Dezembro 19, 2014 @ 12:00 am
 

O guia como exemplo a ser seguido

 
 

Ouvi diversas vezes a afirmação de que o grupo é reflexo do guia. E é verdade! Por isso mesmo é que, se quisermos um grupo que demonstra as melhores condutas, precisamos atuar sempre com o melhor exemplo em termos de comportamento.

Assim como ocorre com a linguagem verbal, alguns sinais corporais variam de uma cultura para outra. Um gesto que em determinada cultura é usual e tem uma clara interpretação pode não ser relevante ou até ter um significado completamente diferente em outra. Um simples gesto pode ser interpretado de muitas maneiras, então na dúvida, conter-se e aos seus passageiros é o mais apropriado.

Nos cumprimentos, nós brasileiros costumamos abraçar e distribuir beijinhos, mas os norte-americanos são avessos a demonstrações efusivas. Ao cumprimentar alguém, basta o universal e tradicional aperto de mão. Para casais, abraços, beijos e carinhos em público podem acontecer, desde que discretamente, sempre respeitando o espaço comum, e acima de tudo, as diferenças culturais. Sinta-se a vontade para lembrar a seus passageiros sobre esta regrinha básica de educação e comportamento.

Cuidado ao fazer piadas e comentários: culturas diferentes envolvem reações diferentes. Evite falar de assuntos polêmicos como religião, política, ou mesmo esportes, discutir esse tipo de diferença pode fazer com que você seja mal interpretado. Para todas as situações: BOM SENSO!

Em filas, ou em quaisquer outras situações: há momentos apropriados para gritar e para silenciar. Seu grupo não estará sozinho, lembre-se sempre disso! Peça aos passageiros que jamais empurrem, puxem ou agridam fisicamente os personagens em suas pesadas fantasias. O grupo terá problemas com os seguranças, podendo o passageiro ser retido ou expulso do parque. Vale lembrá-los também de que nem todo mundo gosta de ser fotografado: se quiserem fazer a foto de alguém, que lhes peçam autorização - perguntar antes é educado e não arranca pedaço. NUNCA, JAMAIS, SOB QUALQUER HIPÓTESE permita que seus passageiros fotografem crianças ou adolescentes desconhecidos; por mais exagerado que lhe pareça, este tipo de atitude pode resultar num caso de polícia! O mesmo vale para placas de automóveis e motocicletas.

Os horários nos Estados Unidos são respeitados rigorosamente. Ao assumir uma posição firme frente aos passageiros que não cumpriram sua parte chegando após o horário marcado, você estará respeitando o comprometimento e responsabilidade assumidos pelos demais, que sempre estiveram no horário. PONTUALIDADE pode e deve ser exigida de todos, faça sua palavra valer.

Oriente os passageiros para que nunca joguem lixo no chão dos parques, do hotel, dos shoppings e, especialmente, enquanto estiverem nos ônibus e demais meios de transporte utilizados, mesmo que seja um pequeno papel amassado. Tamanha falta de educação é inadmissível.

Toda profissão tem seus jargões próprios, mas utilizá-los em meio a pessoas que não estejam familiarizadas com eles pode ser muito desagradável, pois aqueles desconhecedores dos termos utilizados muito provavelmente serão excluídos da conversa. O mesmo vale para gírias, que normalmente diferem muito de “tribo” para “tribo”. Falar bem o nosso idioma, além de ser mais elegante, traz a imensa vantagem de evitar que sejamos compreendidos erroneamente.

Palavrões também ficam completamente fora de questão, assim como frases inteiras de baixo calão ou de duplo sentido - o mínimo que você estará demonstrando é que só sabe se comunicar com o que há de pior. Da mesma forma, deixar frases inacabadas propositalmente pode demonstrar que você está inseguro ou teve um lapso de memória, não conseguindo completar seu raciocínio. Por outro lado, mostrar transparência e clareza de raciocínio sem perder a compostura pode causar maior impacto e gerar resultados mais efetivos.

Não há como prever uma gafe, mas algumas atitudes podem ajudar na prevenção dos micos: não ser radical ao expressar opiniões, perguntar quando surgirem dúvidas, prestar atenção em ambientes desconhecidos, são algumas das medidas mais simples que se pode tomar contra as situações inconvenientes. Se mesmo assim não adiantar, um pedido de desculpas sincero e sucinto resolve, não há necessidade de repetir as desculpas por horas a fio, isso apenas fará com que todos se lembrem de sua gafe por mais tempo.

Um tipo de falha comum, especialmente nos primeiros dias de viagem, é esquecer os nomes das pessoas. Repetir os nomes dos passageiros seguidas vezes enquanto faz uma fotografia visual de cada um deles pode ser bastante útil – mentalmente, lembre-se de objetos ou características pessoais que relacionem a pessoa a seu nome. Apelidos não são apropriados, a menos que as pessoas lhe peçam para serem chamadas como tal.

Em resumo, tenha em mente que você é o embaixador de seu país, e mais importante, o exemplo para seus passageiros. Orlando é uma cidade que recebe visitantes do mundo inteiro – respeito ao espaço comum é fundamental.

Considere as diferentes culturas, coloque-se no lugar do outro e pense no quanto sua atitude pode impressionar negativa ou positivamente os que estão ao seu redor, e no quanto tal atitude pode influenciar o comportamento de seu grupo. Aonde quer que vá, você representa seu país: qual é então a imagem que deseja transmitir?

 


TAGS:  O guia como exemplo a ser seguido   Luciana Ribeiro   Coluna Guias de Orlando  

Comentários (Facebook)

Voltar