Alfândega - Relatos

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais antiga para a mais recente
 

O objetivo do presente tópico é o de servir de espaço para que possamos postar - relatos - sobre as nossas experiências com a alfândega (exclusivamente). Peço que questionamentos sobre a "cota de isenção" sejam reservados para o seu tópico específico - Alfândega - Cota de Isenção.

leia essas informações
 
Índice  
 
 
Res: Novas regras da PF/ Alfândega

 mensagem postada em 26/11/2014 - 10:11:15hs
 
 

Pelo que li na reportagem do Estadao as malas serao pesadas na saida... ja imagino a quantidade de coisas usadas levadas para fazer peso e que serao descartadas em paises estrangeiros...li tambem uma reportagem na Isto E que chamam de lixo brasileiro, no futuro, em referencia ao peso das malas na saida do Brasil em referencia a esta nova norma. Porem acredito que nem todos serao inspecionados e continuara o esquema "aleatorio"... pois se torna praticamente impossivel vistoriar todas as pessoas de cada voo internacional, mesmo atraves de raio X.
AS cias aereas ja pesam nossas bagagens na saida, porem agora deverao informar a RF este peso... isso parece bem complicado...erros de digitacao... etc e nao tenho bom pressentimento em relacao as filas de embarque nem em relacao pesagem na chegada...que Deus nos proteja....
Sei que este topico vai ficar complicado, e gostaria de saber o que voces pensam...
Abracos a todos!





Pessoal bom dia!

Segue o link da reportagem no Estadão

http://infograficos.estadao.com.br/public/economia/bagagens-alfandega/
(mensagem de AleGGuedes)


 


 
Res: Alfandega GIG

 mensagem postada em 25/11/2014 - 09:11:07hs
 
 

Tb voltei de NY, só que sábado. Deve ser o mesmo senhor. Alguem chegou pelo rio esta Hoje? ou nos ultimos dias e semana passada?
(mensagem de marcos vmorais)


Cheguei quinta-feira de NY pela Tam e não estavam parando ninguém, só tinha um senhor lá. Mas, chegamos junto com um vôo de Lisboa.
Em fevereiro voltei por Miami e estavam mandando TODOS para o raio-x e metade a abrir as malas.

É questão de pura sorte.
(mensagem de CamillaL)


 


 
Res: Alfandega GIG

 mensagem postada em 25/11/2014 - 08:11:37hs
 
 

Alguem chegou pelo rio esta Hoje? ou nos ultimos dias e semana passada?
(mensagem de marcos vmorais)


Cheguei quinta-feira de NY pela Tam e não estavam parando ninguém, só tinha um senhor lá. Mas, chegamos junto com um vôo de Lisboa.
Em fevereiro voltei por Miami e estavam mandando TODOS para o raio-x e metade a abrir as malas.

É questão de pura sorte.

 


 
Res: Alfandega GIG

 mensagem postada em 25/11/2014 - 08:11:59hs
 
 

Cheguei tem duas semanas, mas eram 2hrs da manhã e só tinha um velhinho da receita lendo jornal, passamos tranquilos.

Alguem chegou pelo rio esta Hoje? ou nos ultimos dias e semana passada?
(mensagem de marcos vmorais)


 


 
Chegada em Brasília com enxoval de bebê

 mensagem postada em 21/11/2014 - 08:11:19hs
 
 

Amigos, chegamos hoje no voo da TAM Miami/ BSB, às 7:30 da manhã. Vou relatar a nossa passagem pela alfândega. Fomos fazer o enxoval do nosso baby. Já dá para ter uma ideia da quantidade de malas e tamanhos. Como relatei em outro post, parte das nossas compras (1 mala com bebê conforto + roupinhas; 1 mala pequena com outros itens do baby, como a babá eletrônica e o nosso MAC BOOK PRO) foram enviados pelos nossos familiares que voltaram pelo RJ. Ninguém passou pelo raio-x e nem foi tributado.
Chegamos em BSB e optamos por pegar logo as nossas malas ( 1 mala tipo sacoleira com o carrinho de bebê apenas; 1 mala de 29 K; 2 malas de médias e 1 mala de mão) e partir para a fila do nada a declarar. Ao nos dirigir para o local já deu para perceber que nós éramos os que estavam com mais malas. Chamávamos mais a atenção, mas não quisemos ficar fazendo hora.
Chegando no fiscal ele nos perguntou de onde estávamos chegando; quanto tempo ficamos e se estávamos juntos. Respondemos que estávamos voltando de Miami; que ficamos 15 dias e que estávamos juntos. Daí ele nos mandou seguir pela linha amarela, enquanto todos os demais seguiam pela linha verde. Na hora comecei a ficar nervosa, pois éramos os primeiros a ser mandados para o raio-x. Além disso, só o nosso carrinho tinha custado bem mais de 500 dolláres. Enfim, chegando no raio-x o fiscal disse que ligaria a máquina e que era para o meu esposo colocar as malas e eu retirar do outro lado. Estou com 5 meses de gestação, mas a minha barriga não é muito aparente, então não retirei as malas alegando que estava grávida. Meu esposo veio e retirou. Ele nos perguntou o que tinha na mala de sacoleiro. Dissemos que era o carrinho. Daí ele nos questionou se trazíamos algum alimento. Foi nessa hora que o meu esposo lembrou que tinha uma maça e um saco de batatas na mala. O fiscal disse para nunca mais trazermos nenhum alimento dos EUA. Que ele estava quase nos mandando para a sala só por conta dos alimentos, acredita? Daí nos liberou.
Bem, o que eu tiro desta experiência (essa é a nossa terceira viagem para a terra da magia) é que a alfândega de Brasília não é esse bicho de sete cabeças. Ela é mais rígida se comparada às demais, porém o alvo deles é fiscalizar eletrônicos. Se vc for fazer o enxoval e voltar com muitas malas, não traga eletrônicos, pois com certeza vão chamar a atenção. Ah... e quanto ao enxoval, vale sim a pena. Basta se planejar e pesquisar antes de ir os preços. Economizamos muito fazendo o enxoval nos EUA, além do prazer da viagem. Espero ter ajudado!

 


 
Res: Campinas

 mensagem postada em 20/11/2014 - 05:11:37hs
 
 

Pessoal achei esse depoimento da internet, no site falando de viagem
espero que ajude

Pessoal,
estou de volta e compartilho as experiências com a alfândega de Viracopos.

Minha cunhada retornou na segunda, dia 15, as 04:30am.
Enquanto esperava a mala, pode perceber que muitas pessoas passavam sem problemas pela fiscal da Receita presente (o botão verde/vermelho não estava funcionando e a seleção era de acordo aos critérios da fiscal). Ela notou que eram paradas pessoas com mais de 2 malas grandes ou com bagagens em formatos/tamanhos não convencionais (ex: caixa de carrinho de bebê, caixas com grandes dimensões). Ela trouxe 1 mala grande (29´) e 1 mala média (25´) e não teve problemas...

No domingo, dia 21, chegamos eu, esposa e sogra por volta das 4:45.
As bagagens demoraram bastante e então tive tempo suficiente para ficar de olho nos procedimentos: o botão verde/vermelho estava ligado e uma auxiliar informava os procedimentos. Após ela, havia uma fiscal da Receita que indicava os procedimentos caso tivesse obtido sinal vermelho. Ambas eram bastante educadas e prestativas, bem diferente do pessoal de GRU.
Tentei contar e obter uma amostragem da quantidade de sinal vermelho, mas não tive dados suficientes... O que lembro com exatidão é que haviam passado 3 verdes e 1 vermelho, depois 4 verdes e 1 vermelho, depois passaram 2 verdes e nós 3 também com verdes.

Estava trazendo enxoval do bebê mas tudo dentro do limite das 3 pessoas, com notas fiscais, etc.
O carrinho de bebê consegui acomodar dentro de uma mala, então não chamou a atenção.
Enquanto fazia o free shop minha pessoa ficou próxima à Receita e pode verificar os procedimentos: chamou a atenção dela a educação da equipe e também serem bem mais razoáveis (pessoas com grandes bagagens passavam pelo raio-X e poucos eram paradas; por ser bem menor que GRU, ela conseguia observar ou ouvir parte do que acontecia e notou que somente tiveram problemas quem realmente estava muito acima da cota...).

Em nossa opinião, valeu a pena a viagem via VCP e nossa percepção é que caso tivéssemos obtido sinal vermelho, seríamos melhor tratados (educação e respeito, além da não arbitrariedade) do que a experiência negativa que tivemos em GRU. (em GRU fui taxados arbitrariamente em roupas, inclusive as roupas usadas, em Fev/2014).
Os vôos ainda estão em fase inicial para EUA e as outras cias aumentarão o fluxo de passageiros, então é cedo para analisar. A própria RF parece ainda se adaptando visto que um dia o fiscal selecionava, em outro dia o botão verde/vermelho foi utilizado...

Detalhe: o free shop é após a alfândega e pequeno, porém com os produtos usuais e que realmente valem a pena, em minha opinião (perfumes, bebidas, óculos de sol).

(offtopic: vi inúmeras vantagens em voar de VCP, ao invés de GRU, mesmo morando em SP - destaque para nenhuma fila no check-in, na PF, estacionamento mais barato que táxi dentro de SP, atendimento muito mais pessoal e adequado, não existe fila de táxi de mais de 1 hora como há em GRU na 2a de manhã; existem desvantagens também devido a GOL, escala em Sto Domingo e aeronave pequena; porém vou procurar o tópico adequado e compartilhar a experiência).

 


 
GIG 19/11

 mensagem postada em 20/11/2014 - 04:11:05hs
 
 

Chegamos ontem as 10:40, fizemos escala em Atlanta, chegamos com quatro malas de 32 kg mais duas de mão e mochila, viemos de Delta, tivemos duas mala avariadas pela Delta onde foi feito a constatação do problema e feito um boletim de ocorrência, um funcionário avisou que era para entrar em contato com a Delta que eles iriam ressarcir o prejuizo (vou fazer depois conto).
Na hora que chegamos já havia um voo, e estava chegando outro, mas quando fomos passar já não estava tão cheio, fomos encaminhados para o RX olharam e não pediram para ver nada nem o IPAD e o Ultabook que passamos dentro das cases eles perguntaram se eram nacionais que para a minha sorte são, liberaram e desta vez fora os 6,38 do iof da Dilma não precisei pagar.

 


 
Chegada hoje RJ

 mensagem postada em 20/11/2014 - 01:11:56hs
 
 

Amigos, ainda estou em Orlando, mas parte da nossa família chegou hoje no RJ. Cada uma com 2 malas + 1 mala de mão. A minha sogra estava com uma mala tipo sacoleiro com o BB conforto dentro. Esta mala foi envelopadas. Além disso ela levava na mochila um Mac Boo pro e uma filmadora. Dentro das malas tinha muitas coisas de bebê, pois a nossa viagem foi para montagem do enxoval. Elas passaram tranquilamente.

 


 
chegada por Brasilia

 mensagem postada em 20/11/2014 - 01:11:33hs
 
 

Chegamos hoje por Brasilia, e estava muito ansiosa pelo retorno, pois ja tivemos a experiencia de ser taxados numa outra viagem. Quando o aviao pousou, ate minha jugular pulava ... Estávamos com duas malas bem grandes, outra grande, uma pequena, bolsa de mao, eu com minha mochila pessoal (com meu iphone novo (plus) dentro, gps que levei daqui do Brasil pra usar lá. Meu marido com uma mochila nas costas, com pertences da minha filha de uso imediato e com esse macBook Pro com o qual digito aqui pra vocës (e n achei todos os acentos ainda ). As 3 malas maiores meu marido levava no carrinho, que juntas deram um volume enorme, eu empurrando o carrinho da minha filha e levando a mala pequena no chão. A fila do nada a declarar fazia voltas, pois outro voo internacional chegou no mesmo momento. Eu vi muitas pessoas com mais malas que nós, pessoas com aparelhos de tv gigantes, com caixa de monitores e computadores da apple.. Na nossa frente vimos 2 famílias serem mandadas para o raio x. Quando foi nossa vez, o fiscal nem olhou pra mim e falou: linha verde. Olhou pro marido que estava imediatamente atrás de mim (fila indiana), pediu o passaporte e era pra ele se posicionar na linha vermelha . O passaporte estava comigo, então eu voltei e entreguei os 3 de uma vez, se eu fosse olhar o passaporte pra achar o do marido acho que eu ia só tremer. Ele perguntou se estávamos juntos, sim, estávamos (e em nenhum momento pareceu que n estávamos, só n dava pra andar lado a lado). Ele olhou pra gente, olhou pras malas. Disse pro marido, com um semblante de boca torta, ok... pra linha verde. E passamos. Um alívio muito grande ... Antes de pousarmos a gente ainda cogitou se declarava o macBook ou o Iphone. Mas, sugeri arriscarmos. Ah, uma das nossas malas foi aberta e vistoriada pelo TSA. Deixaram um bilhete de aviso dentro que ela havia sofrido vistoria, mas n teve nenhum problema. So vi quando chegamos em casa. Era uma mala com uma batedeira grande e acessórios.

 


 
GRU - 26/10

 mensagem postada em 19/11/2014 - 08:11:22hs
 
 

Chegamos aproximadamente ás 00:30, nosso voo veio de Bogotá.
Paramos uns 20 minutos no Duty Free, quando passamos na fila do nada a declarar não havia mais ninguém para passar, apenas nós. Os fiscais estavam mexendo no celular e nem olharam pra nossa cara. Foi mil vezes mais tranquilo do que eu imaginava.

 


 
 
Você sabia que em 1971 o ingresso do Magic Kingdom custava apenas US$ 3.50 para adultos, US$ 2.50 para menores com idade entre 12 e 17 anos; e, US$ 1.00 para menores com idade entre 03 e 11 anos. Diferentemente do sistema atual, com esse ingresso os visitantes tinham direito a brincar em apenas duas atrações e se quisessem participar de outras tinham que adquirir outros ingressos.