Índice  
 
 
Res: Campinas

 mensagem postada em 20/11/2014 - 05:11:37hs
 
 

Pessoal achei esse depoimento da internet, no site falando de viagem
espero que ajude

Pessoal,
estou de volta e compartilho as experiências com a alfândega de Viracopos.

Minha cunhada retornou na segunda, dia 15, as 04:30am.
Enquanto esperava a mala, pode perceber que muitas pessoas passavam sem problemas pela fiscal da Receita presente (o botão verde/vermelho não estava funcionando e a seleção era de acordo aos critérios da fiscal). Ela notou que eram paradas pessoas com mais de 2 malas grandes ou com bagagens em formatos/tamanhos não convencionais (ex: caixa de carrinho de bebê, caixas com grandes dimensões). Ela trouxe 1 mala grande (29´) e 1 mala média (25´) e não teve problemas...

No domingo, dia 21, chegamos eu, esposa e sogra por volta das 4:45.
As bagagens demoraram bastante e então tive tempo suficiente para ficar de olho nos procedimentos: o botão verde/vermelho estava ligado e uma auxiliar informava os procedimentos. Após ela, havia uma fiscal da Receita que indicava os procedimentos caso tivesse obtido sinal vermelho. Ambas eram bastante educadas e prestativas, bem diferente do pessoal de GRU.
Tentei contar e obter uma amostragem da quantidade de sinal vermelho, mas não tive dados suficientes... O que lembro com exatidão é que haviam passado 3 verdes e 1 vermelho, depois 4 verdes e 1 vermelho, depois passaram 2 verdes e nós 3 também com verdes.

Estava trazendo enxoval do bebê mas tudo dentro do limite das 3 pessoas, com notas fiscais, etc.
O carrinho de bebê consegui acomodar dentro de uma mala, então não chamou a atenção.
Enquanto fazia o free shop minha pessoa ficou próxima à Receita e pode verificar os procedimentos: chamou a atenção dela a educação da equipe e também serem bem mais razoáveis (pessoas com grandes bagagens passavam pelo raio-X e poucos eram paradas; por ser bem menor que GRU, ela conseguia observar ou ouvir parte do que acontecia e notou que somente tiveram problemas quem realmente estava muito acima da cota...).

Em nossa opinião, valeu a pena a viagem via VCP e nossa percepção é que caso tivéssemos obtido sinal vermelho, seríamos melhor tratados (educação e respeito, além da não arbitrariedade) do que a experiência negativa que tivemos em GRU. (em GRU fui taxados arbitrariamente em roupas, inclusive as roupas usadas, em Fev/2014).
Os vôos ainda estão em fase inicial para EUA e as outras cias aumentarão o fluxo de passageiros, então é cedo para analisar. A própria RF parece ainda se adaptando visto que um dia o fiscal selecionava, em outro dia o botão verde/vermelho foi utilizado...

Detalhe: o free shop é após a alfândega e pequeno, porém com os produtos usuais e que realmente valem a pena, em minha opinião (perfumes, bebidas, óculos de sol).

(offtopic: vi inúmeras vantagens em voar de VCP, ao invés de GRU, mesmo morando em SP - destaque para nenhuma fila no check-in, na PF, estacionamento mais barato que táxi dentro de SP, atendimento muito mais pessoal e adequado, não existe fila de táxi de mais de 1 hora como há em GRU na 2a de manhã; existem desvantagens também devido a GOL, escala em Sto Domingo e aeronave pequena; porém vou procurar o tópico adequado e compartilhar a experiência).

 


 
Res: Campinas

 mensagem postada em 18/11/2014 - 05:11:37hs
 
 

Oi Luiz!

Tenho um amigo que viajou recentemente para Orlando/Miami e foi por Campinas.

Se eu não estiver enganado ele viajou de Gol e disse que foi tranquilo.

Agora com a inclusão da Azul não sei como vai ser e estou pensando muito nisso, pois fechei meu voo pela Azul então acredito que a frequencia dos voos por lá devem aumentar consideravelmente e isso pode influenciar na fiscalização.

Espero estar errado rsss.

Abrs.

 


 
 
Na atração Living with the Land, durante o passeio de barco você verá na cena da fazenda o número da casa - 82- na caixa de correio, uma referência ao ano que o Epcot foi inaugurado.