Alfândega - Relatos

 
Tópico Aberto

 
 
ORDENAR MENSAGENS: da mais antiga para a mais recente
 

O objetivo do presente tópico é o de servir de espaço para que possamos postar - relatos - sobre as nossas experiências com a alfândega (exclusivamente). Peço que questionamentos sobre a "cota de isenção" sejam reservados para o seu tópico específico - Alfândega - Cota de Isenção.

leia essas informações
 
Índice  
 
 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 04:10:49hs
 
 

Mauro,

Itens de uso pessoal não é aquilo que você traz para você, e sim o que usou durante a viagem.

Por exemplo, uma pessoa que passe 30 dias em Orlando indo de malas vazias para lá pode trazer muito mais coisas isentas de impostos na categoria itens pessoais do que uma pessoa que vá de malas vazias mas que passe apenas 3 dias por lá.

Itens pessoais isentos é aquilo que você precisou usar durante a viagem, devendo a quantidade de itens ser compatível com a duração e motivo da viagem.
Assim, hipoteticamente, uma pessoa que passe 15 dias em NY em janeiro pode trazer uns 2-3 casacos de inverno, umas 5 blusas, uns 5 conjuntos de 2ª pele. Tudo isento, sem entrar na cota de U$ 500.
Uma pessoa que viaja a negócios, pode comprar uns 2 ternos no exterior (de qualquer valor) também isento.
Uma pessoa que vai a Orlando no verão e passe uns 10 dias por lá, pode voltar com uns 2 pares de tênis, umas 10 camisas, 5 calças, isentos.
Mas nessa conta entra os itens que você levou do Brasil também. Nesse último caso, 10 dias em Orlando são compatíveis com 2 pares de tênis, se você já está indo com 1 do Brasil, então só 1 que você comprar lá vai ser isento.

Esses números são hipotéticos, cada fiscal tem uma orientação a seguir, sei lá se eles tem uma tabela dias de viagem-motivo-roupas isentas na mala. Mas, o que ele falam é isso. É isento os itens pessoais usados, desde que a quantidade seja compatível com a duração e motivo da viagem. Acima disso, entra na cota de U$ 500.

 


 
?????Res: Cheguei hoje 15/10 GRU

 mensagem postada em 16/10/2014 - 04:10:51hs
 
 

Pelo dito no relato, não havia eletrônicos, produtos de foto e vídeo ou computadores, tampouco, produtos de alto valor agregado....assim, pressuponho que as malas eram basicamente compostas de roupas, cremes, tênis, nada fora do normal para um turista brasileiro....

Considerando que cada um portava 2 malas (ou seja dentro dos limites), e, considerando o padrão das malas de viagem, não acham que este valor de R$ 6.000,00 esta super valorizado? Poxa seria o equivalente a R$ 2.000,00 por pessoa só de multa...o que sugere que compraram muito muito muito....

Será que o fiscal não agiu de má fé?

Poxa até parece -- palavra censurada -- o que fizeram com o colega....

Aproveitando o gancho, gostaria de entender, qual a relação entre o tempo de viagem e o que você trás? Não consigo entender porque eles perguntam isso e porque é considerado. Cito como exemplo um parente que teve a oportunidade de passar apenas 3 dias em Orlando (ganhou na empresa), ele gastou cerca de U$ 900,00 dólares em roupas básicas....como sabemos, voltou com a mala recheada...

Minha dúvida é: o funcionário da alfândega, se tivesse o parado não deveria apenas considerar o que ultrapassou os U$ 500,00 dólares e não é considerado de cunho pessoal, pouco importando quanto tempo ficou?

Obrigado.

 


 
 
No pavilhão do Marrocos, logo na entrada do Tangerine Cafe, você encontra algumas palavras escritas em árabe que traduzindo significa: "informações para turistas", ou seja, nada relacionado ao café como sugere.