho minúsculo super escondido e a tela dos horários dos voos virada pro outro lado, você tinha que entrar na fila e virar de costas para enxergar a tela!!! Aí uma mulher começou a pedir os passaportes e os bilhetes de embarque e verificar um por um....e a fila foi crescendo e crescendo e o horário de embarque passando, até que veio uma outra funcionária toda esbaforida e perguntou quem iria pegar o voo de Orlando. Das pelo menos oitenta pessoas que estavam na fila só duas não levantaram a mão....aí ela começou a ajudar a revistar os passaportes também.... Depois bora para a fila da polícia federal.

Como minha irmã ainda é menor de idade eles mandaram ela com os meus pais numa fila especial e minha vó e eu passamos na fila normal. Nós duas passamos super rápido pois não tinha fila nenhuma nos vários guichês e a fila do único guichê especial estava quilométrica. Porque é que eles não vão distribuindo a fila do guichê especial quando os outros estão vazios? Tô falando que nós brasileiros temos muito que aprender ainda sobre logística.... Assim eu e a vó ficamos inquietamente esperando para depois ter que sair correndo (detalhe que a vó pode andar quilômetros e quilômetros, mas ela definitivamente não consegue correr nem andar mais rápido do que o passo habitual dela) para embarcar e depois de toda a correria pelo menos decolamos alguns minutos adiantado.

 


 
 
Assim que você adentra ao Magic Kingdom perceba que o chão é avermelhado, trata-se de uma idéia de Walt Disney visando dar a impressão aos visitantes do Reino Mágico que um tapete vermelho está estendido para eles, mostrando a importância da sua presença.